Rádio Observador

Ciência

O sucesso e o acaso

Autor
146

O que determina o sucesso? Os genes? O treino? Ou apenas o acaso? Seja como for, a divulgação do saber é sempre um investimento com retorno.

O que determina o sucesso? Os genes? O treino? Ou apenas o acaso? Falemos do talento musical, onde pode haver uma influência directa do progenitor, seja via genes ou via treino. No caso dos músicos Tim e Jeff Buckley, é sabido que pai e filho apenas se cruzaram uma vez na vida, portanto aqui talvez digamos “genes”. Mas o que dizer de Ravi Shankar e das suas duas filhas, que também são músicas? Para Norah Jones, que não foi criada pelo pai… o veredicto poderá ser “genes”. Para Anoushka Shankar, “treino” e… “genes”, também. E o acaso, certamente.

Neste respeito é curioso falar de Mark Oliver Everett, músico dos Eels, cujo pai Hugh Everett foi um físico distinto. Aparentemente não há aqui uma ligação musical aos pais, embora um cientista músico não seja novidade (veja-se o astrofísico Brian May, que adiou, é certo, por uns anos a defesa da sua tese de doutoramento, por causa da sua carreira estelar nos Queen). Ou seja: os genes podem influenciar, mas não são o factor decisivo. O acaso inerente à vida pesa muito e aqui podemos falar do trabalho de Hugh Everett. Ele propôs a chamada Interpretação dos Muitos Mundos em que a cada instante a realidade se desdobra em muitas possibilidades, que prosseguem cada uma no seu próprio universo, que por sua vez se desdobra, etc. Se assim for, todas as potencialidades da nossa vida vão acontecer algures no multiverso e portanto tudo o que podemos é aspirar a ter a sorte de viver no universo certo. Não pretendendo arriscar, prefiro a alternativa, que é lidar de frente com a aleatoriedade da vida, tentando maximizar as hipóteses de sucesso.

Como conseguir isso? Pela educação formal e pela difusão geral do conhecimento. Do ponto de vista societal, a divulgação do saber é um investimento com retorno. O valor dos incontáveis acidentes que são evitados pelas pessoas que sabem o que estão a fazer é incalculável. E imagine-se de forma simples o seguinte cenário: um jovem vê um episódio da rubrica A Última Fronteira da RTP, ou do Isto é Matemática da SIC (a propósito, para quando o seu regresso? E por que não um Isto é Física, ou Engenharia?), ou visita um Centro Ciência Viva e fica impressionado com o que vê. Anos depois, cria uma empresa de base tecnológica, que contribui mais para o PIB do que o orçamento plurianual daquele Centro, que assim se terá pago a si mesmo.

Ou seja, mesmo contando com alguma aleatoriedade inerente às acções de divulgação do saber, desde logo no que toca à cobertura da população-alvo, tais iniciativas têm um amplo potencial de retorno, podendo gerar inúmeras coincidências felizes. Quando falamos de sucesso, sabemos bem que a sorte dá muito trabalho.

Augusto Moita de Deus é professor do Instituto Superior Técnico

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)