Rádio Observador

Bloco de Esquerda

O bloquismo, doença infantil da geringonça

Autor
1.297

O PS acusou o PSD e o CDS de se terem rendido ao “radicalismo neo-liberal” da troika. Agora deixa o PSD e o CDS acusarem-no de estar submetido ao "radicalismo neo-comunista" do BE e do PCP.

Os bloquistas, segundo as crónicas, tiveram de correr atrás do PCP e de António Costa na fundação da geringonça. Desde então, insistem em ir à frente. Aparecem em todo o lado, opinam sobre tudo, reivindicam todas as ideias, sempre com aquela dicção martelada que Francisco Louçã lhes deixou em herança. Onde Costa e o PCP dizem mata, têm eles de dizer esfola. Viu-se no caso da penalização fiscal da propriedade e da poupança. Os outros falaram de um mínimo de 1 milhão de euros, eles desceram logo aos 500 mil. Os outros quiseram atacar o “luxo”, eles preparam-se logo para castigar a simples “acumulação” de dinheiro. O bloquismo é a doença infantil da geringonça. Agitam-se, logo existem.

Para o Bloco, claro, tudo tem razão de ser. No seu mundo, não fazem sentido indivíduos e famílias com meios para uma vida independente e com opções, como é o ideal da classe média. O Bloco não defende o Estado social, mas a sociedade estatizada. Não concebe os impostos como um contributo para a fazenda pública, mas como uma via para transferir o rendimento e o património dos cidadãos para o Estado. Mas — e o PS? Segundo os bloquistas, o PS de Costa pensa o mesmo, mas tem “vergonha” de o dizer. É assim? Antigamente, o que distinguia o PS do Bloco não era o grau de desfaçatez, mas o facto de o PS ter outros valores, como os da democracia pluralista e da economia social de mercado. As coisas mudaram?

De facto, estamos perante uma relação dramática. Entre o PS e o PCP pressupõe-se que haja fronteiras estáveis. As organizações parecem incompatíveis, e os eleitorados mais ou menos estanques. Mas o Bloco, embora dirigido por partidos que outrora tentaram replicar o PCP, é suposto disputar votos ao PS. Daí a ideia, muito espalhada, de que um acabará por matar o outro: ou o PS de Costa dilui o Bloco nas responsabilidades da governação, ou o Bloco suja o PS no radicalismo “anti-sistema”. O Bloco parece jogar de acordo com essa teoria, ao forçar as fronteiras da governação no sentido de precipitar confrontos constantes com o “capitalismo” e a integração europeia. Não afirma apenas uma identidade, mas testa o PS: se Costa repudia os excessos bloquistas, prova a sua “traição burguesa”; se os tolera, demonstra que o Bloco já dirige ideologicamente o PS.

A guerra no Iraque em 2003 e a crise financeira de 2008 deram por toda a Europa um último fôlego ao tipo de trotskistas, maoístas e radicais que em Portugal montaram o Bloco. Alguns aproveitaram para entrar em força nos partidos da esquerda democrática, e tomá-los de assalto por dentro, como no caso do Partido Trabalhista britânico com Jeremy Corbyn. Outros montaram frentes eleitorais para substituir os sociais-democratas, como o Podemos tenta em Espanha e o Syriza conseguiu na Grécia. Em Portugal, o Bloco experimenta outra abordagem: aproveitando a dependência de Costa do seu apoio parlamentar, cola-se ao PS e impõe-lhe a agenda bloquista.

Mas se para o Bloco tudo faz sentido, que sentido faz tudo isto para António Costa? O PS acusou o PSD e o CDS de se terem rendido ao “radicalismo neo-liberal” da troika. Agora parece prestes a deixar o PSD e o CDS acusarem-no, por sua vez, de estar submetido ao “radicalismo neo-comunista” do BE e do PCP. O PSD e o CDS tentaram preservar a sua reputação “social” protegendo, em geral, salários e pensões baixas. Julga o PS que lhe bastará a meta do défice orçamental para provar a responsabilidade “europeísta” que o separa do extremismo? De facto, muito depende agora do PSD e do CDS: que farão eles com uma classe média que começa a descobrir que a geringonça pode não ser afinal inofensiva para as suas poupanças, patrimónios e aspirações?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
452

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)