Dark Mode 193kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia
i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Web Summit mexe com o alojamento em Lisboa? Simulámos reservas em 131 hotéis /premium

A Web Summit está a chegar e tem um impacto enorme no preço do alojamento em Lisboa. Fomos perceber até onde é que os preços sobem em hotéis, hostels e Airbnb. Veja os resultados.

    Índice

    Índice

You found the right room for the Web Summit!” O anúncio que Luzia Pereira colocou no Airbnb, em inglês, é claro: o quarto que disponibiliza em Moscavide, a dois minutos de metro da estação do Oriente e a dez minutos a pé da Altice Arena, que vai receber a Web Summit entre 5 e 8 de novembro, é, segundo ela, a proposta “certa” para quem chega de fora. Nas últimas semanas, Luzia e a mãe, que é responsável pelo espaço, têm recebido mensagens dos quatro cantos do mundo a pedir mais informações sobre os dois quartos que decidiram disponibilizar. “O primeiro foi logo arrendado passado uma semana e meia depois de colocar o anúncio”, conta ao Observador.

Apesar de arrendar um dos quartos no Airbnb durante todo o ano, quando há eventos de maior dimensão que se realizam perto da casa, Luzia cria um anúncio específico. Começou a fazer este tipo de reservas no ano passado e “correu tudo muito bem”. Fez o mesmo na Eurovisão, em maio, e volta agora para a Web Summit. Desta vez, disponibilizou dois quartos e arrendou-os a um preço mais alto (75 e 90 euros) do que costuma cobrar em épocas com menor procura, contou ao Observador.

Luzia é um dos exemplos de quem aproveita a grande procura por alojamento nos dias da maior conferência de empreendedorismo, tecnologia e inovação da Europa para rentabilizar parte da sua casa. Das plataformas de alojamento local como o Airbnb aos hotéis e hostels, os dados dos últimos anos indicam números em crescente: um aumento dos preços dos quartos e apartamentos e a subida de uma ocupação que há uns anos, quando Lisboa não tinha a Web Summit, não passava dos 50%. Só no Airbnb, o mês de novembro de 2017 contou com cerca de 18 mil reservas para os dias da conferência e um impacto extra de 1,5 milhões de euros para os anfitriões lisboetas, mais 20% do que em 2016, segundo a plataforma.

Cerca de 18 mil reservas na plataforma Airbnb durante Web Summit geram 1,5 milhões de euros

Também nos hotéis, os preços e número de reservas dispararam: segundo a Trivago, em 2016, o preço médio dos quartos subiu 68% (de 118 para 198 euros) na semana anterior ao evento. No ano seguinte, diz a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) no inquérito que realizou, o preço médio fixou-se nos 141 euros na cidade de Lisboa e nos 128 euros na Região de Lisboa.

A AHP explicou ao Observador que o impacto da Web Summit “ultrapassa e muito a esfera da hotelaria” e tem um “impacto muito maior na economia da cidade e de Portugal”. No entanto, a associação prevê que este ano “os hotéis da cidade de Lisboa possam fechar com uma ocupação muito próxima dos 100% naquela semana e o preço, naturalmente, irá ajustar-se”, tendo em conta que este ano se esperam ainda mais pessoas no evento — 70 mil. Mas, afinal, quanto é que o preço do alojamento em Lisboa muda com a Web Summit?

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Para responder à questão, simulámos a reserva de uma noite em 131 hotéis e vários hostels e Airbnb que ainda tinham quartos disponíveis. A pesquisa foi feita a 20 e 21 de outubro e teve duas datas como referência: uma noite na semana anterior à Web Summit (de 29 para 30 de outubro) e uma noite na semana da Web Summit (de 5 para 6 de novembro).

Todas as simulações foram feitas tendo em conta a reserva de um hóspede e teve sempre por base o quarto mais barato disponível em cada hotel naquelas datas, bem como as promoções aplicadas no dia. Caso o quarto mais barato numa das datas não estivesse disponível na segunda data, tentámos reservar o segundo quarto mais barato que estivesse disponível nas duas noites a comparar. Importa também referir que foi utilizado o serviço de reservas de cada site do hotel, sempre que esse serviço estava disponível. Caso contrário, as simulações foram feitas através do Booking e foram também feitas consultas no site que a Web Summit disponibiliza só para questões relacionadas com o alojamento.

5 estrelas: quase o dobro de uma semana para a outra

As maiores diferenças de preços: 260 euros 

260 euros, ou 89%. É esta a maior diferença de preços no mesmo quarto — suite executiva com pequeno-almoço — entre a noite de 29 para 30 de outubro (292 euros) e a noite de 5 para 6 de novembro (552 euros), no Corinthia Hotel Lisbon, junto a Sete Rios. Ainda era possível reservar as três noites completas neste quarto, por um total de 1.622 euros, ou seja, 540 euros por noite. No dia em que a pesquisa foi feita, estava em vigor um desconto de 135 euros sobre o preço original.

A segunda maior diferença de valores vem de um hotel mesmo junto ao recinto da Web Summit: o Hotel Myriad. Ainda há quartos disponíveis, mas também a um preço superior ao habitual. E há uma diferença em relação à maior parte dos hotéis: aqui, durante a semana do evento, apenas é permitido reservar um quarto no mínimo por três noites. Um quarto deluxe de 5 a 8 de novembro — que agora já não está disponível — ficava por 1.296 euros no total, ou seja, 432 euros por noite. Na semana anterior, uma noite no mesmo quarto custava 189 euros, uma diferença de 243 euros.

Em resposta escrita ao Observador, Kai Hoffmeister, diretor do Myriad, confirmou que o hotel vai estar “a cerca de 100% da sua capacidade nos dias da Web Summit“, acrescentando que foi registado “um crescimento moderado no número de reservas, muito fruto da antecipação com que os hóspedes fizeram as suas reservas este ano”. As reservas de um quarto de hotel para o evento, destaca o responsável, chegam essencialmente do Reino Unido, Alemanha, Espanha, Estados Unidos, Rússia, Polónia e Portugal. Kai Hoffmeister garante ainda que, apesar de o hotel não implementar medidas extraordinárias por causa do evento, o Myriad vai “manter a qualidade do serviço e do atendimento ao qual os hospedes já se habituaram”.

A fechar o pódio da maior diferença de preços está o Hotel Intercontinental, onde um quarto deluxe padrão na noite de 29 para 30 de outubro custa 173,15 euros. Sete dias depois, o mesmo quarto está a 296,82 euros, uma subida de 71,4%. Apesar do aumento, já não há quartos disponíveis para as três noites do evento através do site oficial do estabelecimento. Através da Web Summit, o mesmo quarto para o uso de uma pessoa aparece a custar 390 euros por noite, com pequeno-almoço incluído. Exige, no entanto, que a reserva seja no mínimo para três noites, o que dá um total de 1.173 euros.

A simulação da reserva do mesmo quarto no Intercontinental na noite de 29 para 30 de outubro e de 5 para 6 de novembro (consultado entre os dias 21 e 22 de outubro)

A menor diferença de preços: zero euros

Nem todos os preços aumentaram nos hotéis de cinco estrelas. No Olissippo Lapa Palace, um quarto com pequeno-almoço incluído nas duas datas estava a 310 euros por noite. Zero euros de diferença. E as três noites do evento ainda estavam disponíveis, no mesmo quarto e ao mesmo preço, através do site do hotel. Mas há outra novidade: em alguns estabelecimentos a tendência inverteu-se e uma noite na data da Web Summit estava mais barata do que na semana anterior. É o caso do Tivoli Palácio Seteais (menos 17 euros), do Varride Palácio Santa Catarina (menos 70 euros) e do Tivoli na Avenida da Liberdade (menos 85 euros).

O quarto mais caro: 610 euros por noite

Dos hotéis analisados, o quarto mais caro fica no Four Seasons Hotel Ritz, localizado no centro de Lisboa. Aqui, a estadia de uma noite no quarto superior, tanto no final de outubro como na semana da Web Summit, custava 610 euros a partir do site do hotel. Quisemos verificar se o preço era o mesmo em qualquer altura do ano e descobrimos que uma noite na semana a seguir ao evento custava de 545 euros no mesmo quarto, uma diferença de 65 euros. No entanto, quem faz a reserva a partir do b-network, no site da Web Summit, conseguia encontrar, apenas na noite de 5 para 6 de novembro, o mesmo quarto por 380 euros não reembolsáveis.

O quarto mais barato localizava-se no hotel Dom Pedro Lisboa, onde o quarto clássico estava a 167 euros numa das noites da semana da Web Summit.

4 estrelas: uma subida na casa dos 200 euros e uma descida de 33

As maiores diferenças de preços: 234 euros

Na categoria abaixo, a maior diferença de preços foi encontrada no 9Hotel Mercy, mesmo junto ao Bairro Alto: um quarto clássico na noite de 29 para 30 de outubro estava a 152 euros, mas de 5 para 6 de novembro ficava a 386 euros, mais 234 euros (ou 154%). Em ambos os dias, o quarto estava em promoção. A partir do site da Web Summit, o mesmo quarto estava a 340 euros na semana do evento e na semana a seguir a 180 euros.

De seguida, o Lisbon Marriott Hotel. Aqui, um quarto deluxe com vista para a cidade e com varanda tinha o valor de 103 euros na noite de 29 para 30 de outubro. Uma semana depois, os números sobem para 329 euros, de acordo com a simulação de reserva feita no próprio site do hotel. São mais 226 euros. Quem quiser ficar as três noites neste hotel, ainda vai a tempo e terá que pagar 1.077 euros no total, ou seja, 359 euros por noite neste quarto.

A simulação da reserva do mesmo quarto no Lisbon Marriott Hotel na noite de 29 para 30 de outubro e de 5 para 6 de novembro (consultado entre os dias 21 e 22 de outubro)

Diretamente da Avenida da Liberdade, o Boutique Hotel Heritage tinha quartos disponíveis e entre as duas datas definidas a diferença era de 183,20 euros a mais na semana da Web Summit (365,60 euros), com pequeno-almoço incluído. Trata-se do “quarto baixa”, um quarto com cama de casal ou duas camas e com decoração portuguesa. O simulador indicou que já só havia um quarto disponível para as noites de 5 para 8 de novembro por um preço total de 975,10 euros.

A menor diferença de preços: 10,45 euros

Não houve preços que se mantiveram exatamente iguais, mas nalguns hotéis encontrámos uma diferença mínima, especialmente naqueles que praticam preços mais baixos. O Vila Galé Opera, em frente ao Rio Tejo, subiu apenas 10,45 euros de uma semana para a outra, no quarto standard com duas camas — de 103,55 euros (não reembolsável) passou para 114 euros, tornando-o também no hotel com o quarto mais barato. Na altura em que a simulação foi feita, os quartos estavam com um desconto de 5% no site do estabelecimento.

Ao mesmo tempo, houve dois hotéis que apresentaram preços inferiores na semana da Web Summit: o hotel O Artista (menos 41 euros) e o Portugal Boutique Hotel (menos 33,80 euros).

O quarto mais caro: 386 euros por noite

O 9Hotel Mercy é o hotel com a maior diferença de preços e é também aquele que tem o quarto mais caro, dentro dos “mais baratos” disponíveis no dia da simulação de reserva. O quarto clássico estava, de 5 para 6 de novembro, a 386 euros no site do hotel.

3 estrelas: última semana de outubro com quarto 99 euros mais barato

As maiores diferenças de preços: 99 euros

Um quarto pequeno no Brown’s Downtown Hotel, na Rua dos Sapateiros, para a noite de 5 para 6 de novembro estava a 237,60 euros, mais 99 euros do que o preço do mesmo quarto durante uma noite da semana anterior (138,60 euros). Três noites na semana da Web Summit custavam 712,80 euros no total para o mesmo espaço.

O segundo hotel onde encontrámos uma das maiores diferenças de preço foi o Hotel Alif Campo Pequeno, no qual um “twin room”, reservado através do site do estabelecimento, custava 50 euros na noite da primeira data. Se o mesmo quarto fosse reservado para sete dias depois já custaria 140 euros. Já no Holiday Inn Express, registámos uma diferença de 75,84 euros para o quarto padrão em duas semanas diferentes: de 119,04 euros para 194,88 euros.

A menor diferença de preços: zero euros

Houve três hotéis que não alteraram o preço nas duas semanas em que a simulação de reserva foi feita (nos sites dos estabelecimentos): o Hotel Dom Carlos Liberty (quarto standard individual com pequeno-almoço incluído e não reembolsável a 136 euros), Hotel Avenida Park (quarto triplo não reembolsável a 140,40 euros) e Hotel Expo Astória (quarto standard individual a 104 euros). No entanto, os três estabelecimentos têm a lotação esgotada na semana completa da Web Summit.

Outro hotel que teve pouca diferença de preços está bem perto da Altice Arena. Apesar de o Ibis Parque das Nações não revelar informações específicas sobre as reservas e sobre a ocupação, o simulador de reservas no site permitiu perceber que houve uma diferença de apenas 10,30 euros entre a noite de 29 para 30 de outubro e a noite de 7 para 8 de novembro (os dias 5 e 6 já não estavam disponíveis) no mesmo quarto. Além dos preços serem praticamente iguais, o Ibis referiu, em resposta ao Observador, que vai manter “a mesma preparação, no decorrer da Web Summit, que apresenta ao longo de todo o ano. A marca garante uma estadia com todos os serviços e comodidades a que se propõe, estando focada na receção dos hóspedes e a sua satisfação”.

O quarto mais caro: 273,05 euros por noite

O Mera Prime Gold, a três minutos da Praça do Comércio, era o hotel de três estrelas com o quarto mais caro ainda disponível nas duas datas: 273,05 euros por um “Superior Prime Twin”, com pequeno almoço incluído na noite de 5 para 6 de novembro. Ao mesmo tempo, era também o hotel onde se encontrou uma maior diferença de preços em comparação com a noite de 29 para 30 de outubro, com 154,54 euros de diferença, o que equivale a uma subida de mais do dobro do preço. No entanto, já não há quartos disponíveis para as três noites do evento, se fizer a reserva através do site do hotel.

A simulação da reserva do mesmo quarto no Mera Prime Gold na noite de 29 para 30 de outubro e de 5 para 6 de novembro (consultado entre os dias 21 e 22 de outubro)

Dois hotéis mais baratos na Web Summit

O quarto mais barato nos hotéis de três estrelas estava no Turim Luxe Hotel: um quarto standard custava 65,40 euros por noite, menos 28,60 euros do que na última semana de outubro. Também com diferença negativa estava o Empire Lisbon Hotel (menos 10 euros) e o Turim Restauradores Hotel (menos 12 euros).

2 estrelas: o mesmo quarto separado por 83 euros

As maiores diferenças de preços: 83 euros

O Hotel D.Sancho I foi um dos hotéis com maior diferença registada de uma noite para a outra: um quarto de casal/twin sem pequeno-almoço custava 72 euros entre 29 e 30 de outubro e 155 euros entre 5 e 6 de novembro, uma diferença de 83 euros. Através do site da Web Summit, que remete a reserva para o Booking, o quarto duplo estava a 453 euros nas três noites do evento.

Já o Hotel do Chile teve uma diferença de 50 euros no preço do mesmo quarto — um quarto duplo com pequeno-almoço incluído –, a partir do Booking. De 95 euros passou para 145 euros, apesar de a primeira data estar com desconto (sem ele ficaria ao mesmo preço: 145 euros).

A mesma situação ocorreu na Albergaria Senhora do Monte, que registou um aumento de 30 euros através do Booking, ainda que o preço do quarto individual na noite de 29 para 30 de outubro estivesse com desconto: em vez de 110 custava 80 euros. Ainda há quartos individuais para os dias 5 a 8 de novembro.

A simulação da reserva do mesmo quarto na Albergaria Senhora do Monte na noite de 29 para 30 de outubro e 5 para 6 de novembro (consultado entre os dias 21 e 22 de outubro)

A menor diferença de preços: 9 euros

Nove euros no Hotel Alicante. Foi a menor diferença de preços encontrada entre duas datas no mesmo quarto de hotéis de duas estrelas e, ao mesmo tempo, o quarto mais barato encontrado. Neste caso, tratava-se de um quarto individual com pequeno-almoço incluído e cancelamento não reembolsável por 62 euros na noite de 26 para 27 de outubro, uma vez que a noite de 29 para 30 já não estava disponível. Uma semana depois, o mesmo quarto estava a 71 euros.

O quarto mais caro: 168 euros por noite

Tal como aconteceu com o Mera Prime Gold, nos hotéis de duas estrelas a pesquisa indicou que no Hotel Dom Afonso Henriques (DAH), o quarto mais acessível estava a 168 euros, sendo o mais caro de todos os restantes estabelecimentos hoteleiros e, ao mesmo tempo, aquele que aumentou mais o preço em relação às duas datas. Tratava-se de um quarto duplo ou twin para uso individual, com uma diferença de mais 92 euros em relação à semana anterior à Web Summit (de 76 para 168 euros). Nas três noites do evento, o mesmo quarto ainda estava disponível por 474 euros no total.

Uma estrela: menos categorias, menos diferenças

As maiores diferenças de preços: 25 euros

Quando chegou a altura de simular reservas nos hotéis de uma estrela, a menor categoria, havia apenas quatro hotéis em Lisboa que ainda tinham quartos disponíveis em pelo menos uma das noites da semana da Web Summit. Como a amostra era reduzida, encontrámos apenas um quarto que aumentou o preço entre as duas datas. Um quarto twin não reembolsável e com pequeno-almoço incluído no Hotel LX Rossio custava 70 euros na noite de 29 para 30 de outubro (ainda que tenha sido com o desconto do dia), menos 25 euros do que na noite de 5 para 6 de novembro.

A menor diferença de preços: zero euros

Pensão Residencial Pátria e o Hotel LX Rossio não fizeram qualquer alteração no preço dos quartos disponíveis nas duas datas. No primeiro hotel, tratava-se de um quarto duplo não reembolsável a 80 euros e no segundo um quarto duplo não reembolsável a 90 euros. Em ambos os hotéis já não há quartos disponíveis para as três noites do evento.

O quarto mais caro: 150,50 euros por noite

O mais caro de todos estava no Hotel Portuense, que obrigava à estadia de pelo menos duas noites. Num quarto triplo, o único que ainda estava disponível, as noites de 5 para 7 de novembro custavam 305 euros, ou seja, 152,50 euros por noite. No entanto, este valor foi a pensar numa divisão por dois hóspedes, mesmo tendo sido colocada a opção para apenas um hóspede, daí o preço mais elevado.

Este mesmo quarto, nas noites de 29 a 31 de outubro estava a 224 euros no total (112 euros por noite), o que faz com que também neste hotel se tenha verificado a maior diferença de preços: 81 euros de diferença. Já na Pensão Residencial Pátria estava, além da menor diferença de preços, o quarto mais barato na noite de 5 para 6 de novembro, a 80 euros.

Hostels: menos impacto, mas preços também aumentaram

Os hostels estão entre os alojamentos mais baratos. Mas não são para todo o tipo de clientes. Quem o diz é Lourenço Pinto, responsável de grupos do Lisb’On Hostel. Quando lhe perguntamos como tem sido a procura de quartos no estabelecimento para os dias da Web Summit respondeu: “Vou ser sincero, está a ser relativamente pequena”. Os quartos privativos, que no hostel são apenas cinco, já não estão disponíveis, mas há ainda vários dormitórios por ocupar e, da experiência que o responsável já viveu em anos anteriores, “o cliente Web Summit não é um cliente que vá muito para dormitórios” e os grupos que tem recebido “em nada têm a ver com a Web Summit”.

“Do que conheço no mercado, a Web Summit tem tido mais impacto em alojamentos locais, Airbnb e hotéis e penso que aí depende do tipo de pessoa que vai à Web Summit. Isto é, provavelmente quando é a empresa a pagar, vão para hotéis de quatro, cinco estrelas. Quando vêm por eles próprios, provavelmente ficam em hotéis de três estrelas ou em Airbnb. Procuram quase sempre um quarto privativo”, explicou Lourenço Pinto.

No entanto, e apesar de o evento não ter tanto impacto neste estabelecimento, a semana da Web Summit levou também a um aumento de preços, entre 10 a 15% nos quartos privativos. “Não só pelo evento, mas também a pensar nele”, explicou Lourenço Pinto. Assim, um quarto duplo, por exemplo, estava a 76 euros por noite, mais dez euros do que numa altura de menor procura.

O mais caro: 76 euros por noite

Os dormitórios são sempre o mais barato nos hostels, mas comparamos apenas os preços e a sua evolução no que diz respeito aos quartos privativos. Através de uma pesquisa no Booking, o hostel que tinha disponível o quarto mais caro era o The Loft – Boutique Hostel: uma noite num quarto twin com beliche custava 33 euros na semana anterior à Web Summit e passou para 76 euros nos dois primeiros dias do evento, um aumento de 130% no 130%.

A simulação de reserva no mesmo quarto no The Loft - Boutique Hostel na noite de 29 para 30 de outubro e 5 para 6 de novembro (consultado entre os dias 21 e 22 de outubro)

O mais barato: 24 euros por noite

O hostel que tinha o quarto mais barato era o 7 Rivers Hostel, que disponibilizava um quarto deluxe não reembolsável por 24 euros na noite do dia 8 para o dia 9 de novembro. Na noite de 29 para 30, o mesmo quarto estava ao mesmo preço.

Airbnb: “Puxar mais pelos preços” devido à procura

“Em 2017, quando ainda não sabíamos da dimensão do evento, os preços eram mais baratos e, assim que o anúncio foi para o ar, o quarto foi arrendado num instante”, explicou Luzia Pereira. Depois de uma conversa com a mãe, este ano quis tentar “puxar um pouco mais pelos preços” devido à grande procura que foi verificando. Resultado: na semana da Web Summit, o quarto mais pequeno que disponibilizou foi arrendado a 75 euros por noite, quando noutra altura chega a estar nos 35 euros. Já o segundo quarto foi exclusivamente disponibilizado para o evento por 90 euros.

No Airbnb, nem é preciso um anúncio específico para se perceber que a semana da Web Summit também trouxe aumentos na plataforma de alojamento online. Noutro anúncio, também é possível ver a diferença: na semana anterior ao evento, um quarto junto à estação de metro de Moscavide custava 35 euros por noite. Na semana da Web Summit, do dia 9 para o dia 10 de novembro, o mesmo quarto estava a 80 euros, mais 45 euros. E na semana a seguir, o quarto voltou aos 30 euros por noite.

Paulo Pintassilgo, por exemplo, decidiu aumentar em 60% os preços de arrendamento do apartamento com dois quartos que tem a 15 minutos a pé até à Altice Arena. Três dias depois de colocar o anúncio, já tinha chegado uma “reserva vinda diretamente de África do Sul” para as datas da Web Summit, conta ao Observador, acrescentando que, no entanto, não sentiu um grande aumento na procura, tendo em conta que colocou o anúncio “um pouco mais tarde” do que o normal.

(Texto editado por Ana Pimentel)

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.