Logo Observador
Governo

João Soares promete bofetadas a Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente

9.054

O ministro da Cultura prometeu na sua página de Facebook procurar o crítico Augusto M. Seabra para lhe dar "prometidas bofetadas". Vasco Pulido Valente também é visado.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Catarina Falcão
Mais sobre

O ministro da Cultura, João Soares, prometeu duas bofetadas a Augusto M. Seabra, crítico, depois de este ter escrito na sua coluna de opinião que o ministro não tinha qualificações para o lugar. Soares espera ter a “sorte” de se cruzar com o crítico, afirmando mesmo que o vai procurar para lhe aplicar duas bofetadas.

Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cuzei com a...

Publicado por João Soares em Quarta-feira, 6 de Abril de 2016

Também Vasco Pulido Valente, historiador e colunista, é visado nesta ameaça, embora João Soares não esclareça diretamente a ofensa de Pulido Valente. No entanto, este cronista tinha escrito no início de março que não tinha “qualquer respeito nem como homem, nem como político” por João Soares.

Já no texto de Augusto M. Seabra, crítico, publicado na quarta-feira este afirma que “o tão badalado ‘tempo novo’ é na cultura apenas o “tempo velho” dos hábitos socialistas” e que João Soares é um “derrotado nato”.

Que um governante se rodeie de pessoas de confiança é óbvio. Mas no caso do gabinete de Soares trata-se de uma confraria de socialistas e maçons. Depois começou a distribuir elogios: foi à ante-estreia de Um Amor Impossível pela sua “grande admiração pela obra notável de António-Pedro Vasconcelos”; destacou “o trabalho notável de Paulo Branco” quando foi à rodagem do filme de Fanny Ardant; foi às Correntes de Escrita porque “a Maria do Rosário Pedreira e o Manuel Alberto Valente” lhe recomendaram. A isto se chama amiguismo, o gesto mais clamoroso sendo a nomeação de um velho apparatchik, Elísio Summavielle, para o CCB, em lugar de António Lamas, que por muitas razões que houvesse para ser substituído o foi de modo grosseiro”, lê-se na mais recente crónica de Seabra.

O conflito entre o ministro e o crítico já dura há alguns anos e João Soares escreve na sua página do Facebook que já em 1999 queria dar “um par de bofetadas” no crítico que teria “bolsado […] umas aleivosias e calúnias” sobre o agora ministro. O socialista conclui o seu texto afirmando que terá de procurar Augusto M. Seabra – e Vasco Pulido Valente – para “as salutares bofetadas”. “Só lhes podem fazer bem. E a mim também”, conclui João Soares. O ministro já disse à TSF que só comentará esta situação mais tarde.

Manuel Falcão, ex-jornalista e gestor cultural, comentou a publicação de João Soares dizendo que o título da prosa poderia ser “sobre a maneira como um Ministro vê a resolução das contradições na sua política cultural”. “E se depois disto me quiserem vir dar um par de bofetadas, pois que tentem, quando me virem”, afirmou o antigo jornalista.

Esta não é a primeira vez que o ministro da Cultura se tinha manifestado na sua página contra os críticos do seu mandato. Na sequência da demissão de António Lamas, Soares já tinha garantido que não era possível intimidá-lo. “Se pensam que me intimidam desenganem-se”, escreveu o socialista em resposta à coluna de opinião de José Manuel Fernandes no Observador.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas