Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rui Rio está disponível para liderar uma futura maioria de direita se esta vier a surgir no quadro de futuras eleições legislativas — mesmo que o PSD seja a segunda força mais votada. A convicção que existe no núcleo duro do líder social-democrata é de que António Costa escolheu um lado — o da esquerda — e que já não existem condições políticas para influenciar a governação socialista. Consciente de que a tendência registada nas sucessivas sondagens dá como improvável uma vitória do PSD sobre os socialistas a curto e médio prazo, o quartel-general de Rio já vai olhando para todas as opções — e repetir o que António Costa fez em 2015 não está, de todo, excluído.

“Há um antes e um depois dos Açores. A campanha infame que o PS fez contra nós… A relação política entre Rui Rio e António Costa mudou. O PS está em pré-campanha eleitoral e nós vamos estar prontos para isso”, diz ao Observador um alto dirigente social-democrata. “E ninguém deve esquecer: quanto mais pressionado se sente Rui Rio, mais o seu sentido político fica apurado.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.