Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1 O discurso do Presidente da República no 25 de Abril tem sido justamente — e felizmente — elogiado por vozes muito diversas no nosso espectro político. Ainda que tardiamente, gostaria de subscrever esses elogios. E, embora já quase tudo tenha sido dito sobre o luminoso discurso de Marcelo Rebelo de Sousa, atrevo-me a pensar (apenas tentativamente) que gostaria de acrescentar algumas notas de roda-pé.

2 Tem sido muito justamente sublinhado o equilíbrio e a moderação da visão presidencial sobre o nosso passado — pedindo que se evite tanto “o culto exclusivamente glorioso da nossa História”, como “a sua demolição global”. Concordo inteiramente com esta proposta de olhar imparcial sobre o passado — que corresponde à ancestral atitude imparcial da ideia de Universidade, em que o Professor Marcelo Rebelo de Sousa honrosamente se inscreve.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.