760kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O Leaf, tal como o conhecemos, é para esquecer

A concorrência faz mossa e o Leaf, considerado o pioneiro na viragem para os eléctricos, não soube resistir ao tempo e ao aumento da oferta. As vendas caem a pique e a Nissan vê-se obrigada a mudá-lo.

6 fotos

O Nissan Leaf foi o primeiro veículo eléctrico produzido em massa, já lá vão 13 anos. Lançado em 2010 e com uma segunda geração em 2017, que foi alvo de um facelift em 2022, este modelo parece já ter dado tudo o que tinha para dar. Pelo menos, é essa a posição da Nissan que não esconde o facto de estar na calha um sucessor e já para 2025, avança a Automotive News Europe. Mas, tirando o nome e a propulsão, não vai ter nada a ver com o Leaf que conhecemos.

Não é a primeira vez que se fala no desaparecimento do Leaf e percebe-se porquê. Se era relativamente fácil ser o eléctrico mais vendido do mundo quando a concorrência era inexistente ou escassa, mal começaram a surgir outras propostas no mercado, o reinado do Leaf começou a claudicar. E a segunda geração, embora inicialmente tenha re-impulsionado as vendas, a realidade é que nos últimos tempos não tem conseguido pôr cobro à tendencial queda na procura, seja porque o produto é pouco competitivo em termos de preço (34.400€ pela versão de 150 cv com bateria de 40 kWh e uma autonomia de 284 km; desde 39.950€ para “saltar” para a bateria de 62 kW, associada ao motor de 218 cv e com um alcance entre recargas de 395 km), seja porque simplesmente os consumidores preferem optar por modelos mais jovens no mercado. Ou pelo outro eléctrico da Nissan, o Ariya.

Independentemente das causas, o que interessa é a consequência. E esta traduz-se em números: o Leaf chegou a vender 46.000 unidades nos seus tempos áureos, mas de 2021 para 2022 caiu de 33.772 unidades para 28.582 (Europa) e este ano corre o risco de voltar a ser de nova retracção nas vendas, até porque o Ariya veio como que despoletar uma luta fratricida por clientes. E o Ariya, além de todos os argumentos que pode ter a seu favor, cativa pelo facto de ser um SUV. É mesmo esse o destino do novo Leaf.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Conduzimos o Ariya, o SUV eléctrico da Nissan com até 306 cv e 533 km de autonomia

A próxima geração vai evoluir para uma carroçaria mais aventureira, mais não seja esteticamente, sendo público que os japoneses estarão a trabalhar sobre a base antecipada pelo concept Chill-Out, revelado em 2021. Ora, este protótipo foi concebido sobre a plataforma CMF-EV, precisamente a mesma que dá suporte ao Ariya. Tal significa que a nova linhagem do Leaf poderá ter versões de tracção dianteira ou integral (e-4ORCE), e fazer variar a potência da motorização e a capacidade da bateria para oferecer versões mais acessíveis ou com maior autonomia. Para não colidir com o novo Juke, que também será eléctrico e que é esperado para 2025, o estilo será determinante para que o Leaf possa recuperar o protagonismo de outrora e dar uma precioso contributo para o aumento das vendas da Nissan.

A fábrica de Sunderland (Reino Unido), de onde já saíram mais de 250 mil unidades do Leaf, continuará a ser de uma importância capital para a terceira geração deste modelo, cuja apresentação deverá ocorrer no final do próximo ano. A Nissan vai aí produzir não só o sucessor do Leaf, mas também o novos Juke (2025) e X-Trail (2027) a bateria, respectivamente inspirados nos concepts Hyper Punk e Hyper Urban. As baterias que os alimentarão serão produzidas ali ao lado pela AESC, detida pela chinesa Envision, sendo que a AESC já prometeu um incremento de 30% da densidade energética face ao actual pack de 62 kWh do Leaf.

Além de produzir três automóveis eléctricos, o hub Nissan EV36Zero, em Sunderland, contempla três gigafábricas de baterias e implicará um investimento de cerca de 3,5 mil milhões de euros, garantindo-se assim o posto de trabalho de 7000 funcionários da marca no Reino Unido e 30.000 empregos apoiados na cadeia de fornecimento. Porém, apesar de a Nissan estar concentrada em comunicar que “três é um número mágico”, tal não a impede de ampliar vistas para além de Sunderland.

Correm rumores que a marca estará seriamente a ponderar “vingar-se” dos danos infligidos pela concorrência chinesa produzindo o sucessor do Leaf (também) na China, o que lhe permitiria ser mais competitiva localmente. Recorde-se que os japoneses já abastecem o maior mercado automóvel do mundo com modelos produzidos localmente, graças à joint-venture que os une à Dongfeng, com fábricas em várias cidades, incluindo Wuhan, Huadu, Xiangyang, Zhengzhou, Dalian e Changzhou. De momento, além de Sunderland, o Leaf sai das linhas de Oppama, no Japão, e de Smyrna, no estado norte-americano do Tennessee.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.