PSD

A eleição no PSD passou a ter só um tema: a PGR

Autor
381

O debate na RTP entre Rio e Santana reduziu a sucessão de Passos no PSD a um único tema: pode esta eleição no PSD ajudar a criar ambiente para o fim de uma era na investigação criminal em Portugal?

A campanha para a presidência do PSD tem despistado, como é costume, o comentário político. O candidato que todos esperavam que fosse o mais consensual, tem sido afinal o mais radical. E o candidato a quem era atribuída maior propensão para incidentes, foi o que até agora cometeu menos erros e fez mais trabalho de casa. De certo modo, era previsível: Rui Rio, que não quer dizer “jamais” a um Bloco Central, precisava de desfazer a ideia de que ia concorrer para número dois de António Costa, e a Pedro Santana Lopes, estigmatizado pelo governo de 2004, convinha demonstrar segurança e aplicação. O “novo 25 de Abril” deu a Rio uma aura de risco; e um programa de 56 páginas confortou Santana com uma imagem estudiosa.

Os dois candidatos entraram assim no debate televisivo de ontem mais próximos do que se previa: ambos honraram a herança de Passos Coelho, ambos afirmaram a vocação maioritária do PSD, excluindo amparos ao PS, ambos descobriram o crescimento económico, que já Passos exaltava em 2010 como alternativa à austeridade de José Sócrates. Sempre que tiveram de se dissociar de António Costa, parafrasearam-se um ao outro. São de facto, como aliás avisaram, do mesmo partido.

E separaram-se precisamente por causa disso, isto é, por causa das intrigas do PSD. Foi aqui que Rio ficou em desvantagem, ao deixar que Santana o identificasse com um “grupo” (expressão de Santana) ostensivamente desleal aos dois últimos primeiros-ministros do partido, um deles o próprio Santana. Mesmo quando Rio, para justificar esse distanciamento, lembrou a derrota de 2005, Santana imediatamente recordou a derrota muito mais comprometedora do “grupo” de Rio em 2009, dessa vez perante um Sócrates já desencantado. Os dois fizeram assim o favor de nos lembrar a eficiência com que as facções do PSD se desentendem desde 1995, apesar de pensarem as mesmas coisas.

Neste ponto, teríamos concluído que esta eleição do PSD é uma questão de personalidades ou de velhas histórias, não fosse o moderador, Vítor Gonçalves, ter introduzido o tema da recondução no cargo de Joana Marques Vidal, a Procuradora-Geral da República desde 2012. O seu mandato termina em 2018. Esta é provavelmente uma das maiores questões para o regime neste ano. Sob Joana Marques Vidal, o Ministério Público pôde iniciar as investigações mais decisivas da história da democracia. A sua substituição seria fatalmente entendida como um golpe da oligarquia política para dissuadir os magistrados de perturbarem os seus negócios. Em nenhum outro assunto, portanto, deveria vigorar maior circunspecção. Ora, o que vimos ontem não foi isso. Rui Rio permitiu-se criticar o Ministério Público em termos suficientemente equívocos para que, como o próprio a certa altura parece ter sentido, fosse possível confundir o que estava a dizer com o que dizem os suspeitos dos grandes processos para desacreditar a justiça. E Santana Lopes, que até aí marcara o seu adversário sempre que pudera, não o contrariou nitidamente, também ele ofuscado pelos “julgamentos na praça pública”, embora elogiasse o Ministério Público. Que significa isto? Apenas infelicidades de expressão?

Não sei se fui o único a ficar perplexo. Pode a eleição no PSD ajudar a criar ambiente para o fim de uma era na investigação criminal em Portugal? Eis o que era importante que os candidatos esclarecessem, antes de nos tentarem convencer sobre quem, no passado, traiu mais, ou sobre quem, no futuro, vai trair menos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
328

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Identidade de Género

A lógica das causas fracturantes

Rui Ramos
331

A legislação sobre a identidade de género deixa-nos com uma questão: tal como acontece com a religião, não seria melhor o Estado deixar pura e simplesmente de registar o sexo dos cidadãos? 

Ministério da Cultura

Uma proposta radical para a cultura

Rui Ramos
112

Porque não responsabilizar pessoalmente o presidente da república ou o primeiro-ministro, enquanto mecenas por conta do Estado, pela despesa pública no subsídio às artes? Tudo seria mais transparente.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
275

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site