O candidato do PAN à Câmara Municipal de Ponta Delgada, Dinarte Pimentel, defendeu esta quinta-feira que a incineração na ilha de São Miguel “pode ser perigosa”, manifestando disponibilidade para indemnizar o concorrente vencedor do concurso para a sua construção.

“Se se pudesse evitar eventuais indemnizações era ótimo, mas mesmo assim, será que a saúde dos micaelenses vale menos do que 54 milhões de euros?”, questionou o candidato, que afirmou estar disponível para pagar a indemnização porque, para além de salvaguardar a saúde, “a questão ambiental vale muito mais do que isso”.

O contrato entre a italiana Termomeccanica e a MUSAMI — Operações Municipais do Ambiente, para a construção de uma incineradora na ilha de São Miguel, num investimento de 58 milhões de euros, foi assinado em fevereiro, apesar das contestações judiciais.

Em 2016, a Associação de Municípios da Ilha de São Miguel decidiu, por unanimidade, avançar com a construção de uma incineradora de resíduos, orçada em cerca de 60 milhões de euros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além das contestações por parte de associações ambientalistas, o concurso para a construção da incineradora na maior ilha dos Açores esteve sob alçada da justiça devido a queixas por parte de um dos concorrentes, a Termomeccanica, que foi excluída em detrimento do consórcio luso-alemão formado pela CME e Steinmüller Babcock Environment.

Dinarte Pimentel, que esta quinta-feira visitou o aterro sanitário da ilha de São Miguel, considerou que a perspetiva do PAN no tratamento dos resíduos sólidos “é mais global e integradora”, sendo que “muitas vezes o problema está a montante da separação dos resíduos”.

“Ou seja, o resíduo devia ser muito melhor selecionado na origem, em casa das pessoas, devendo as câmaras municipais motivar essa melhor separação”, complementou.

Para o candidato do PAN, para além da separação do resíduo de plástico, papel e metal, deve-se separar na origem também o orgânico, porque “esse é o contaminante do material que tem valor”, devendo ser encaminhado para a compostagem ou valorização energética, uma vez que se trata de uma energia renovável, carbónica.

Dinarte Pimentel salvaguardou que, reduzindo o resíduo orgânico, se vai retirar “quase na totalidade a contaminação do aterro e as gaivotas, que vão proliferar e espalhar eventuais doenças pelo meio ambiente”.

São candidatos à Câmara de Ponta Delgada Pedro Nascimento Cabral (PSD), André Viveiros (PS), Vera Pires (BE), Luís Miguel Quental (IL), Luís Franco (Chega), Rui Teixeira (CDU) e Dinarte Pimentel (PAN).

Nas eleições autárquicas de 2017, o PSD venceu a Câmara de Ponta Delgada com 51,28%, alcançando cinco mandatos, sendo que os outros quatro mandatos foram conquistados pelo PS (39,11%). O BE teve 1,06%, o PAN 1,80%, a CDU 1,05% e a coligação CDS-PP/PPM 0,95%.

As eleições autárquicas estão marcadas para 26 de setembro.