813kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Não era suposto, mas escapou. Eis o Mini Aceman

O Mini Aceman só deverá ser oficialmente revelado no próximo mês, mas já circulam fotografias que mostram por completo como é a versão de produção deste pequeno SUV eléctrico com selo “made in China”.

3 fotos

O novo Mini Aceman é um dos lançamentos mais aguardados por parte do construtor britânico, pois concilia as formas de SUV com o facto de ser 100% eléctrico, duas características que continuam a dominar a preferência e a escolha dos consumidores. Ora, de acordo com o tradicionalmente bem informado BMW Blog, este modelo só deveria ser revelado em Abril, tal como virá ao mundo, isto é, nas formas definitivas da versão de produção. Mas eis que a cerca de um mês da apresentação oficial, o Mini Aceman “escapou” para a Internet, com a fuga ter origem na China, país onde o pequeno crossover a bateria será produzido, à semelhança do que já acontece com o Mini Cooper SE (eléctrico), sendo daí exportado para todos os mercados.

A “fuga” limita-se ao exterior e confirma que a Mini aposta em manter a sua linha estilística, pelo que não há grandes desvios face ao que foi antecipado pelo concept. Imediatamente reconhecível com um Mini, o novo Aceman destina-se a ocupar um lugar intermédio na gama da marca britânica, posicionando-se acima do Cooper e abaixo do novo Countryman. Com 4,075 metros de comprimento, 1,754 m de largura e 1,495 m de altura, o terceiro membro da família eléctrica da Mini vai procurar impor-se no segmento B-SUV premium, onde a DS inscreve o 3 E-Tense e a Alfa Romeo se vai estrear com o seu primeiro modelo eléctrico, o Milano, cuja revelação vai ocorrer já no próximo dia 10 de Abril.

Mini Aceman Concept

Para já, sabe-se que as expectativas da Mini quanto à aceitação desta nova proposta são elevadas, com a marca a acreditar que a linguagem de design centrada no essencial e na maximização do espaço interior vai atrair os clientes que pretendem um crossover mais compacto (e acessível) do que o Countryman. Com quatro portas e um amplo portão da bagageira, o SUV que está a caminho da produção em série oferece lugar para cinco pessoas, num habitáculo onde se vai destacar um ecrã OLED ao centro. Circular, claro!

A marca promete combinar conforto com versatilidade e agilidade, sem esquecer uma lista imensa de opções de personalização, como é habitual na Mini. Confirmado está que a bateria vai possuir 54,2 kWh de capacidade e que haverá diferentes níveis de potência, correndo rumores que, na melhor das hipóteses, a autonomia não irá além dos 450 km, de acordo com o protocolo de medição europeu WLTP.

Se tudo correr como previsto, a produção na fábrica chinesa de Zhangjiagang, propriedade da Great Wall Motors, arrancará ainda em 2024, esperando-se para o final do ano a entrega das primeiras unidades. Garantido está que o Aceman terá carimbo “made in China” pelo menos até 2028, altura em que também deverá começar a sair da fábrica da Mini em Oxford.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos