Comandos. A recruta e o “carrossel” da morte

08 Setembro 20166.170

Hugo Abreu morreu após o exercício do "carrossel". "Para testares uma pessoa tens de quebrá-la", diz um instrutor. Conheça a dureza da instrução e as mortes que levaram ao fim do regimento em 1993.

No dia em que Hugo Abreu sofreu um “golpe de calor” que o levaria à morte e em que outros cinco militares precisaram de receber assistência médica, o grupo de comandos tinha estado a realizar um “carrossel” – um aquecimento para a “prova de tiro” a que o Exército chegou a fazer referência em comunicado. O exercício tem tradição na formação desta tropa de elite. Os homens são levados ao limite das suas forças físicas, até entrarem em exaustão, antes de serem conduzidos para uma simulação de combate.

A primeira semana de formação nos Comandos é de absoluto “choque” para os voluntários. Os militares são levados ao extremo e muitos não passam do primeiro teste, num curso com uma das mais altas taxas de desistência das Forças Armadas.

O “carrossel” funciona assim: de mochila às costas e armas na mão, os militares são posicionados no terreno de forma a desenhar um círculo largo, separados entre si por vários metros. Depois, pousam as mochilas, deitam-se no chão escondidos atrás da “máscara” (o nome dado ao saco), como se estivessem protegidos atrás de um arbusto. Ao sinal do instrutor, correm o mais rápido possível até à posição seguinte, como se estivessem em pleno combate e precisassem de escapar ao fogo inimigo.

missão portuguesa afeganistão, exército, militares,

Comandos junto ao monumento aos mortos no Ultramar, antes de partirem para uma missão no Afeganistão, onde chegaram a entrar em combate

No domingo, o exercício foi feito sob um calor abrasador: a temperatura em Alcochete rondava os 36 graus. Segundo o Observador pode apurar, terá sido durante o “carrossel” que Hugo Abreu deu sinais de mal-estar. Faltavam 20 minutos para as quatro da tarde. Assim que a debilidade do furriel foi notada, o instrutor que acompanhava o grupo terá ordenado que o militar se ausentasse do circuito e recuperasse debaixo de uma árvore. Mas, nessa altura, o estado de saúde já seria demasiado grave e o militar, natural da Madeira, acabaria por não resistir ao “golpe de calor” que sofreu.

“É a dureza do treino que evita as baixas em combate”, diz um ex-chefe do Exército

“O objetivo da primeira semana de treino é levar os homens ao extremo, física e psicologicamente, para separar logo de início quem consegue e quem não consegue aguentar a formação até ao fim”, conta um militar que completou o curso. O nome diz tudo: esses primeiros dias são dedicados à “Prova de Aptidão de Comandos”.

Os elementos do curso fazem “progressões” (caminhadas em que simulam estar em busca das forças inimigas), “carrosséis”, incursões noturnas e outros exercícios. Sempre com muita componente física à mistura. Por norma, os militares tinham uma semana para fazer um “estágio” de preparação. Este ano, esse período foi alargado. “Tiveram três semanas para fazer treino físico porque, agora, sentimos que as pessoas estão menos preparadas”, reconhece um instrutor de comandos ao Observador.

Exército português no Iraque

Como se pode ver pelas boinas vermelhas, os Comandos participaram em missões do Exército português no Iraque

Mas a rigidez do curso – que esteve suspenso nove anos, entre 1993 e 2002, em circunstâncias que explicamos adiante – não se esgota nesse primeiro embate de frente com a nova realidade. “É o curso mais duro em Portugal, com muito treino físico”, reconhece um instrutor. O mesmo militar sublinha que “as tropas especiais não se preparam sem calor e sem frio”.

Além da exigência física, existe a componente psicológica. Os militares são sujeitos a vários momentos de privação de sono durante as 12 semanas de duração do curso. Um instrutor explica por que razão levam os militares a níveis de sofrimento fora do comum: “Para testares uma pessoa tens de quebrá-la. Queres a natureza e a essência da pessoa para que, mesmo na exaustão, consiga pensar para sobreviver e para salvar os colegas”, diz um instrutor. Para isso, é preciso “testar os seus valores até ao limite”.

Quando têm direito a uma noite de descanso na camarata, não são raras as vezes em que dormem ao som de música estridente que sai das colunas por cima das suas cabeças. “Mama Sumae – Aqui estamos, prontos para o sacrifício”. Todos os dias são obrigados a provar ser capazes de fazer jus ao grito de guerra dos Comandos.

Este domingo, seis militares quebraram durante os exercícios. Hugo Abreu, o caso mais grave, acabou por perder a vida. Outro elemento do grupo, o soldado Dylan Araújo da Silva, foi transferido para o Hospital Curry Cabral com um “comprometimento da função hepática”. Não terá “compromisso neurológico”, mas as consequências do incidente de domingo são graves: o militar está em lista de espera para um “eventual” transplante de fígado, na sequência da indisposição súbita na sequência dos exercícios.

Há ainda outros quatro militares a precisar de cuidados médicos. O Exército deu esta quinta-feira conta de que dois recuperavam no serviço de Medicina do Hospital das Forças Armadas enquanto outro continuava nos Cuidados Intensivos, “estável” e “sem agravamento clínico e analítico”. O último militar, que tinha sido levado para o Hospital da Cruz Vermelha, está também em situação estável e espera por uma transferência para o Hospital das Forças Armadas.

Casos como os que levaram, na década de 90, à extinção dos Comandos, ou como os mais recentes, não deixam grandes dúvidas: o treino daquela tropa especial é duro. O general Pinto Ramalho, que foi comando (fez o 11º curso) e chegou a ser chefe do Estado-Maior do Exército, concorda: “É um treino com enormíssimas exigências”. E, assumindo que “uma morte é sempre lamentável”, faz questão de lembrar que “o treino é conduzido por pessoas responsáveis” e que “não é feito com a finalidade de que as pessoas tenham falências orgânicas”. E usa outro argumento: “Ninguém pensa em mudar os treinos do futebol por um jogador ter morrido durante um jogo”.

O general não vê necessidade de “medidas adicionais”, disse à SIC Notícias esta sexta-feira. Mas admitiu que poderia ser preciso rever os exercícios da recruta daquela unidade: “É natural que uma situação anormal leve a que mais uma vez se reveja tudo o que são os padrões ao nível da instrução, e ao nível do contingente recrutável.”

Para o general Eduardo Martins Barrento, que foi Chefe do Estado-Maior do Exército entre 1998 e 2001, numa fase em que não havia Regimento de Comandos em Portugal, “o facto de levar o treino a uma certa intensidade é o aproximar de uma necessidade operacional”. Mas há um limite humano, “e não se deve chegar a esse limite”, defende o general na reforma ao Observador. Acidentes “há em todo o lado”. Muitas vezes, são os próprios candidatos a forçar os limites, recorda Pinto Ramalho. “Nesses momentos, os instrutores devem intervir”, esclarece. Ainda, assim, insiste o general, os Comandos treinam “em situações em que estas forças podem atuar”, e criticar isso “é não ter perspetiva do que é o treino militar. Não estamos a treinar moderadamente, estamos a treinar muito”.

Das quatro forças especiais — os Comandos, os Paraquedistas, as Operações Especiais e os Fuzileiros –, os Comandos são os que têm tido mais atenção mediática no que toca aos acidentes durante os treinos. Para Pinto Ramalho, os Comandos têm uma “vocação diferente” das outras forças especiais. “Quando se pensa nos SEALs [força de elite da Marinha norte-americana], quantas mortes houve nos treinos?”, questiona. Os Comandos “seguem habitualmente duas atividades: treino e operações. No inverno, também há situações próximas da hipotermia”, acrescenta o general, para quem o treino deve corresponder aos cenários de atuação daqueles militares.

São situações raras? Longe disso. Os militares que estão no Regimento de Comandos ou passaram por aquela força de elite conhecem “centenas” de casos em que os militares acusam fisicamente o stress a que são sujeitos durante a preparação. “O problema, hoje em dia, é que os jovens, quando vêm para uma tropa especial, pensam que somos super heróis”, lamenta um instrutor do Curso de Comandos. E há casos de “jovens que andam a tomar suplementos às escondidas”, para reforçar a sua preparação física.

Não há registo de que tenha acontecido neste curso, mas, em formações anteriores, houve militares expulsos do curso depois de terem sido detetadas embalagens de suplementos energéticos (proteínas) entre os seus bens. “É proibido o consumo destes produtos, até porque obriga a beber muito mais água”, refere o mesmo instrutor. A hidratação está sempre assegurada durante os exercícios: “Lembro-me de estar em curso e não querer beber mais água e obrigavam-me a beber cantis”. Mas a que há é igual para todos, não há privilégios.

Mortes por exaustão levaram ao fim dos Comandos

Vinte e oito anos antes da morte de Hugo Abreu, outros casos desencadearam polémicas dentro do Exército em relação aos treinos daquela tropa especial. De tal forma que o Regimento de Comandos foi extinto em Portugal em 1993, até voltar a ser ativado, nove anos depois. “Durante algum tempo não fez sentido haver Comandos”, assume ao Observador o general Martins Barrento, que foi Chefe do Estado-Maior do Exército numa época em que o regimento esteve desativado. Recuemos então no tempo, até ao fim da década de 80.

14 de abril de 1988, Campo Militar de Santa Margarida. Por volta das 17 horas, durante uma prova do 89.º curso de Comandos, os soldados José Luís Grilo e Fernando Teixeira Bastos sentiram-se mal e foram transportados para o Hospital de Abrantes. Morreriam ao início da noite. A explicação oficial chegou dois dias depois, pela voz do tenente-coronel Sequeira Marques, então porta-voz do Exército: “Desidratação ou insolação”, lê-se no Diário de Lisboa de 16 de abril de 1988. Mas logo outras fontes, nomeadamente do hospital onde os militares morreram, avançavam com outra explicação: o cansaço. Tudo indicava que José Luís Grilo e Fernando Teixeira Bastos teriam “sido forçados a ultrapassar a sua capacidade física no decorrer dos exercícios”, escrevia o jornal.

Outros quatro soldados comandos seguiram também para o Hospital de Abrantes com sintomas de desidratação, mas acabariam por ter alta pouco depois. “Os dois soldados mortos eram robustos e um deles era mesmo desportista”, informava o Exército em comunicado, citado pelo Diário de Notícias de 16 de abril de 1988. Já na altura, os acidentes mortais durante a instrução militar não eram novos. No DN lia-se que, nesse ano, um tenente e um artilheiro naval tinham morrido devido a acidentes. Quatro anos antes, um soldado das Operações Especiais morrera após um acidente com uma corda que o segurava. Começavam, contudo, a ganhar dimensão outro tipo de mortes: as decorrentes do cansaço extremo e da dureza dos treinos a que eram submetidos.

DSC_0071

Chamada de capa no Diário de Notícias, a 16 de abril de 1988

Mas foi em 1990 que um novo caso incendiou definitivamente os ânimos relativamente ao assunto. Era terça-feira, 11 de setembro, quando o recruta José Mário da Silva Nunes se sentiu mal durante uma prova de corrida e marcha intercalada, parte do treino do curso de Comandos, que decorria junto a Alcochete. De acordo com o Correio da Manhã de 13 de setembro de 1990, o soldado morreu enquanto era transportado de helicóptero para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa. No dia seguinte, o Estado-Maior do Exército emitiu um comunicado negando “qualquer violência durante a instrução, que foi acompanhada por instrutores qualificados”. O recruta desmaiou após a conclusão da prova e foi levado para a enfermaria, e foi o médico da unidade que se apercebeu das “perturbações cardíacas correspondentes à sintomatologia de enfarte do miocárdio”, como se lê no Diário de Notícias de 15 de setembro de 1990. Chegou sem vida ao hospital.

Um dia antes, o Correio da Manhã trazia, em letras bem grandes: “Morte de recruta dos Comandos levanta questões de maus tratos”. Começava a percorrer-se um caminho que acabou por levar ao encerramento do Regimento de Comandos, três anos depois. Nesse artigo, levantavam-se as primeiras questões relativas “à forma como foi ministrada a reanimação e os ‘murros e pontapés’ dados àqueles que tentavam abandonar a prova”. O Estado-Maior do Exército tornava a desvalorizar as acusações, garantindo que o jovem só teve problemas no final da prova, que descansou durante duas horas e foi-lhe dado um litro de soro para se restabelecer. O porta-voz do Exército negou ainda quaisquer maus-tratos a recrutas, da mesma forma que “não houve qualquer agressão ao jovem que morreu”.

DSC_0065

“Comando não resiste à instrução”, lia-se no Correio da Manhã a 13 de setembro de 1990

De acordo com o pai de um recruta.– que falou então ao Correio da Manhã –, apenas um terço dos que iniciaram aquela prova a conseguiram terminar, e o desespero era tal que chegou a haver dois recrutas a envenenarem-se para ficar no quartel e escapar à prova. “O meu filho antes de partir para esse exercício disse-me ‘Eu vou cheio de medo, porque eles matam-se'”, recordava o pai do recruta.

Em maio de 1988, já o Provedor de Justiça tinha aberto um inquérito com vista a avaliar o caso dos dois comandos mortos em Santa Margarida. Também após a morte do recruta em Alcochete, em 1990, outros inquéritos foram abertos para determinar as verdadeiras causas da morte de José Nunes. Mas a posição oficial do Exército foi sempre a de negar a tese de que os recrutas são sujeitos a violência excessiva durante os treinos.

Com outras justificações, o Regimento de Comandos chegou ao fim em dezembro de 1993. No último dia de existência do regimento, o Presidente da República, Mário Soares, condecorou a unidade com o grau de Membro Honorário da Ordem Militar de Avis. Na cerimónia que marcou a despedida do regimento, as justificações para o encerramento não convenceram. O Correio da Manhã a 17 de dezembro de 1993 escrevia que “a cerimónia pouco significado teve”. Misturavam-se as tentativas de explicar o final do regimento: tratava-se da fusão dos Comandos com os Paraquedistas para formar a “brigada aerotransportada”. Assegurava-se que a formação dos Comandos iria continuar, mas os militares presentes na cerimónia compareceram de gravata negra, para mostrar o luto pelo final da companhia.

DSC_0110

“O adeus dos Comandos”, na capa do Público de 17 de dezembro de 1993

Se saltarmos nove anos, até dezembro de 2002, quando os Comandos voltaram ao ativo, já se escrevia sem pudor que a extinção desta força se deveu “a vários casos de acidentes decorridos durante a instrução” (Público, 22 de dezembro de 2002). Mas, para o general Pinto Ramalho, antigo Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), e comando, esta “é uma forma simplista de ver o problema”. Ao Observador, o antigo CEME explicou que “muita coisa esteve associada à extinção, incluindo fatores políticos”, sem querer aprofundar as suas considerações. Também Martins Barrento, que chefiou o Exército cinco anos depois da extinção do regimento, e que optou por não recuperar a unidade, reconheceu: “Não sei dizer se foram só as mortes a levar à extinção”.

A verdade é que Portugal esteve quase uma década sem Comandos. A 22 de dezembro de 2002, 14 anos depois do incidente que vitimou os dois soldados em Santa Margarida, e 12 anos depois da morte de José Nunes em Alcochete, mais de uma centena de recrutas recebiam as insígnias de Comandos, em Queluz e a almejada boina encarnada. Renascia, após nove anos sem aquela tropa, o Regimento de Comandos do Exército: “A partir de hoje, o Exército português tem à sua disposição uma força de combate especializada no combate em condições de elevado risco e com elevada competência”, disse então o CEME general Silva Viegas, de acordo com o jornal Público desse dia.

Sociedade, Acidentes e Desastres, Hospitais, Defesa, Forças Armadas

“Não se deve chegar” ao limite humano, considera o general Martins Barrento (PAULO CUNHA/LUSA)

Uma das provas do curso de Comandos é a conhecida Prova de Choque. Nela, os militares são sujeitos a uma série de testes físicos e psicológicos, com o objetivo de avaliar os limites dos candidatos. Foi no decorrer desta prova que morreram os soldados José Luís Grilo e Fernando Teixeira Bastos, em 1988. E foi também uma parte desta prova que, em outubro do ano passado, deixou nove recrutas no hospital. Um deles, Vítor Antas de Brito, de 19 anos, ainda não deixou as muletas. A mãe, Maria de Lurdes Antas, contou ao Correio da Manhã como ficou “chocada” quando viu o filho. “O meu filho tem um rim parado, está a fazer hemodiálise, lesões no fígado e um joelho partido. Não conta o que aconteceu, só chora e diz que não quer voltar”, disse a mãe do militar, garantindo: “O meu filho não volta para lá”. Não voltou.

“Durante algum tempo não fez sentido haver Comandos”

Os Comandos foram criados durante a Guerra Colonial, para responder à necessidade de combater a guerrilha dos movimentos de libertação. “Eu não tinha a ideia de restaurar o regimento, porque achava que os Comandos tinham tido a sua altura na Guerra Colonial”, diz Martins Barrento. “Tínhamos forças especiais, como os paraquedistas”.

Mas os Comandos não estiveram, na verdade, completamente desaparecidos. “A ideia que mantive, e que já vinha do anterior [general Gabriel Espírito Santo], era ter formação de Comandos para quadros, caso um dia precisássemos de reativar o regimento”, recorda o general ao Observador. “Durante algum tempo não fez sentido haver Comandos. Eles foram preparados para a Guerra Colonial e naquela altura não havia guerra”. E atualmente? Precisamos de uma tropa como os Comandos em tempo de paz? “Bom, se pensarmos assim não faz sentido existir tropa nenhuma”, responde o general. “Se houver missões em que eles sejam os mais adequados para atuar, então deve haver”, acrescenta. Para Martins Barrento, “infelizmente, está-se a verificar que, ao nível da política externa, há cada vez mais missões que precisam de uma preparação como a dos Comandos”.

Pinto Ramalho vai mais longe: “Pergunte aos portugueses. Querem ter um exército de escuteiros ou uma força armada capaz de atuar ao nível dos outros países do mundo?” Para este general, “estamos a falar de uma força especial, uma força de primeiro emprego, que está preparada para operar em qualquer tipo de ambiente”, acrescentando que “não são fuzileiros nem paraquedistas”. Para o antigo chefe do Exército, “o mundo não está em paz, e talvez faça falta ter em atenção o quadro europeu, em que a estratégia militar passou a ser uma forma de argumentação”. De acordo com Pinto Ramalho, não só faz falta haver uma força especial como os Comandos, como faz falta um melhor e maior recrutamento. “Qual a atividade física que os nossos jovens fazem nas escolas? Muitos têm o primeiro contacto com o exercício físico já na idade adulta. O recrutamento é muito distinto do que era há uns anos, e a qualidade da massa recrutável diminuiu significativamente”, explica o general.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)