Nove meses depois de deixar a seleção da Colômbia, Carlos Queiroz vai assumir mais um desafio. O treinador português é o novo selecionador do Egito, equipa que está atualmente no segundo lugar do Grupo F da qualificação africana para o Mundial 2022. Queiroz continua assim o já longo percurso no comando de seleções, depois de Emirados Árabes Unidos, África do Sul, Portugal (dois períodos), Irão e Colômbia.

A notícia foi divulgada pela própria Federação Egípcia de Futebol, numa confirmação dos rumores que já tinham circulado nos últimos dias — já depois de o nome de Carlos Queiroz ter sido associado à seleção do Iraque. O treinador português estava sem trabalho desde o início de dezembro de 2020, altura em que foi dispensado da Colômbia ao fim de um ano e 10 meses na sequência de uma goleada escandalosa sofrida contra o Equador.

No Egito, Queiroz será o sucessor de Hossam El-Badry, despedido depois de um empate numa visita ao Gabão. O treinador egípcio deixou a seleção com um registo de seis vitórias e quatro empates — sem qualquer derrota — e a equipa do norte de África está então no segundo lugar do Grupo F da qualificação africana para o Mundial 2022, atrás da Líbia e à frente do Gabão e de Angola. O grande objetivo do treinador português será precisamente esse apuramento para o próximo Campeonato do Mundo, algo que pesou na decisão de Carlos Queiroz na hora de preferir o Egito ao Iraque, já que o técnico considerou que terá mais possibilidades de estar no Qatar com o conjunto egípcio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O técnico de 68 anos esteve no Mundial 2010 com a Seleção Nacional e participou nos dois últimos, em 2014 e 2018, com o Irão. No Egito, vai trabalhar com jogadores como Mohamed Salah, do Liverpool, Mohamed Elneny, do Arsenal, e ainda Mostafa Mohamed, do Galatasaray.