761kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Trava Han que a ZF guia. BYD testa travões a seco… por um fio

Mais importante que acelerar, a eficácia na travagem é crucial para colocar no mercado veículos seguros. A ZF repescou tecnologia de que a Mercedes desistiu e diz que os eléctricos ganharão com isso.

2 fotos

Se está a pensar que os chineses da BYD têm na mira um sistema de travagem com uma sofisticação tecnológica similar aos fórmulas 1, desengane-se. O porta-estandarte da BYD foi “apenas” escolhido como veículo de testes para os alemães da ZF demonstrarem o potencial da sua versão puramente eléctrica do brake-by-wire. Talvez esta expressão lhe seja mais familiar se associada ao Sensotronic Brake Control da Mercedes, o sistema electro-hidráulico de controlo dos travões que a então Daimler desenvolveu em conjunto com a Bosch e que… durou pouco. Mas a ZF decidiu repescar a tecnologia e aprimorou-a em três continentes, desenvolvendo-a na Alemanha, Estados Unidos da América e China. E garante que é o futuro, até porque o futuro a isso obrigará, na medida em que está previsto que todos os veículos passem a ser submetidos a provas das emissões decorrentes do desgaste dos travões, algo que esta tecnologia minimiza por integrar menos peças susceptíveis a desgaste.

O sistema brake-by-wire não é novo e, de certa forma, até pode ser considerado problemático. Pelo menos, deu algumas dores de cabeça à Mercedes que, depois de o introduzir em alguns modelos em 2001, descontinuou o Sensotronic no Classe E em 2006, na sequência de problemas relacionados com o módulo de controlo e com o chicote eléctrico, o que obrigou a marca da estrela a fazer uma chamada às oficinas.

Mas a ZF decidiu concentrar-se nas vantagens da tecnologia e criou a sua própria versão dos “travões por um fio”. Entre os prós desta solução figura o peso, porque ao dispensar uma série de componentes que são necessários num sistema convencional de travagem, o sistema by-wire é mais leve, com isto a favorecer particularmente os veículos eléctricos, onde quaisquer gramas a menos beneficiam a eficiência energética e, por tabela, a autonomia. Por outro lado, esta solução também é especialmente vantajosa para os modelos a bateria, pois incrementa a capacidade de regeneração de energia com a força gerada com o alívio da pressão no pedal do acelerador. O sistema brake by-wire a que recorre o Audi Q8 e-tron, por exemplo, possibilita um maior espaço entre a pastilha e o disco de travão, reduzindo assim a possível fricção e a consequente geração de calor, além de anunciar a capacidade de gerar até 0,3 G de força na travagem regenerativa.

No caso da ZF, a companhia anuncia que o seu sistema, com quatro motores eléctricos (um em cada roda) geram a força exacta para que a pastilha pressione o disco, enviando a informação recolhida pelo sensor no curso do pedal de travão sob a forma de sinais eléctricos que são transmitidos à unidade electrónica de controlo. Além de menos poluente, porque limita o desgaste da pastilha e do disco de travão, diminuindo o pó e as partículas geradas pela fricção residual, a ZF defende que a sua solução é mais eficaz, conseguindo encurtar a distância numa travagem de emergência a 100 km/h em nove metros. É também mais eficiente, pois pode incrementar a autonomia de um veículo eléctrico em mais de 17%. Como se não bastasse, é mais prática, na medida em que a redução dos componentes simplifica a manutenção. Por exemplo, deixa de ser preciso mudar o fluido dos travões, o líquido hidráulico higroscópico derivado do petróleo que, como absorve humidade, precisa de ser mudado porque vai perdendo a resistência ao calor (o bom funcionamento do sistema aponta para um ponto de ebulição acima dos 180º).

Mas, e não há contras? Regra geral, as desvantagens do brake-by-wire prendem-se com o custo, pois a tecnologia é mais complexa e, portanto, mais cara. Essa complexidade leva também a que a manutenção requeira a vistoria de um técnico especialista em electrónica. Por sua vez, como esta por vezes falha, é necessário garantir informações redundantes, para não comprometer a actuação do sistema. “A segurança da transmissão e processamento de dados, bem como do fornecimento de energia aos motores eléctricos é garantida pela duplicação de todas as conexões e sistemas, como também é comum em sistemas by-wire na aviação”, explica a ZF, que prefere destacar o facto de a sua tecnologia de travagem a seco, isto é, que dispensa um sistema hidráulico, é sinónimo de “custos de montagem e logística significativamente mais baixos, mesmo durante a produção do veículo, uma vez que o sistema consiste em menos peças”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.