Por cima de uma imagem de Fernando Haddad, o ex-candidato presidencial do Brasil e ex-prefeito [presidente] da cidade de São Paulo, aparece uma frase: “Ao completar cinco anos de idade, a criança passa a ser propriedade do Estado! Cabe a nós decidir se menino será menina e vice-versa! Aos pais cabe acatar nossa decisão respeitosamente! Sabemos o que é melhor para as crianças!”

A publicação teve 15 mil visualizações em três dias e continua online, atribuindo a ideia ao candidato que se opôs a Jair Bolsonaro nas últimas presidenciais. Mas esta ideia nunca foi defendida pelo político do Partido dos Trabalhores.

A frase aparece com o nome de Fernando Haddad no final, mas não se trata de uma frase ou sequer de uma ideia que tenha defendido alguma vez. A acusação que voltou agora a circular no Facebook já é antiga e, em 2018, mereceu mesmo uma declaração da assessoria da imprensa do então candidato presidencial ao portal brasileiro de notícias G1: “É uma bobagem monumental, jamais o candidato diria isso.”

Nessa altura, o Tribunal Superior Eleitoral ordenou até que várias notícias falsas que estavam a circular nas redes sociais contra Haddad fossem retiradas. Foi o caso desta, mas a mesma informação continua a circular no Facebook.

O combate à desinformação e às informações falsas assumiu proporções que surpreenderam até a chefe da missão de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA), no decurso das eleições presidenciais no Brasil. “É a primeira vez, em uma democracia, que estamos observando o uso do WhatsApp para espalhar maciçamente notícias falsas, como está acontecendo aqui no Brasil”, disse Laura Chinchilla, em declarações aos jornalistas brasileiros, em outubro de 2018.

Neste momento, a Câmara dos Deputados está analisar um projeto de lei — uma iniciativa do senador Alessandro Vieira (CIDADANIA/SE), já aprovada pelo Senado — para ajudar a combater as informações falsas ou manipuladas que circulam nas redes sociais. O diploma “institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet” e foi batizado com o nome “Lei das Fake News”.

Conclusão

A publicação é falsa. Atribui a Fernando Haddad uma ideia que este antigo candidato presidencial nunca defendeu publicamente e que não lhe pode ser imputada.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

Errado

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

NOTA: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge