Holanda

Rutte quer formar coligação “estável” com quatro partidos para governar Holanda

O primeiro-ministro holandês cessante, cujo partido foi o mais votado nas eleições legislativas de 15 de março, afirmou esta segunda-feira que vai tentar formar uma coligação governamental "estável".

Mark Rutte disse aos jornalistas que vai cumprir a promessa eleitoral de não pedir apoio a Geert Wilders.

JERRY LAMPEN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro holandês cessante, o liberal Mark Rutte, cujo partido foi o mais votado nas eleições legislativas de 15 de março, afirmou esta segunda-feira que vai tentar formar uma coligação governamental “estável” com quatro partidos.

O Partido Popular para a Liberdade e a Democracia (VVD, centro-direita) de Rutte foi o mais votado nas eleições legislativas da passada quarta-feira, ao conseguir 33 assentos parlamentares, enquanto o Partido para a Liberdade (PVV) do candidato da extrema-direita Geert Wilders ficou na segunda posição, com 20 deputados. Estes resultados obrigam a um complexo processo negocial, cujo objetivo é reunir uma maioria de 76 dos 150 lugares que compõem a câmara baixa do parlamento holandês.

Após um encontro com a ministra da Saúde cessante Edith Schippers, que foi designada para iniciar as negociações para a formação do novo governo holandês, Mark Rutte disse esta segunda-feira aos jornalistas que vai cumprir a promessa eleitoral de não pedir apoio a Geert Wilders.

Segundo informou o portal Dutch News, Rutte indicou que a opção mais viável será tentar formar governo com os democratas cristãos do CDA e com os liberais progressistas do D66. O quarto elemento da coligação poderá passar por outras quatro forças partidárias: os socialistas do SP, os cristãos do ChristenUnie, os ecologistas do GroenLinks ou os trabalhistas do PvdA.

“Todos estes partidos têm vantagens e desvantagens”, declarou Rutte, que assume cinco princípios base para o futuro governo holandês: redução de impostos para a classe média, aumento do investimento em serviços para a população mais idosa, reforço da despesa no sector da Defesa e Segurança, melhores condições para os trabalhadores e uma estratégia orientada para as energias renováveis.

Já Geert Wilders considerou que “não é democrático” excluir o seu partido e os seus 1,3 milhões de votantes das atuais negociações políticas. A “negociadora” Edith Schippers, figura da força política de Rutte, vai reunir-se esta segunda-feira com os 13 partidos que garantiram representação parlamentar nas recentes eleições. A representante deve então apresentar um relatório sobre estes primeiros contactos com os partidos ao parlamento, que deve debater o documento na próxima quinta-feira 23 de março.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

É tempo de um Ano Europeu do Silêncio

Timothy Garton Ash

As palavras ultrapassam sempre os atos na política, mas mais na UE do que em qualquer outro lado. Portanto, aqui vai uma proposta modesta: os nossos líderes devem declarar um Ano Europeu do Silêncio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site