Logo Observador
Skoda

Skoda escolhe Portugal. 10 mil pessoas em formação

153

A Skoda elegeu a região do Algarve para melhor dar as conhecer aos seus vendedores o seu primeiro SUV. Até 10 de Março, 10 mil pessoas receberão entre nós a sua formação no novo Kodiaq.

A gigantesca acção de formação decorre ao longo de sete semanas, e volta a colocar Portugal como o palco preferido da Skoda para desenvolver iniciativas com grande projecção internacional

Autor
  • António Sousa Pereira

O início de comercialização em Portugal do novo Kodiaq está marcado apenas para Abril. Mas desde final de Janeiro, e até meados de Março, quase três centenas de exemplares do primeiro SUV da Skoda circulam já na região algarvia, num evento que tem por sede Albufeira e é uma das maiores acções internacionais alguma vez realizadas pela casa de Mladá Boleslav.

Central Product Training de seu nome, a iniciativa tem por missão permitir às equipas de vendas de toda a rede comercial da marca checa conhecerem melhor o modelo, assim como os seus principais rivais, contando com 10 mil participantes, entre vendedores e formadores, oriundos de 36 países, na sua maioria europeus.

O programa visa que os participantes não só efectuem testes de condução do Kodiaq e dos seus concorrentes, como promover uma experiência de marca em torno dos seus valores, em contacto directo com a fábrica.

Durante este período, nas estradas em torno do Salgados Resort Albufeira, sede operacional do evento, circularão 269 exemplares do Kodiaq, e 56 viaturas concorrentes. Os turnos são de 24 horas para cada grupo de participantes, versando ainda temas como os novos atributos da marca Skoda, como sejam a conectividade e a digitalização.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

A enorme minoria

Bernardo Sacadura

É difícil continuar a sustentar que é apenas uma minoria islâmica irrelevante a que defende os atentados terroristas. A atuação destas células também não seria possível se não tivessem cúmplices.