Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nas tocantes e muito merecidas homenagens a Roger Scruton, tem sido muito apropriadamente sublinhado o desafio intelectual que ele corajosamente manteve contra a(s) esquerda(s) politicamente correcta(s). Receio, no entanto, que esse fundamental desafio intelectual de Scruton contra a(s) esquerda(s) tenha permitido esquecer o desafio intelectual que ele também lançou contra a(s) direita(s).

Este desafio contra a(s) direitas(s) pode ser resumido numa pergunta muito simples que ele refere em várias das suas obras: por que motivo o termo “conservador” só é utilizado com orgulho nos países de língua inglesa e, por contraste, é cuidadosamente evitado na Europa continental?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.