Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Tribunal Constitucional rejeitou o segundo recurso de Lalanda e Castro para afastar o juiz Carlos Alexandre da instrução do caso Máfia do Sangue. O antigo patrão de José Sócrates não se havia conformado com a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, que rejeitou um incidente para tirar o magistrado do processo também conhecido como Operação O Negativo, e avançou para o Tribunal Constitucional no final do ano passado. Na decisão sumária de 30 de dezembro, agora consultada pelo Observador, o juiz conselheiro José António Teles Pereira recusou o recurso de Lalanda e Castro clarificando não haver qualquer inconstitucionalidade no acórdão de segunda instância, contrariamente ao sustentado pela defesa.

Num despacho já posterior a esta decisão, que consta no processo Máfia do Sangue, Carlos Alexandre escreve ter sido notificado da decisão e entender que o incidente estará decidido quando o apenso respetivo baixar ao Tribunal Central de Instrução Criminal. O magistrado diz ainda que como está a atuar em substituição do colega Ivo Rosa fica a aguardar uma decisão transitada em julgado. Caso ainda ocorra a substituição nesse momento temporal, diz, agirá em conformidade.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.