Rádio Observador

Política

Eleições à vista

Autor
  • José Couceiro da Costa
327

Hoje, com a velocidade da informação, o que releva são as causas, tão voláteis como as opiniões da sociedade civil. O modus operandi da política do séc. XX está morto. A ordem natural está invertida.

O período eleitoral está próximo. Os partidos entre as estratégias, as jogadas, os corredores, os financiamentos e até, quem sabe, algumas propostas, cerram as suas fileiras.

Sim, os partidos. Esses cancros da sociedade como tão vulgarmente lhes é apelidado. Sim os partidos, aqueles garantes da democracia que, dia após dia, nos fazem a nós, cidadão comum, afastar dela. A vexatia quaestio é o por quê desta automutilação.

Na verdade, todos os partidos, fora os radicalismos inerentes a uns deles, consentem o sistema da democracia como “o pior dos regimes políticos, mas não há nenhum melhor que ela”. A ideia subjacente a este paradoxo encontra-se alicerçado na representatividade. Ainda assim, como podemos verificar hodiernamente, não existe representação política fiel. Assim, as democracias, com especial enfoque na portuguesa, entraram em crise de indiferença.

O pressuposto da representatividade é fundamental num sistema multipartidário (negocial) parlamentar, como é o nosso. No entanto, nós, o cidadão comum, encontra uma tremenda dificuldade em conseguir traduzir os seus votos nos seus desejos.

Logo à vista saltam dois factores: a territorialidade e o discurso. A questão territorial é essencial na medida em que pequenos grupos de pessoas elegem um dos seus para os representar. A expressão máxima parlamentar assenta no facto de ser a vox populi desses pequenos grupos de eleitores. Assim, tanto o interesse como a responsabilização directa política iria aumentar. A representatividade iria-se tornar mais fiel, cumprindo o fim que justifica a necessidade de uma democracia.

Também a questão discursiva assume enorme importância. O modus operandi da política do séc. XX está morto. Imprimir uma ideia de sociedade — que resolva todas as questões e tensões sociais — é a razão de ser da política. Porém, ninguém compra um pacote sem antes ter provado as bolachas. As bolachas são as “causas” e estas, apesar de não aparentarem o peso ideológico, carregam em si pontos de partida para agendas claramente definidas.

Noutros tempos os partidos tinham bandeiras. Posições políticas estáticas sobre um período temporal. No entanto, com a velocidade da informação, com o crescimento do interesse sobre o pormenor, o que releva são as causas. Estas não são passíveis de serem cristalizadas no tempo. Elas assumem enorme volatilidade, tendo uma capacidade mobilizadora e transformadora de muito maior amplitude. As causas são tão voláteis como as opiniões da sociedade civil, são o espelho de um crescimento de uma nova sociedade política. A ordem natural está invertida. Ou existe adaptação ou o convencionalismo tem a morte como destino.

Assim, as legislativas estão à vista e os partidos políticos tem de assumir estes seus flagelos. Ainda é possível acreditar que estas organizações, quando orientadas para o bem comum, são o mais fiel garante de uma democracia representativa. No entanto, é absolutamente essencial que interiorizem que as debilidades do sistema não podem ser as desculpas dos partidos. Infelizmente de tudo farão de tudo para evitar as culpas.

Estudante universitário

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)