Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A meio caminho entre o português “a falar é que a gente se entende” e o latim “in vino veritas”, existe um provérbio catalão que diz: “Os segredos do teu vizinho ser-te-ão ditos por um jarro de vinho”. Seja com um cava catalão, seja com um espanhol vinho de La Rioja, a imagem de um qualquer Presidente de Governo de Espanha sentado com um presidente do governo regional da Catalunha parece estar hoje mais distante do que nunca.

Tudo isto culminou nesta semana, na qual foi publicada a sentença do julgamento em torno da preparação e execução do referendo independentista catalão de 1 de outubro de 2017. Dos 12 arguidos presentes durante o julgamento, todos foram considerados culpados de crimes que vão da desobediência à sedição, passando pelo desvio de fundos públicos. A sentença foi especialmente pesada para nove dos arguidos, que foram condenados a passar entre nove e 13 anos na prisão.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.