Rádio Observador

Ambiente

Só a esquerda é que é amiga do ambiente?

Autor

Voltar atrás na História europeia demonstra que os regimes de esquerda não tiveram especial preocupação pelo meio ambiente. E em Portugal, quem fez mais pelo ambiente?

A recente capa da revista Time em que António Guterres aparece com água por cima dos joelhos em Tuvalu, um dos países mais ameaçados pela subida dos oceanos, é um alerta tremendo sobre o estado a que o nosso planeta chegou e os limites que foram (irreversivelmente?) ultrapassados, fazendo antever que o ponto de “não retorno” está a chegar (foi atingido?).

Com efeito, se em todo o século XX a temperatura média registou um acréscimo de 0,76ºC, a previsão é que num futuro próximo a temperatura suba entre 1,1 a 6,4ºC, dependendo das medidas mitigadoras que sejam desenvolvidas, o que poderá conduzir a fenómenos extremos, cada vez mais evidentes, desencadeando danos irreversíveis nos diversos ecossistemas.

Neste contexto, alguns partidos políticos têm manifestado publicamente as suas preocupações sobre o futuro do planeta.

Exemplo disso é o recente cartaz do Bloco de Esquerda – “Não temos um Planeta B” – que serviu de mote a uma questão provocatória colocada pelo meu filho Tomás: é preciso ser de esquerda para defender o ambiente?

Esta pergunta, que deveria ter uma resposta óbvia, reflete um sentimento, que progressivamente se tem entranhado na sociedade portuguesa, de acordo com o qual a defesa do ambiente está intimamente associada aos partidos de esquerda e que a direita (ou o centro-direita), por princípio, não se interessam, ou têm desprezo por essas matérias.

Mas o que é que a História nos diz sobre isto?

O artigo “Environmental disaster in eastern Europe”, publicado no ano 2000 pelo Le Monde Diplomatique, é lapidar quando refere que “ao optar pelo desenvolvimento económico através de uma industrialização acelerada e uma agricultura intensiva, a União Soviética e os países da Europa Oriental mostraram pouco interesse pelo meio ambiente. A bacia do mar Aral foi transformada numa enorme plantação de algodão, enquanto atividades nucleares concentraram-se no mar de Barents, apesar da fragilidade dos ecossistemas locais”.

Na realidade, a defesa do ambiente nunca foi aspeto doutrinário dos países da “cortina de ferro”, cujos políticos e cientistas aderiram de forma efusiva ao princípio da biosfera “auto-purificavel”, com as consequências que o Le Monde Diplomatique bem ilustra.

E em Portugal, a defesa do ambiente é património da esquerda?

Percorrendo os programas eleitorais para as eleições de 1979 encontramos alguns elementos que nos poderão ajudar a dar uma resposta: “Os recursos naturais são limitados […] se não se fizerem economias, se continuarmos como até agora, poremos em risco as gerações futuras. E não é forçoso que a política de desenvolvimento assente no esgotamento dos recursos naturais”. Esta frase não pode estar mais atual e foi retirada do programa eleitoral da Aliança Democrática.

Cerca de oito anos depois, e onze anos depois do reconhecimento constitucional dos direitos do ambiente, é aprovada a primeira Lei de Bases do Ambiente (Lei n.º 11/87, de 7 de abril), resultado do Projeto de Lei n.º 12/IV que tinha um autor: o PSD.

Em face do anterior, facilmente se conclui que a esquerda nem sempre teve preocupações ambientais e que o centro-direita, que maioritariamente não se revê nas políticas “anti-ambiente” de Donald Trump, tem um extenso e importante legado em matérias de defesa do qual não se pode envergonhar.

Na realidade, a defesa do ambiente é – tem de ser – um desígnio nacional, aliás, multinacional e os partidos de centro-direita têm de ter a coragem e a inteligência de o assumir.

Professor universitário

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)