O líder do CDS-PP afirmou esta quinta-feira que os centristas são o único partido capaz de retirar a maioria absoluta ao PS nas eleições legislativas dos Açores, sublinhando o objetivo de ter “uma maior” representação no parlamento regional.

Se há partido que pode tirar a maioria absoluta ao PS nestas eleições é o CDS. O CDS não significa uma alternância de políticas, mas uma verdadeira alternativa assente em propostas concretas e em protagonistas renovados em cada uma das nove ilhas. Nós temos um programa concorrente ao socialismo”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos.

O presidente dos centristas falava aos jornalistas no final de uma ação de contacto com a população da Madalena, no Pico, no âmbito das eleições agendadas para 25 de outubro, na qual esteve acompanhado pelo presidente da estrutura regional do partido, Artur Lima, e pelo cabeça de lista pelo círculo daquela ilha, Tiago Cardoso.

Francisco Rodrigues dos Santos recordou que, mesmo num contexto de maioria absoluta do PS na região, o CDS conseguiu aumentar o apoio social aos idosos na compra de medicamentos, criar um prémio de mérito para os estudantes que entram no ensino superior, criar creches gratuitas para os três primeiros escalões e aprovar programas para recuperar as listas de espera.

Então, com um CDS mais forte e retirando a maioria ao PS, estaríamos em condições de ter políticas mais justas, mais solidárias, que projetassem os Açores numa rota de desenvolvimento sustentável e preocupação com aqueles que são os mais fracos”, acrescentou.

Questionado sobre a possibilidade de o partido integrar um Governo de coligação se o PS só alcançar uma maioria relativa, Francisco Rodrigues dos Santos respondeu: “O CDS tem uma vocação autónoma de poder e candidata-se a estas eleições para ter o melhor resultado possível”.

“Quero apelar a um voto no CDS para que esse voto possa ajudar o partido a ter mais representação parlamentar e mais força para aprovar medidas que melhorem a qualidade de vida dos açorianos”, sustentou.

Nas anteriores legislativas açorianas, em 2016, o PS venceu com 46,4% dos votos, o que se traduziu em 30 mandatos no parlamento regional, contra 30,89% do segundo partido mais votado, o PSD, com 19 mandatos, e 7,1% do CDS-PP (quatro mandatos).