806kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Instagram vai começar a desfocar nudes nas mensagens privadas

O Instagram vai começar a testar novas medidas para proteger os menores de chantagem com fotos íntimas e para que os utilizadores não sejam confrontados nas mensagens com possíveis nudes indesejadas.

In this photo illustration the Instagram logo seen displayed
i

As funcionalidades foram concebidas "para proteger as pessoas de verem nudez indesejada nas suas mensagens diretas"

SOPA Images/LightRocket via Gett

As funcionalidades foram concebidas "para proteger as pessoas de verem nudez indesejada nas suas mensagens diretas"

SOPA Images/LightRocket via Gett

A Meta anunciou que vai, “em breve”, começar a testar novas medidas para proteger os utilizadores, principalmente os mais jovens, do envio de fotografias íntimas e de possíveis chantagens com essas imagens no Instagram. Nos próximos meses, a rede social vai lançar um “controlador de nudez” que desfocará imagens de natureza sexual — conhecidas como nudes — enviadas através das mensagens privadas. A ferramenta estará ativada, por defeito, nas contas dos utilizadores menores, mas os adultos também receberão uma notificação a “incentivá-los a ativá-la”.

A empresa explicou, em comunicado partilhado esta quinta-feira, que a nova funcionalidade vai desfocar “as imagens detetadas como contendo nudez”. Desta forma, o utilizador “não é confrontado com a nude e poderá escolher” se a quer ou não ver. Adicionalmente, a Meta vai enviar uma mensagem a encorajar essas pessoas a “não se sentirem pressionadas a responder” à imagem, sendo-lhes dada a opção de bloquear quem a enviou e de denunciar a conversa.

Proteção contra nudez, Instagram

Na imagem do meio, a Meta mostra como vão passar a aparecer as imagens com nudez

Por outro lado, aqueles que enviam nudes vão ser confrontados — quando a proteção estiver ativada — com uma “mensagem que lhes recorda que devem ter cuidado ao enviar fotografias sensíveis” e que podem anular esse envio, se mudarem de ideias. Quem tentar reencaminhar imagens com nudez para outros utilizadores também vai receber “uma mensagem a encorajá-lo a reconsiderar”.

A Meta defendeu que as novas funcionalidades foram concebidas não só “para proteger as pessoas de verem nudez indesejada nas suas mensagens diretas”, mas também para as “proteger de chantagistas que podem enviar imagens para enganar as pessoas e levá-las a enviar” as suas próprias fotografias em troca. Por isso, mensagens de consciencialização sobre a chantagem sexual com fotos — também chamada de sextorsion — serão enviadas tanto para o remetente como para o destinatário das imagens, que serão lembrados de que esses conteúdos podem ser alvo de capturas de ecrã indesejadas.

Quando uma conta for identificada pelas ferramentas de inteligência artificial da Meta como sendo potencialmente fonte deste tipo de chantagem, as suas interações com utilizadores menores serão fortemente limitadas. Essas contas não poderão, por exemplo, enviar mensagens privadas a menores, nem ter acesso à sua lista completa de seguidores.

A Meta também passará a avisar o jovem utilizador se ele entrar em contacto com um potencial chantagista. O menor será então direcionado para um site chamado “Stop Sextortion” e terá acesso a uma linha telefónica de apoio, em parceria com associações. As novas medidas vão começar a ser testadas, a partir de maio, em países da América Central e Latina, antes de ficarem disponíveis globalmente no Instagram.

A empresa-mãe do Instagram, WhatsApp e Facebook, que já foi acusada nos EUA e em França de prejudicar a saúde mental dos utilizadores, tinha anunciado em janeiro um primeiro conjunto de medidas para melhorar a proteção dos mais jovens. Entre elas está a obrigação de o utilizador menor de idade ter permissão explícita dos pais para alterar a sua conta de privada para pública ou para ter a possibilidade de receber mensagens diretas de pessoas que não segue.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO