Rádio Observador

Jogos Olímpicos

A aquecer para Tóquio

Autor
  • Joana Reis

Os Jogos de Tóquio 2020 podem decorrer sob temperaturas excecionalmente altas. Faltam 500 dias e é determinante testarem-se procedimentos e estratégias para cada atleta que otimizem a sua aclimatação.

No passado verão em Tóquio registaram-se temperaturas excecionalmente altas. No próximo ano, por aquelas bandas e no mesmo período, decorrem os Jogos Olímpicos 2020, onde os atletas podem contar com temperaturas acima dos 30 graus, combinadas com humidade elevada. Este problema acresce se tivermos em conta o facto de os atletas chegarem à aldeia olímpica vários dias antes da sua competição, ficando imediatamente expostos ao ambiente quente e húmido. E estende-se também aos atletas que têm as suas provas em ambientes fechados onde a sua recuperação e preparação é igualmente afetada. O impacto que as condições ambientais têm no rendimento desportivo são muito elevadas e não devem ser negligenciadas, basta lembrar as dificuldades físicas que a seleção de futebol sentiu no jogo em Manaus no Mundial de 2014.

Competir no calor provoca elevação da temperatura interna e da pele, elevação da frequência cardíaca, maior perda de água, dificuldade em manter o fluxo sanguíneo para os músculos, diminuição na capacidade de produzir força e maior sensação de fadiga. Nos desportos individuais, o calor afeta principalmente as competições com durações superiores a 3 minutos, onde podem ocorrer reduções de 3% na performance. Atletas como Fernando Pimenta pode piorar 6 segundos no K1 1000 metros e João Pereira mais de 3 minutos no Triatlo, podendo implicar de forma decisiva a não conquista de uma medalha olímpica. No Rio de Janeiro em 2016, por exemplo, ficaram a 4 e a 52 segundos da medalha de ouro, respetivamente.

Não obstante, existem estratégias de aclimatação prévias à competição desportiva que podem ajudar os atletas de alto rendimento. A investigação científica demonstrou que estratégias passivas como a realização de sauna, banhos quentes ou exposição a temperaturas elevadas após uma sessão de treino, ou ativas, como a realização de 8 a 14 dias de treino em ambientes com temperaturas elevadas, promovem uma melhor adaptação ao ambiente a encontrar em Tóquio 2020. Nos dias da competição, o pré-arrefecimento com ingestão de gelo ou banhos frios pode também ajudar. É decisivo encontrar a estratégia que melhor favoreça a performance dos atletas.

A menos de 500 dias para Tóquio é determinante testarem-se procedimentos e estratégias individualizadas para cada atleta que otimizem a sua aclimatação ao contexto competitivo. Nada é mais importante que a qualidade dos atletas, mas a capacidade de adaptação a estes ambientes extremos vai decidir medalhas.

Professora Auxiliar da Faculdade de Ciências da Saúde e Desporto da Universidade Europeia

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)