818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Pão pita, shawarma ou falafel? Genesis, o novo e único restaurante Kosher de Portugal

Seguindo as leis de alimentação do livro sagrado dos judeus, Genesis abriu portas em Lisboa como o único restaurante Kosher certificado em Portugal. O que se come? Tudo, menos o que a lei não permita.

Genesis abriu portas no início de março, no Campo Pequeno, e é o único restaurante Kosher em Portugal
i

Genesis abriu portas no início de março, no Campo Pequeno, e é o único restaurante Kosher em Portugal

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

Genesis abriu portas no início de março, no Campo Pequeno, e é o único restaurante Kosher em Portugal

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

História

Foi cinco minutos antes de o Observador que Shalom Iloz chegou. Não havia sinais de mar mas foi de lá que veio. Como é costume, o israelita foi surfar pela manhã — às 7h00, confessou — antes de rumar depois para Lisboa. É esta a sua rotina desde que veio para Portugal, já lá vão seis anos. Foram as ondas da Ericeira que o trouxeram até cá e que o convenceram a ficar. Depois de “três, quatro, seis vezes” a mergulhar nas nossas águas por lazer, decidiu recomeçar cá a sua vida, onde o mar é mais azul, junto da sua família. “Eu disse ‘oh meu Deus! A vibe, tudo é tão bom. O tempo é como em Israel. Temos tudo aqui. Vamos fazer uma mudança’. Então eu fiz a mudança”, lembrou Shalom, em conversa com o Observador, acrescentando acreditar que esta deve ser feita “em alguma altura das nossas vidas”.

E, para Shalom e Karin Iloz, esta foi a altura. Em 2020, o casal abriu um primeiro restaurante de comida israelita em Lisboa, mesmo atrás do Jardim Zoológico, que, apesar do sucesso inicial, não sobreviveu à pandemia de Covid-19. Como tantos outros, Taim Li — aquele que seria o primeiro Kosher de Portugal — fechou portas e a família Iloz teve de se adaptar. Inauguraram um serviço de catering, o King David Portugal, e começaram a levar os sabores israelitas para fora da cozinha. Mas não era suficiente. A vontade de ter um restaurante — como sempre tiveram nas suas passadas vidas em Telavive — onde pudessem receber tanto a comunidade judaica de Portugal, como turistas e nacionais, falou mais alto. O espaço já o tinham mas, no entanto, não foi para lá que seguiram. Quanto à Ericeira, também estava fora da equação: “Pertence aos pescadores.”

“Nós estávamos à procura de um sitio onde os judeus pudessem vir. Um sítio perto para virem depois de aterrarem no aeroporto. E um sítio que a comunidade aqui à volta também pudesse conhecer”, explicou o proprietário. E assim foi. A 12 de março de 2024 o Genesis juntou-se aos vários restaurantes da zona do Campo Pequeno, mesmo de caras para a Praça de Touros. Mas há algo que o distingue dos outros: é o único restaurante Kosher em Portugal. O certificado chegou uma semana antes da inauguração, depois de três rabinos — um de Lisboa, de Cascais e da Europa — terem visitado o estabelecimento, supervisionado a produção, o processamento e a preparação dos alimentos e garantido que tudo estava de acordo com os princípios do judaísmo.

O Genesis abriu portas a 12 de março em frente ao Campo Pequeno

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

“A comida portuguesa é a melhor. Mas nós somos diferentes. Por isso, trazemos algo diferente para a comunidade”, constatou Shalom, afirmando — e sem querer “entrar na política” — que, apesar do conflito em que o seu país atualmente se vê envolvido, os portugueses se têm mostrado bastante abertos a conhecer a sua cultura gastronómica e que “gostam mesmo muito”. “Eu espero poder vir a servir também comida a pessoas muçulmanas e espero que um dia estejamos todos em paz, como o meu nome. O meu nome é paz. O meu nome é Shalom. Em hebraico significa paz”, confessou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto à comunidade judaica e israelita, o Genesis parece ser o novo ponto de encontro na capital, tendo até já mesas reservadas e umas quantas ocupadas.

Espaço

É o nome do primeiro livro da Bíblia e é também o que primeiro se vê ao entrar neste restaurante Kosher. “Genesis”, escrito em letras grandes e luminosas na parede da entrada, transporta mais do que uma carga religiosa: representa para Shalom e Karin a esperança de que “a linda vida e as lindas coisas que temos para partilhar” se mantenham, sem guerras. “Genesis é o primeiro dia em que nascemos. Em hebraico dizemos Bereshit”, explicou.

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

A acompanhar o nome está, numa parede mais à frente, uma outra frase. É em voz alta e em hebraico que Shalom a lê, explicando logo de seguida que “Deus fez o céu e depois o mundo” e que “agora começa com as pessoas, com os animais, com tudo”. São estas que fazem o Genesis. Portuguesas, israelitas, judaicas. Todas enchem este restaurante, das 11h00 às 23h00, com conversas, perguntas e curiosidades sobre os pratos que compõem a ementa.

Há espaço para 50 e, podemos dizer, poucos sobram. Se numa quarta-feira ao final do dia o Genesis está cheio — e com mesas reservadas — como será no resto da semana? “Estamos abertos de domingo a sexta-feira. Aos sábados estamos fechados, é o nosso dia. Estamos abertos das 11h00 às 23h00, sem pausa. As pessoas podem vir cá a qualquer altura do dia”, explicou Shalom, acrescentando que, apesar de ser difícil manter um restaurante a funcionar todo o dia, durante as suas viagens por Portugal sentiu que haviam poucos espaços que o fizessem: “Nós decidimos fazer o contrário. Ficar pelas pessoas. E estamos cheios.”

O Genesis dispõem de 50 lugares

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

É nesta linha que nasce o bar, que recebe os clientes logo à entrada. Com vista para as torneiras de cerveja — são quatro e vêm diretamente da Ericeira, da Mean Sardine —, este balcão pretende dar uma good vibe ao Genesis, diz Shalom, e dar a oportunidade aos clientes de petiscarem de imperial na mão, a qualquer altura do dia, com amigos: “Em Israel há sempre restaurantes com o bar e com música. À noite, o ambiente muda e chega um DJ.”

Comida

O que é, afinal, Kosher? É o termo que faz referência a um tipo de alimentação que os judeus devem seguir: esta tem como base um conjunto de leis descritas na Torá, o livro sagrado dos judeus, e que indicam tudo o que é adequado para o consumo — desde o produto até à forma como é confecionado — visando a procura por uma alimentação mais “pura”. Assim, no Genesis, não se consome carne de porco nem de coelho, não se mistura carne e leite, não se confecionam frutas, legumes e vegetais sem que antes sejam devidamente examinados e lavados — uma vez que a ingestão de insetos é proibida — e apenas se serve carne que seja proveniente de animais saudáveis e que tenham sido mortos e drenados segundo as leis da Torá.

Então, o que se come? Tudo, praticamente. São três os menus disponíveis, todos com o mesmo conteúdo, mas com línguas diferentes: português, inglês e hebraico. “Qual escolhe?”, perguntou Shalom. Depois de uma rápida vista de olhos pelo hebraico, o português foi o escolhido, e explorado. A começar logo de início, apresenta-se como uma verdadeira festa de sabores e de convívio: sharing is caring (15€) chega à mesa para dominá-la com seis saladas da casa — há de abacate, beterraba, cenoura, couve, pickle e beringela em pasta com tahine —, servidas com pão pita, que quase não deixam espaço para o hummus (11€) de grão com cogumelos e a falafel (6€), crocante e servida com o mesmo molho que compôs a salada de beringela.

Salada sharing is caring, falafel e shawarma

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

Completa e colorida, desta mesa o pita faz-se rei. Chega quente, acabadinho de sair do forno, para completar todos os pratos que já cá estavam. Lá dentro, tudo vai bem, como o shawarma israelita (17€) que desfiado se aconchega, mais uma vez, com tahine.

Por fim, e “para ir para o Bairro Alto a noite toda”, como diz Shalom, o café preto israelita (2€) chega forte e bem acompanhado: com o nome do restaurante, Genesis (6€) dá uso à definição de bomba de chocolate, com fudge de chocolate regado com chocolate quente e servido com morangos. Também estes, bem vermelhos, marcam presença no Lotus Secret (7€) para equilibrar — junto de um fino pedaço de chocolate negro — o doce do creme de baunilha com bolacha e creme de Lotus caramelizado.

A sobremesa Lotus Secret

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos (e renovados) restaurantes e cartas.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos