Universidades

Uma nova Nova SBE para um futuro de disrupção

Autor
594

O desafio para as escolas de economia e gestão é fazer a ponte entre a criatividade, rigor e disciplina com tecnologia, flexibilidade para desaprender, sentido de propósito e resiliência.

Há 40 anos, a Nova School of Business & Economics nasceu da determinação de espíritos vanguardistas, num momento de disrupção em Portugal. Enquanto o país enfrentava uma era pós-revolucionária, os nossos fundadores (liderados por Alfredo de Sousa) compreenderam que o futuro estava entre as economias liberais e modelaram a nossa escola a partir das melhores universidades dos EUA. E, já na altura, escolheram não só o nosso progresso, mas também impactar o nosso país. Nas páginas do jornal Semanário, professores da Nova SBE defenderam as virtudes da liberdade económica e do mercado, apoiando Portugal para se tornar um país mais aberto, mais desenvolvido e mais moderno.

Não é por acaso que fomos, no nosso país, os primeiros a criar um MBA, a lecionar em inglês, a obter acreditações internacionais, a adotar Bolonha de forma radical, a financiar um campus com apoio privado e tantas outras iniciativas pioneiras que desenvolvemos. Nascemos na disrupção. Nascemos para criar disrupção.

Fizemo-lo nunca esquecendo o rigor académico, a busca pela excelência, a disciplina e o trabalho. Fizemo-lo quando não era politicamente correto e fomos muitas vezes criticados, mas o desejo de olhar para o futuro e para o mundo, a responsabilidade de arriscar e liderar, permaneceram sempre connosco.

Assim conseguimos reputação, visibilidade internacional e que os nossos alunos fossem bem sucedidos. Eles que, apesar dos desafios, confiaram sempre neste nosso compromisso com o futuro.

Agora que começamos uma nova era, com um novo campus e uma estratégia ambiciosa de crescimento e internacionalização, enfrentaremos um ambiente cada vez mais desafiante. Durante o próximo decénio, o poder disruptivo da revolução digital e da globalização será não só fonte de uma incrível oportunidade e esperança para a humanidade, mas também de um importante desafio à coesão das nossas sociedades. Entretanto, os desafios para a sustentabilidade do nosso planeta e a luta contra a pobreza no mundo continuarão a exigir soluções inovadoras e eficazes.

As competências do futuro irão mudar drasticamente. Primeiro, as fronteiras entre a gestão e a economia, a tecnologia e as relações internacionais, tenderão a desaparecer. Todos os problemas passarão a ser considerados num contexto tecnológico e internacional. Segundo, dada a velocidade da tecnologia, a probabilidade destas competências serem substituídas por máquinas será crescente. Como diz Jack Ma, “ensinar a competir com máquinas é uma batalha perdida”. A capacidade de julgar, arriscar, liderar, cuidar e motivar serão as mais difíceis de substituir por algoritmos. A aptidão para desaprender e a flexibilidade para aprender de novo serão críticas para continuarmos relevantes. Terceiro, na volatilidade e na incerteza, um sentido de propósito e motivação pessoal (e a resiliência associada) serão cada vez mais fundamentais.

Neste contexto, as universidades devem assumir o seu papel enquanto plataformas de (novas) ideias que se traduzam em soluções criativas e responsáveis para os desafios das sociedades. A investigação que fazemos terá de se voltar para o futuro, para o impacto na humanidade que queremos ser.

O desafio para as escolas de economia e gestão é fazer a ponte entre a criatividade, rigor e disciplina com tecnologia, flexibilidade para desaprender, sentido de propósito e resiliência. Só assim conseguiremos desenvolver líderes conscienciosos e responsáveis, capazes de criar soluções para os desafios das empresas, das sociedades e do nosso planeta. Desafiar e capacitar os jovens para assumirem esta liderança nesta redefinição do nosso mundo determinará não apenas as probabilidades de sucesso pessoal e profissional, mas também a sobrevivência das sociedades liberais e progressistas  no século XXI.

Na Nova School of Business & Economics, crescer e internacionalizar-se numa época tão desafiante exige uma fidelidade inequívoca aos valores que nos serviram ao longo da nossa história de disrupção. Rigor, disciplina, excelência e trabalho fazem parte do ADN que nos define e são valores que não podem ser comprometidos. Porém, temos também de tirar partido deste desafio para nos posicionarmos, cada vez mais, entre os melhores, estando outra vez à frente do nosso tempo.

A nossa nova marca tem como objetivo reforçar a nossa ambição de abraçar a disrupção, a tecnologia e a globalização para ajudar a enfrentar os desafios do mundo, de ajustar o nosso ensino para colocar os nossos alunos na vanguarda do talento, de renovar o nosso compromisso com investigação de impacto e de promover o envolvimento com empresas, organizações sociais e governo em Portugal, na Europa e no mundo. Tudo isto na nossa nova casa, em Carcavelos, no estilo de vida único que Cascais, Lisboa e Portugal proporcionam. Inspirados por uma nação com história e tradição de abertura para o mundo. Desafiados por um mar que descobrimos com ousadia e coragem. E apoiados num povo cuja resiliência e engenho mobilizaram sempre a esperança.

Nos próximos anos, e à medida que a atenção muda da construção do nosso campus para a transformação da nossa escola, irão ser desenvolvidas uma série de iniciativas com três objetivos principais: 1) desenvolver as competências do futuro; 2) promover soluções convergentes que unam os vários elementos da sociedade em Portugal e no mundo; 3) ajudar a impulsionar a transformação das organizações e da sociedade.

Algumas iniciativas já estão a ser trabalhadas e os nossos currículos estão já a ser ajustados. Nas licenciaturas, a programação informática será introduzida no próximo ano e uma revisão mais estrutural seguir-se-á. Nos mestrados, foram introduzidas áreas como digital e data analytics e a nossa oferta de programas será ajustada no próximo ano. Na formação de executivos, a nossa oferta em digital para empresas e executivos aumentou substancialmente. Alavancaremos também o empreendedorismo como fonte-chave de competências para o futuro. O nosso compromisso para com a inovação fará com que os estudantes apoiem a transformação de empresas e organizações enquanto desenvolvem novas competências. O esforço para uma economia convergente, que promove a inclusão e melhora a vida das pessoas, já gerou o Inclusive Community Forum e inúmeras ações académicas e extracurriculares de impacto e inovação social. E muitas outras iniciativas estão a ser postas em prática ou planeadas.

Como Dean, professor e antigo aluno, incumbe-me a missão de ajudar a construir este horizonte de esperança para a nossa comunidade (alunos, professores, colaboradores, antigos alunos e parceiros) e para a sociedade. Assumo-a perante os que ensinaram e inspiraram a minha geração, os alunos que há anos confiam na nossa visão e as empresas e indivíduos que nos apoiam. E, acima de tudo, assumo-a como parte da minha responsabilidade pessoal para com o futuro, porque “with great power comes great responsibility”.

Dean da Nova School of Business & Economics

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Propinas: para que te quero? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Segundo a OCDE um licenciado ganha, em média, 69% acima de um diplomado do ensino secundário e fica menos tempo desempregado. Será justo que os impostos de pobres e ricos paguem o custo das propinas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)