Jeff Bezos está a investir numa nova startup que quer reverter o processo de envelhecimento. De nome “Altos Labs”, a empresa fundada no início deste ano junta, além da pessoa mais rica do mundo, um cientista laureado com o Prémio Nobel de Fisiologia ou Medicina, Shinya Yamanaka, e um biólogo que liderou a criação do primeiro embrião metade humano metade macaco, Juan Carlos Izpisúa Belmonte.

Noticiada pela revista MIT Technology Review, a startup já soma, pelo menos, 270 milhões de dólares (cerca de 227.354.850 euros) de investimento. A ideia é desenvolver uma tecnologia de reprogramação biológica. Para tal, a companhia já está a contratar académicos e a oferecer um milhão de dólares (aproximadamente 844.465 euros) como salário anual, além de estar a planear abrir alguns institutos, em países como EUA, Reino Unido e Japão.

Nos laboratórios, será investigada a forma de as células envelhecerem para, depois, se conseguir desacelerar esse processo e fazer com que os tecidos celulares envelheçam mais devagar. Segundo a revista tecnológica, alguns cientistas acreditam que este método de rejuvenescimento poderá ser aplicado a corpos de animais. A partir daí, poder-se-á chegar ao prolongamento da vida humana. E isso valerá milhares de milhões.

Este não é o primeiro investimento do fundador da multinacional Amazon em investigações de antienvelhecimento, nem o primeiro grande empresário tecnológico a apostar na área. O cofundador da Google Larry Page e o cofundador da PayPal Peter Thiel também já empregaram esforços no sentido de alterar o relógio biológico humano, explica o jornal de ciência Interesting Engineering.

De vendedor de livros ao mais rico do mundo: o legado de Jeff Bezos