Durante muito tempo os filósofos que se interessavam por política imaginavam situações, por exemplo um jantar ou uma aula de ginástica, em que duas ou mais pessoas nas mesmas circunstâncias desenhavam de raiz uma sociedade. A maior parte das pessoas deixa de participar nesses rituais prospectivos depois dos dezoito anos; chegam por si à conclusão de que impulsos políticos tão drásticos são logisticamente extenuantes. Implicam muita gente, a construção de edifícios, a substituição de regras, a mudança de nomes, e a alteração das horas das refeições. São também ineficazes. A prospecção parece ser útil apenas no curto prazo: todos concordaremos que é bom ir às compras com uma lista; mas em matéria de política o curto prazo não excede alguns anos. Os objectivos de longo prazo são no essencial esforços de curto prazo para tentar distender prazos curtos.

Ao olhar prospectivo será talvez de preferir o olhar retrospectivo. Os historiadores são especialistas em olhares retrospectivos; mas acertadamente manifestam reticência quando se lhes pergunta a opinião sobre modos de pôr a render tanto conhecimento sobre o passado, e assim de transformar a retrospecção em prospecção. Pelo menos aos bons não passa pela cabeça que o passado que estudam possa servir de princípio positivo para o futuro dos outros. Aprende-se com a história apenas no sentido em que se aprende com romances; quem os imagina úteis ao negócio da profecia é com razão considerado maluco. A história será boa para muitas coisas; mas não para gerar uma filosofia política.

Historiografia e romances são maneiras e ocasiões de descrever outras coisas, adereços úteis às nossas tentativas de compreensão de situações que nos parecem pouco familiares. As simetrias, os paralelos e as farsas que se descobrem não são de confiança e têm, no mais, escasso valor cognitivo. Isto não quer dizer que não possa haver critérios para examinar a confusão em que se organizam as comunidades políticas, imperturbadas pelos planos prospectivos de ordenamento propostos pelos melhores de entre nós; e que não possamos descrever com segurança a decência ou a indecência comparativa dos nossos antepassados ou dos nossos contemporâneos; mas são critérios de outro tipo: não são bem filosóficos ou políticos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.