Logo Observador
Carta de condução

Já não é preciso alterar a carta de condução quando se muda de morada

867

Os condutores vão deixar, já a partir de janeiro, de alterar a carta de condução quando mudam de morada, passando a contar a que está registada no cartão do cidadão.

MICHAEL M. MATIAS / OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

Os condutores vão deixar, já a partir de janeiro, de alterar a carta de condução quando mudam de morada, passando a contar a que está registada no cartão do cidadão, foi esta quinta-feira anunciado. Esta é uma das medidas de alteração à emissão de títulos de condução, projeto intitulado pelo Governo de “carta sobre rodas” e integrado no programa Simplex, apresentadas no Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

Segundo o IMT, a informação relativa à morada do condutor é retirada da face da carta de condução, passando a constar apenas na base de dados do IMT, sendo aquela que consta do cartão do cidadão.

Outra das novidades, também a partir de 2 de janeiro, passa pela renovação ou substituição da carta de condução através da internet, permitindo ao condutor um desconto de 10 por cento se realizar este procedimento online e não se deslocar a um balcão do IMT.

A renovação ou substituição do título de condução tem um custo de 30 euros. O prazo de validade das cartas de condução vai também aumentar de dez para 15 anos, no caso dos condutores até aos 60 anos, mantendo-se inalterados os prazos para as restantes situações.

Outra das medidas, mas que só vai entrar em vigor em abril, relaciona-se com os atestados médicos, que vão passar a ser transmitidos eletronicamente pelo Ministério da Saúde ao IMT, permitindo o registo automático da avaliação medica efetuada ao condutor, com eventual registo das restrições. O atestado médico passa a ser apenas necessário para a revalidação dos 60 anos e posteriores.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.