Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não há nenhuma ilegalidade em António Costa estar a aproveitar o boom do mercado imobiliário de Lisboa. Nada proíbe um primeiro-ministro de se tornar um especialista da Remax no negócio de compra e venda de casas. Conseguisse ele mais valias tão rápidas nas medidas que toma sobre o país como as que obteve em dez meses só com a negociata de um apartamento no Rato, fora as outras três que fez num só ano.

Também não há nenhum crime na compra de um chalet por Pablo Iglesias. Só a inveja pode pôr em causa o bom gosto que o líder do Podemos e a sua namorada e porta-voz do partido tiveram na escolha do sítio onde querem viver com as filhas gémeas que estão para nascer e os três cães da família. E nem sequer há que duvidar do preço, porque 615 mil euros pelo casarão colonial na área de Madrid até é uma pechincha.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.