As partes em conflito na Líbia assinaram esta sexta-feira um cessar-fogo nacional e permanente, transmitido em direto pela Internet, após cinco dias de negociações em Genebra organizadas sob a égide da ONU.

“As partes líbias chegaram a um acordo de cessar-fogo permanente em toda a Líbia. Isto representa um ponto de viragem importante para a paz e a estabilidade na Líbia”, indicou a Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (MANUL).

A comissão militar conjunta da Líbia, representando as duas partes em conflito no país do norte de África, iniciou na segunda-feira a sua quarta reunião sob os auspícios das Nações Unidas, que contou com a presença da chefe da MANUL, Stephanie Williams.

Esta declarou-se na quarta-feira “bastante otimista” sobre a possibilidade de um cessar-fogo duradouro, numa conferência de imprensa em que anunciou vários acordos, designadamente a abertura das principais rotas terrestres do país, bem como de algumas vias aéreas internas.

A Líbia tem sido palco de violência e de lutas de poder desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011.

Duas autoridades disputam atualmente o poder: o governo de acordo nacional (GAN, reconhecido pela ONU e sediado em Tripoli) e o poderoso marechal Khalifa Haftar no leste do país.

Confirmada na cimeira internacional de 19 de janeiro de 2020 em Berlim, a comissão militar conjunta constitui uma das três vias percorridas em paralelo pela MANUL, juntamente com as vertentes económica e política.

Várias rondas de negociações têm ocorrido nos últimos anos e vários acordos foram anunciados, mas não aplicados.