Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma equipa internacional de cientistas conseguiu recuperar ADN encontrado em dentes de mamutes que viveram há mais de um milhão de anos. Este é o ADN mais antigo do mundo a ser sequenciado.

Os resultados publicados na quarta-feira na revista Nature tiveram por base amostras de material genético pertencentes a dois exemplares de diferentes subespécies, permitindo aos investigadores entender como é que estes mamíferos se adaptaram às condições climatéricas extremas do Pleistoceno (há entre 2,6 milhões e 11.700 anos) e como evoluíram ao longo do tempo até à sua extinção.

De acordo com o artigo científico, os dentes encontrados na Sibéria sugerem que os dois exemplares — denominados Krestovka e Adycha, em referência às regiões onde foram encontradas as amostras,— remontam há cerca de 1,65 e 1,34 milhões de anos, respetivamente.

A análise do material genético mostrou também que o espécime mais antigo pertencia a uma linhagem até agora desconhecida e que deverá ter sido a primeira a aparecer na América do Norte.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Isto surpreendeu-nos completamente. Todos os estudos anteriores indicavam que naquela época havia apenas uma subespécie de mamute na Sibéria, o chamado mamute da estepe. Mas as análises de ADN mostram que havia duas linhagens genéticas e achamos que elas podem representar subespécies diferentes”, escreveu um dos autores do estudo, Tom van der Valk, que é investigador no Centro de Paleogenética de Estocolmo.

Segundo os investigadores, o mamute Krestovka supostamente pertence a uma linhagem antecessora do mamute colombiano, que viveu durante a última era glacial nos Estados Unidos e no sul do Canadá e que seria na verdade um híbrido entre o mamute lanudo e essa nova linhagem.

Já o mamute Adycha provém da linha genética que deu origem ao mamute lanudo, que mais tarde se espalharia pelo Alasca e Canadá.

O estudo também forneceu novas pistas sobre a evolução dos mamutes, sobretudo no que se refere à adaptação ao frio. Agora sabe-se que a maioria das adaptações ocorreram lenta e gradualmente ao longo do tempo, e não de forma repentina.

“Cerca de 85% das adaptações identificadas no mamute lanudo já estavam presentes no mamute Adycha, há mais de um milhão de anos, incluindo aquelas relacionadas com o crescimento da pelagem, a regulação térmica e os depósitos de gordura”, descreveu David Díez del Molino, co-autor do artigo, concluindo que aquela linhagem também já estava adaptada ao clima frio.

O desafio maior foi extrair o ADN, contam ainda os investigadores, uma vez que as informações genéticas existiam em pequena quantidade por se terem decomposto em fragmentos, dada a idade das amostras.

Além da degradação das amostras, os cientistas tiveram outra dificuldade: a contaminação por bactérias, fungos e outros organismos. “É muito fácil contaminar [as amostras] com ADN humano, durante o trabalho de campo ou no laboratório”, explicaram.

Agora a equipa espera que este estudo seja um ponto de partida para futuras investigações sobre outras espécies e que permita recuar mais no tempo. Esta foi a primeira vez que se sequenciou ADN de exemplares com cerca de um milhão de anos. Até aqui o material genético mais antigo alguma vez sequenciado era de um fóssil de um cavalo que viveu há entre 560 mil e 780 mil anos no Yukon (Canadá).