Olá

833kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Minotti. Made in Italy, mundo fora, e agora também no coração do Chiado

Este artigo tem mais de 1 ano

Com 200 metros quadrados, nove janelas e vista para o largo de São Carlos, abriu portas a primeira flagship store da marca de mobiliário italiano em Portugal, um projeto executado pela QuartoSala.

Ao fundo, à direita, a peça de tapeçaria de Portalegre de Eduardo Nery, um dos elementos portugueses que pontua estes cerca de 200 metros quadrados que seguem a linha das lojas Minotti © Gui Morelli
i

Ao fundo, à direita, a peça de tapeçaria de Portalegre de Eduardo Nery, um dos elementos portugueses que pontua estes cerca de 200 metros quadrados que seguem a linha das lojas Minotti © Gui Morelli

Ao fundo, à direita, a peça de tapeçaria de Portalegre de Eduardo Nery, um dos elementos portugueses que pontua estes cerca de 200 metros quadrados que seguem a linha das lojas Minotti © Gui Morelli

No caminho de regresso ao estacionamento, a área certa estava afinal ao virar da esquina, e a deslocação não foi dada por perdida, depois de terem sondado um outro espaço que “não se adequava de todo”. “Olhámos um para o outro e pensámos que aqui é que seria um bom sítio”, recorda Clemente Rosado, uma das metades da QuartoSala. “Conheço este sítio desde miúdo. Era uma loja de decoração do arquiteto Jorge Burnay. O prédio estava em obras, a ser renovado, e pensámos que seria uma boa loja.”, complementa Pedro d’Orey.

A escolha revela-se através de uma das nove janelas da Minotti, que esta quarta-feira abriu portas no coração da capital, contando com o charme de uma vizinhança histórica. “Queríamos dar-lhe aquilo que só o Chiado tem em Lisboa, com o São Carlos, o nosso Scala de Milão, aqui ao lado. Toda esta componente, a Rua Ivens, o museu [MNAC], é a joia do que poderíamos ter. Não queríamos levar a marca para um shopping ou para a Avenida da Liberdade. É um lugar recatado, de charme, onde se vai pelo apelo da marca.”, acrescenta D’Orey sobre a novíssima flagship da marca de mobiliário italiana inaugurada pela QuartoSala, que passa agora a representar em exclusivo a marca que está integrada no seu portfolio desde 2019.

O ambiente da sala/escritório © Gui Morelli

O projeto de decoração e curadoria de design de Pedro e Clemente investiu um milhão de euros na concretização destes 200 m2, que reúnem peças do catálogo da Minotti e novidades para interiores e exteriores em seis ambientes diferentes. “Percebemos que as pessoas têm uma atração pela marca, que se esforça por ter uma coerência em tudo o que faz, que foi também o nosso desafio aqui. Tudo estava pensado ao detalhe; tudo tem uma ciência por trás em termos de arquitetura, de modo a que as peças tenham uma vida própria no espaço. Esse é o grande mistério”, descreve Pedro d’Orey. Adicione-se o longo historial de uma casa que há três gerações se mantém no seio do mesmo clã. “Para nós que já estamos no mercado há um tempo e assistimos a grandes mudanças de CEO’s nas empresas, compras e take overs, faz toda a diferença ver uma história familiar. Faz-nos sentir parte da família também.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma história de família made in Italy

O ponto de partida situa-se em Itália, no rescaldo da II Guerra. Em 1948, Alberto Minotti dedica-se à então ainda pequena oficina que haveria de seguir o curso da industralização anos 60 adentro. Mais de sete décadas depois desse arranque em Meda, nos arredores de Milão, o que mais terá mudado e permanecido inalterado? “Penso que agora as pessoas quando compram mobiliário querem encontrar algo diferente. Posso dar um exemplo: quando entra numa monobrand como a Louis Vuitton ou Hermès tem automaticamente uma visão muito compacta. O interior, a decoração, a atmosfera… e esta aqui é a nossa visão, minha e do meu irmão, nos últimos 30 anos.”, define Renato Minotti, que com o irmão Roberto assumiu os destinos da marca em 1991, após a morte do pai.

Alessandro, Susanna e Renato, duas gerações ao leme dos destinos da Minotti. © Ricardo Gomes

É esse modus operandi que se vê refletido na execução de cada loja, fiel à música, ao aroma emblemático, à disposição de cada peça, no seu intrincado xadrez cromático, uma disposição trabalhado ao milímetro (já lá vão 27 anos) pelo diretor criativo Rodolfo Dordoni, arquiteto e designer multifacetado e “profundo conhecedor da arte contemporânea”.

“É como se numa loja fosse recebido não por um sofá mas pela coleção inteira. Vai sentir-se numa casa real, porque quando vendemos móveis vendemos emoções. É essa emoção que o cliente procura para a sua casa.”, reforça Alessandro Minotti, um dos netos do fundador, e natural seguidor do negócio familiar. Ao lado do gémeo Alessio, e ainda de Susanna e Leonardo, posicionam-se na linha frente dos desafios de um milénio marcado pelo digital e pelo multiculturalismo. Ao todo, dos EUA à Ásia, são agora 56 em todo o mundo, com esta primeira inauguração em Portugal.

Um recanto de outdoor, que a Minotti também passou a explorar, e um dos muitos detalhes que pontuam o ambiente. © Gui Morelli

Num mundo em veloz transformação, o que fica quando a poeira assenta mantém o seu peso. “Por vezes os clientes chegam-nos com uma página de revista com um anúncio Minotti e dizem que querem isto, “quero este feeling”. Queremos que seja algo que os nosso filhos possam herdar, que perdure, que seja intemporal. Sabem que estão a comprar algo que vai durar.”, define Susanna. Num emblema que no começo dos anos 90 contava com 60 empregados e 5 milhões de euros (hoje falamos de 350 pessoas e 240 milhões), “é importante perceber as tendências, mas manter a identidade”, sublinha Renato, garantindo que o fator de sucesso e internacionalização assenta no “certificado de garantia de qualidade do produto, de dez anos”. Um ingrediente que é combinado com o styling, o design, e restantes variáveis. “É essa visão 360º que se traduz no resultado final. Todas as pontas do mercado devem estar juntas.“, remata Alessandro.

Colaborações e a ponte com a arte portuguesa

Se no novo espaço é possível descobrir coleções assinadas por Rodolfo Dordoni, a este leque juntam-se designers internacionais que têm colaborado com o Studio Minotti, casos do brasileiro Marcio Kogan, Studio Nendo e das duplas Inoda+Sveje e GamFratesi, que também passaram por Lisboa. O traço do par italo-dinamarquês manifesta-se por exemplo na coleção Raphael, com a sua leveza e sofisticação — três variantes de sofá, dois tipos de poltronas, duas poltronas de jantar e uma banqueta para os pés que podem ser vistas na penthouse do edifício. Num projeto de carácter temporário, o último piso foi decorado integralmente com mobiliário Minotti. “Claro que somos um showroom mas, por exemplo, a intervenção que fizemos no último andar é uma oportunidade única para mostrar esse projeto de casa. Se um cliente estiver a pensar investir numa casa em Lisboa, consegue perceber como seria a casa Minotti.”, reforça Alessandro.

Na renovada penthouse do edifício, é possível visitar, por um período temporário, o resultado da intervenção do espaço com a assinatura da Minotti. Um cenário onde foi fotografada a dupla GamFratesi, Stine Gam e Enrico Fratesi. © Ricardo Gomes

“Há imensos apartamentos nas grande capitais com esta tendência neoclássica. Raphael é o habitat perfeito para estas peças. É um exemplo de como uma coleção pode ir dando pequenos passos. Há mercado para esta tipologia de mercado, para além das grande villas que vão surgindo na Europa.”, acrescenta o pai. “A escolha de Marcio Kogan também é importante neste contexto de Lisboa, por exemplo, que tem uma relação forte com o Brasil. O mood das lojas é o mesmo mas é preciso perceber a mentalidade local, cada elemento deve estar no lugar certo. É como uma equipa de futebol que quer vencer a Champions League.”.

De regresso ao rés-do-chão, espaço ainda para apreciar as três peças de arte nacionais expostas no espaço. “Para a Minotti era importante que houvesse alguma coisa portuguesa na loja, daí essa integração. Estamos numa cidade cada vez mais cosmopolita, a Minotti também está em todo o lado, e achámos que era interessante incluir peças como uma tapeçaria de Portalegre, que é única, e que eles adoraram. É uma obra do Eduardo Nery, super impactante”, explica Clemente, sem esquecer as duas pinturas a óleo sobre vidro acrílico de autoria de Gil Heitor Cortesão, representado pela Galeria Pedro Cera, que “parece que foram feitos de propósito para aquele lugar”.

© Gui Morelli

A Minotti Lisboa abriu portas no dia 28 de junho, no número 15 do Largo de São Carlos. Abre de segunda a sexta-feira, entre as 10 e as 19 horas e sábado entre as 10 e as 18 horas.

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada