804kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O assédio, em espaços públicos, foi identificado como o principal problema com o qual as mulheres, nos dias que correm, ainda têm de lidar.
O assédio em locais públicos é uma verdadeira barreira na vida das mulheres, materializando-se em falta de autoestima e um sentimento constante de desproteção.
É para combater este problema, para munir as mulheres com as ferramentas certas, que a L’Oréal Paris lançou o programa Stand Up.
i

Getty Images/iStockphoto

Getty Images/iStockphoto

Stand Up: dizer não ao assédio onde quer que seja, sempre que for preciso!

Alguma vez sentiu medo de andar sozinha na rua? Já sentiu que a sua segurança poderia estar em risco? Que uma abordagem de um desconhecido estava a ser demasiado desconfortável?

Em março de 2021, a L’Oréal Paris desenvolveu um estudo, em parceria com a Ipsos, onde se chegou à conclusão de que o assédio sexual em espaços públicos ainda é o maior problema com o qual mulheres de todo o mundo têm de lidar. Com dados recolhidos em 15 países, contando com a participação de mais de 15.500 participantes, chegou-se à conclusão de que os números de casos de assédio ainda são elevados, mas que as suas consequências são ainda maiores. Implicam no dia a dia destas mulheres, no seu sentimento de segurança e, até mesmo, na sua autoestima.

80 %

das mulheres já sofreram assédio em locais públicos

76 %

das pessoas já testemunharam assédio em locais públicos

Porque o tema do empoderamento feminino é também o ADN da L’Oréal Paris, a marca está empenhada em combater esta realidade, em qualquer que seja o lugar do mundo. Nesse sentido, lançou, em 2020, o Programa Stand Up: um programa de combate ao assédio em locais públicos, numa parceria com a Right to Be, uma ONG especializada na luta contra todo o tipo de assédio. Com este programa internacional, a missão é a de contribuir para uma cultura de respeito, dignidade e valor, através da capacitação de mais 1.5 milhões de pessoas. Mas como? Com a metodologia dos 5D da Right To Be. Distrair, Delegar, Documentar, Dirigir-se ao assediador, Dialogar: estes são os cinco passos que nada mais consistem do que em ferramentas simples e eficazes para ajudar todas as pessoas a intervir de uma maneira segura, seja quando assistem a uma situação de assédio, seja quando são elas próprias a viver essa situação na primeira pessoa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para fazer a formação, é simples: basta aceder ao site e dar início a todo o processo. Não precisará de mais do que 10 minutos e poderá escolher entre as seguintes opções: aprender a reagir, caso testemunhe uma situação de assédio em local público; aprender o que fazer, no caso de ser a vítima desta situação. Através de imagens de exemplo de casos considerados assédio sexual, poderá perceber melhor como diagnosticar o problema e, posteriormente, saber como resolvê-lo. Reconhecer o assédio é o primeiro passo, mas saber que ferramentas utilizar para o resolver é a próxima paragem. Tudo isto, através dos 5D referidos em cima. Porque uma situação de assédio tem mais impacto do que o que possamos reconhecer numa primeira instância. Impacta o comportamento das vítimas, levando-as a evitar determinados locais, situações, ou até mesmo chegar ao extremo de repensar a própria aparência ou sentir medo de cada vez que se sai à rua sozinha. Assim, é mais importante do que nunca saber como agir, seja para quem vê ou para quem vive esta situação.

97 %

das testemunhas de assédio em locais públicos sentem-se capacitadas para intervir após terem realizado a formação Stand Up

90 %

dos participantes na formação Stand Up afirmam que podem agora tomar medidas para combater o assédio em locais públicos se o presenciarem

E a verdade é que os números falam por si: 37 países lançaram o Stand Up, com a ajuda de parceiros de beneficência locais, e mais de 800.000 pessoas em todo o mundo receberam formação. Um inquérito social, realizado em 2022 no âmbito deste programa de formação e do seu impacto, revelou que os formandos se sentiram significativamente capacitados, mas não só: com as ferramentas certas que lhe transmitiram a liberdade para circular em ambientes públicos com confiança e capacidade de agir.

Nunca é tarde para fazer parte desta luta. Junte-se ao Stand Up e aprenda a fazer a diferença na sua vida e na vida de quem o rodeia. Para que nunca se esqueçam do seu

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Hoje transfóbicos.
Às quintas wokistas.
Amanhã comunas.
Às terças fascistas.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.
Atos de vandalismo não nos calarão.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Hoje transfóbicos.
Às quintas wokistas.
Amanhã comunas.
Às terças fascistas.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.
Atos de vandalismo não nos calarão.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO