Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando a filha de Júlia Vale tinha 3 anos, uma equipa do centro de saúde de Braga visitou todos os jardins de infância do concelho. Quem bateu à porta das escolas foram psicólogos que tinham uma mensagem para os encarregados de educação. Era clara e sem rodeios: os pais não deveriam cometer o erro de matricular os seus filhos no 1.º ano, caso eles só tivessem 5 anos de idade.

O alerta era para os pais dos chamados alunos condicionais, as crianças que completam os seis anos de idade entre 16 de setembro e 31 de dezembro, já depois do início do ano letivo. Estes estudantes só ingressam no ensino obrigatório se os encarregados de educação assim o entenderem e se houver vaga para eles nas turmas já constituídas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.