Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Três dos quatro arguidos do processo Cashball foram ilibados — todos chegaram a ser detidos, suspeitos de corrupção desportiva, avança a TVI. André Geraldes, então diretor-geral da SAD do Sporting, foi um dos alegados envolvidos no esquema. Os leões já reagiram e consideraram “positiva” a decisão da investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária.

Em causa, está a denúncia de Paulo Silva, de que alegadamente terá sido mandatado por profissionais do Sporting para corromper árbitros de andebol e um futebolista. O primeiro foi o árbitro Roberto Martins, sendo que o objetivo era prejudicar o ABC; o segundo seria Ivan Cavaleiro, na partida contra o FC Porto. Terá tentado oferecer a ambos 2.500 euros. Segundo Paulo Silva, ele próprio também tinha sido mandatado para contactar o jogador do Desportivo de Chaves, Leandro Freire, que fora abordado para que prejudicasse a equipa nos jogos contra o Sporting a troco de 25 mil euros. Foram os próprios visados que provaram que Paulo Silva os abordou.

A investigação apurou, no entanto, que foi Paulo Silva quem tentou prejudicar as equipas adversárias, não havendo “indícios com relevância criminal” de que tenham sido os responsáveis do Sporting a mandatar Paulo Silva.

Além de André Geraldes (atual presidente da SAD da Estrela da Amadora), também foram constituídos arguidos no processo João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues, que Paulo Silva acusava de serem os intermediários.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nenhuma das suspeitas avançadas por Paulo Silva ficou provada. O denunciante do processo deverá ser acusado de corrupção desportiva na forma tentada. 

Em declarações à Sporting TV, o responsável da comunicação sportinguista, Miguel Braga, afirma que “é positivo, é bom que o Sporting não esteja envolvido em qualquer processo de corrupção, nem que seja alegadamente”. E destaca ainda que os leões estarão atento a outros processos de outros clubes, que “em principio, se as coisas decorrerem nos prazos normais da nossa justiça, nos próximos meses deveremos ter novidades”, conclui.

Notícia atualizada às 22h54