Logo Observador
Orçamento do Estado

Moody’s diz que Costa está “otimista” e pode “regressar a antigos desequilíbrios”

766

A agência de rating disse ao Diário Económico que a proposta do Governo para o Orçamento de 2016 pode levar a défices da balança corrente e a uma perda de competitividade internacional.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Diário Económico avança que a agência de rating Moody’s considera que “projeções de crescimento subjacentes ao Orçamento [do Estado para 2016] são otimistas, estando acima de 2%”. A analista responsável por seguir a economia portuguesa, Kathrin Muehlbronner, adianta que Portugal “deverá atingir uma taxa de crescimento mais próxima de 1,6% ou 1,7%”.

A opinião da Moody’s vai ao encontro das projeções da Comissão Europeia, que apontam para uma taxa de crescimento na ordem dos 1,7%, ao contrário dos 2,1% estimados pelo Governo. “Acreditamos que reduzir o défice orçamental para 2,6% do PIB vai revelar-se um desafio”, avançou Muehlbronner ao Diário Económico.

A analista está preocupada que António Costa repita erros do passado. “Uma estratégia focada no consumo privado e no aumento dos salários acima do crescimento da produtividade poderá resultar no regresso aos antigos desequilíbrios da economia portuguesa, com défices da balança corrente e uma perda de competitividade internacional”, defende a especialista da agência de rating.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Economia

A vida para além do défice

Helena Garrido
198

Mário Centeno é o único ministro que pode ir de férias convencido que cumpriu a sua missão. O terrível mês de Julho impediu o Governo de festejar a vitória na economia mas fez história.

Orçamento do Estado

Cativações: pecado e redenção

Joana Vicente

O recurso sistemático às cativações tem funcionado como uma ferramenta de não-gestão orçamental. O atual Governo, a bem dos objetivos orçamentais, tem sido o maior pecador cativador. 

Governo

A política do caminho caminhando

Helena Garrido
724

As políticas públicas têm hoje a marca do caso a caso, sem estratégia, só com táctica. A forma como se reduziu o défice é um bom exemplo. Irónico até, por parecer confirmar a austeridade expansionista

Orçamento do Estado

A vida para além do défice é o SIRESP

Luís Aguiar-Conraria
839

Nas PPP à portuguesa, o Estado, em vez de levar para a mesa das negociações a sua capacidade de financiamento a baixo custo, leva a sua incapacidade, ficando refém do financiamento do parceiro privado

Maioria de Esquerda

Jogo da Glória: regras e regulamentos

Alberto Gonçalves
189

Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia”. Recue uma casa