Rádio Observador

Empresas

CE2O: A fórmula química da liderança na era da economia reputacional

Autor
  • Pedro Tavares

Os líderes surgem como o principal embaixador das organizações, como a principal marca humana das organizações, e isto é válido tanto para os stakeholders externos como internos destas.

Numa era em que tudo acontece tão rapidamente, em que os hábitos e atitudes mudam permanentemente, em que a instabilidade e a incerteza são uma realidade, e em que a exigência com o sucesso é uma constante, as organizações tendem a converter-se em automatismos desumanizados, táticos e facilmente replicáveis.

Historicamente vivemos uma evolução de tendências, em que primeiro os produtos foram o foco, depois vieram os tempos das marcas de produto e das marcas corporativas, e agora fruto das fragilidades criadas pela digitalização estamos num momento de necessidade de acrescentar e complementar as anteriores com o novo desafio das marcas humanas que constituem um requisito cada vez maior e mais presente de voltar a humanizar as organizações e as suas marcas como forma de potenciar uma orientação de gestão mais estratégica e diferenciadora.

É neste contexto que os líderes surgem como o principal embaixador das organizações, como a principal marca humana das organizações, e isto é válido tanto para os stakeholders externos como internos destas.

Ao longo dos tempos sempre se discutiram as características de liderança e foi-se catalogando os líderes do passado ou do presente, os líderes financeiros ou comerciais, os líderes das economias ou das indústrias, os líderes dos ciclos de vida e da sustentabilidade dos negócios.

E agora, depois de tantas fórmulas e equações apresentadas ao mundo, atrevo-me a desafiar a introdução da fórmula química do sucesso da liderança na era da economia reputacional: CE2O.

  • C de caráter e estrutura que se reflete em características comportamentais individuais, sociais, emocionais e racionais de transparência e conduta ética
  • E de estratégia que se reflete no desenvolvimento económico responsável, seguro, sustentável e gerador de resultados
  • E de energia que se reflete no alinhamento, motivação, compromisso e performance dos colaboradores
  • O de organização que se reflete na excelência de gestão e na visão clara sobre o presente e o futuro

A aplicabilidade desta fórmula química contribui seguramente para a dinamização dos líderes e consequentemente das suas organizações no que respeita a comportamentos dos seus stakeholders: admiração, relevância, confiança, preferência, compra, lealdade, compromisso e defesa perante adversidades.

Líderes fortes tendem a potenciar a reputação e os resultados das organizações numa perspetiva de médio e longo prazo.

Em Portugal, precisamos estar atentos à urgência de aplicar esta fórmula química, pois tendo por base o trabalho científico conduzido ao longo dos últimos três anos pela OnStrategy, a maior conclusão reside no facto de se verificar que ao consolidar as dimensões e atributos emocionais e racionais da reputação das organizações e dos seus líderes, e fora do âmbito das organizações familiares, entre as 200 marcas com melhor reputação e 100 marcas com maior valor financeiro associado à reputação, apenas 7 líderes têm maior reputação que a marca institucional da organização em que trabalham.

Partner e CEO da OnStrategy

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)