818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Fátima saiu mais cedo de casa, caiu à saída do autocarro e nunca mais foi vista
i

Fátima saiu mais cedo de casa, caiu à saída do autocarro e nunca mais foi vista

Fátima saiu mais cedo de casa, caiu à saída do autocarro e nunca mais foi vista

Família de Fátima só soube que ela estava na morgue 13 dias após ter sido encontrada. "Até sabermos o que aconteceu, não fazemos o funeral"

Fátima desapareceu a 23 de novembro, foi encontrada a 28 de dezembro e família só soube a 9 de janeiro que estava na morgue. Irmãos e sobrinhos acreditam que houve crime e pedem à PJ para investigar.

Este ano, a noite de Natal da família de Fátima Araújo não foi muito diferente das anteriores. O lugar da sexagenária estava vazio e isso mudou também a forma como todos viveram a época festiva.

Por um lado, a pausa para o Natal e Ano Novo impediu os familiares de procurar pela mulher, de 62 anos, que desapareceu a 23 de novembro, na zona do Saldanha, em Lisboa, com a saudade a apertar cada vez mais. Por outro, deu tempo para se prepararem para “voltar em força” para as ruas, determinada a encontrá-la viva.

Mandámos fazer mais cartazes, além dos que já tínhamos afixado, folhetos e até uma lona com o nome dela”, revela ao Observador o sobrinho Leandro Oliveira. “Queríamos divulgar ao máximo esta situação.”

A família já tinha tudo pronto para regressar às ruas a 10 de janeiro, quando, no dia anterior, recebeu uma chamada. “Fomos notificados pelo Instituto de Medicina Legal (IML) de Cascais, que nos informou de que o corpo da minha tia tinha sido encontrado e que estava na morgue do cemitério da Guia desde 28 de dezembro“, recorda Leandro Oliveira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A reação de choque da família passou para o outro lado do telefone, quando o funcionário do IML perguntou: “Não sabiam?” Não só não sabiam que o corpo tinha sido encontrado 13 dias antes, como achavam que era uma “brincadeira de mau gosto”.

“Já tínhamos recebido uma chamada, no dia de Natal, a dizer que tinham encontrado a minha tia. No entanto, fizeram a descrição exata do que estava na comunicação social e não avançaram com grandes pormenores”, acrescenta o sobrinho. Leandro Oliveira e os restantes familiares ainda ponderaram seguir as pistas dadas pelos desconhecidos, mas descartaram-nas quando estes lhes deram um número de telefone falso.

“Por isso, quando recebemos a chamada do IML, pensámos que pudesse ser outra brincadeira.” As suspeitas, no entanto, desapareceram quando, no dia seguinte, o pai de Leandro, José Oliveira, foi reconhecer Fátima Araújo. Ou o que julga ser o corpo da irmã.

Sem respostas das autoridades, família decidiu agir e procurar Fátima

D.R.

Uma fuga à rotina, a queda na paragem de autocarro e um marido “abandonado”. O dia em que Fátima desapareceu

O relógio aproximava-se das 5h40 e o sol já dava sinais de aparecer. Num dia normal, Fátima Araújo ainda estaria na cama, ou a preparar as refeições para o marido, Carlos, que sofre de Parkinson, entre outras doenças, e era totalmente dependente da mulher. No entanto, a 23 de novembro, a mulher, residente no Lumiar, estava a sair do autocarro 798 da Carris, na paragem na Praça Duque D’Ávila, no Saldanha.

Não sei a que horas é que ela costumava sair de casa, mas esse não era, seguramente, o horário em que ela ia para o trabalho”, garante o sobrinho.

A família ponderou que Fátima Araújo se estivesse a deslocar para a Loja do Cidadão, visto que já tinha confidenciado à irmã que precisava de lá ir. E essa suspeita também confirmaria o porquê de ter sido encontrada com todos os seus documentos.

O horário não foi o único fator estranho a marcar aquela viagem de autocarro. “Ela foi vista por uma senhora, sua conhecida, que nos informou que, ao sair do autocarro, ela tinha caído e batido com a cabeça.”

“Ainda lhe perguntaram se queria ir ao hospital, mas recusou. Disse que estava bem e seguiu caminho”, lembra Leandro, repetindo aquilo que lhe foi transmitido pela tia e irmã de Fátima, Conceição Oliveira.

Fátima caiu à saída do autocarro e recusou ir ao hospital, alegando que estava bem

D.R.

Sabendo isto, a família receou que, por Fátima ter epilepsia — apesar de estar controlada há anos com medicação —, a queda tivesse provocado um episódio mais agudo da doença. Mas as hipóteses para o que tinha acontecido só começaram a ser equacionadas alguns dias mais tarde, quando se deu conta de que Fátima tinha desaparecido.

Fátima não era de se ausentar e de não dizer nada a ninguém. Aliás, a mulher era descrita como “extrovertida” e “acarinhada” pelos vizinhos, mesmo os dos bairros próximos do seu. Por isso, quando, durante cerca de cinco dias, não contactou nenhum dos familiares, especialmente a irmã, com quem costumava falar, os vizinhos começaram a estranhar o silêncio.

“No dia 28 de novembro, fomos a casa dela e percebemos que o marido estava lá”, recorda Leandro. “Ele até disse que ela não ia a casa desde quinta-feira“, cinco dias antes. “Mas a minha tia nunca abandonaria o marido.

Fátima tomava conta do marido, que sofre de Parkinson e é dependente

D.R.

Os sobrinhos tinham decidido chamar uma empresa para arrombar a porta e, quando entraram em casa, confirmaram que não havia sinais de Fátima e que a maioria da comida que tinha deixado para Carlos já tinha desaparecido. “Só havia caixas para mais um dia. Além de haver muita comida fora de validade.”

A preocupação cresceu na família, tendo esta decidido dirigir-se a uma esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP), para reportar o desaparecimento.

“O que é que a PSP fez depois? Nada”, garante ao Observador José Oliveira. “Não fez nada. Fez uma difusão [interna] a nível nacional, o registo do desaparecimento e mais nada.” O Observador tentou contactar a PSP para perceber que ações foram realizadas para tentar localizar a mulher, mas não obteve resposta até à publicação deste artigo.

José, no entanto, não cruzou os braços. Alguns dias mais tarde, deslocou-se ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa para perceber o que estava a ser feito para encontrar a irmã. “Primeiro, disseram-me que o auto estava numa secção, depois estava noutra. Aquilo foi uma baralhação“, recorda. O Observador também pediu esclarecimentos à Procuradoria-geral da República sobre o caso, ainda sem resposta.

"Quando cheguei [à morgue], quase não me deixavam entrar. Disseram: 'Oh senhor, o corpo já está em decomposição. Quer ver o quê? Não há nada para ver. Trate já da agência funerária'."
José Oliveira, irmão de Fátima Araújo

Cansados de forçar as autoridades a agir, os irmãos e sobrinhos de Fátima decidiram ser eles próprios a procurá-la. Além de terem imprimido cartazes, fizeram “buscas em praticamente todos os cantos de Lisboa”.

“Contactámos também entidades de apoio aos sem-abrigo e tivemos a ajuda de uma pessoa que tem um cão pisteiro. Não conseguimos nada”, reforça Leandro. Contudo, a família não estava disposta a desistir e queria respostas.

“O que aconteceu à minha tia? Quem lhe fez isto? Precisamos de respostas”

A 9 de janeiro, José atendeu o telefone com pouca esperança e viu a mesma ser engolida pelo pedido da funcionária para que a família fosse reconhecer o corpo. “Ainda me disseram para aguardar o telefonema, que viria supostamente no dia seguinte. Mas eu não quis esperar e fui logo lá.”

Não só teve de se adiantar, como teve quase de exigir para ver o corpo. “Quando cheguei, quase não me deixavam entrar. Disseram: ‘Oh senhor, o corpo já está em decomposição. Quer ver o quê? Não há nada para ver. Trate já da agência funerária'”, recorda José.

O irmão de Fátima acreditou nas palavras dos funcionários, que disseram ainda que a mulher tinha sido encontrada numa poça de água numa horta em Carnaxide, a pouco mais de dez quilómetros do Saldanha — onde a mulher tinha sido vista pela última vez — e longe de qualquer lugar onde esta fosse com frequência. No entanto, decidiu insistir e acabou por comprovar o que tinha ouvido.

Fátima era "acariciada" pelos moradores e muito dedicada à família

D.R.

O corpo de Fátima já se encontrava em elevado estado de decomposição. José só conseguiu identificá-la através do maxilar. No entanto, nem todos os familiares conseguiram fazer o mesmo. “A minha irmã acha que não é ela”, explica, sugerindo que a emoção e o choque inicial também possam ter dificultado o reconhecimento.

José e os sobrinhos acabaram por pedir uma segunda autópsia, depois de a primeira ter apresentado um resultado “inconclusivo”. Além de a família não saber exatamente como é que exame foi feito, tem uma suspeita relacionada com as possíveis causas da morte.

“Quando olhei para o corpo e analisei o crânio, vi que faltava uma parte. Sei que costumam cortar para fazer a autópsia, mas aquilo não me parecia cortado. Parecia-me desfeito“, revela José, acrescentando acreditar que a irmã foi vítima de um crime.

“Para nós, o mais importante é obter respostas. O que é que aconteceu à minha tia? Quem lhe fez isto? Por que é que o fizeram? Precisamos de respostas”, apela Leandro.

"O corpo não vai ser enterrado enquanto não tivermos a certeza de que foi feita uma segunda autópsia. Até termos o relatório e respostas concretas do que aconteceu, não fazemos funeral."
Leandro Oliveira, sobrinho de Fátima Araújo

A procura por respostas levou a família a voltar ao DIAP e também a pedir informações junto da Polícia Judiciária (PJ), que se “comprometeu a verificar todo o processo e a tentar apurar se há ou não um crime”.

“O corpo não vai ser enterrado enquanto não tivermos a certeza de que foi feita uma segunda autópsia. Até termos o relatório e respostas concretas do que aconteceu, não fazemos funeral”, garante o sobrinho.

A família também decidiu que, para já, não vai tentar apurar se houve negligência por parte das autoridades nem tentar imputar responsabilidades. Não vai apresentar qualquer queixa sobre o facto de só ter sido informada de que o corpo estava na morgue 13 dias depois de ele ter ido para lá. Não vai tentar perceber por que razão não foi a PSP a comunicá-lo em primeiro lugar, tendo esta dito inicialmente que não tinha qualquer informação sobre Fátima. Nem vai querer apurar o que levou a PSP a dirigir-se à casa da irmã de Fátima para comunicar que ela tinha sido encontrada, meras horas depois da chamada do IML.

Além da PSP e do DIAP, o Observador questionou também a PJ e o IML, estando não tendo ainda obtido respostas.

“Estamos frustrados com toda a situação. Além de querermos fazer o luto, estamos indignados com a forma como o caso foi conduzido. Enfim…”, termina José, com um suspiro.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos