Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Enquanto professor, seria muito cómodo para mim aproveitar este artigo para massacrar o Ministério da Educação e respetivo Governo, pela gestão desastrosa da recuperação do tempo de serviço docente. Independentemente do que foi feito e falta fazer, o Ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues será para sempre lembrado como um inapto para o cargo, distante, incapaz de se impor no Governo de António Costa. A frase “defenderei radicalmente os professores”, sabemos agora, não passou de bluff de um infeliz soundbyte.

Os professores estão de luto, existe um sentimento de esgotamento emocional sem paralelo na recente história educativa. A indignação levou à resignação, fruto de uma luta contínua de mais de uma década. A saturação é total. Sindicatos e Ministério da Educação precisam de estabelecer pontes que iniciem um processo de recuperação da sua imagem, mas principalmente da alma de se ser professor. Estamos num momento decisivo e brevemente a falta de professores será algo regular e uma consequência direta de políticas educativas que de forma contínua desvalorizaram a docência.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.