Holanda

Rutte quer formar coligação “estável” com quatro partidos para governar Holanda

O primeiro-ministro holandês cessante, cujo partido foi o mais votado nas eleições legislativas de 15 de março, afirmou esta segunda-feira que vai tentar formar uma coligação governamental "estável".

Mark Rutte disse aos jornalistas que vai cumprir a promessa eleitoral de não pedir apoio a Geert Wilders.

JERRY LAMPEN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro holandês cessante, o liberal Mark Rutte, cujo partido foi o mais votado nas eleições legislativas de 15 de março, afirmou esta segunda-feira que vai tentar formar uma coligação governamental “estável” com quatro partidos.

O Partido Popular para a Liberdade e a Democracia (VVD, centro-direita) de Rutte foi o mais votado nas eleições legislativas da passada quarta-feira, ao conseguir 33 assentos parlamentares, enquanto o Partido para a Liberdade (PVV) do candidato da extrema-direita Geert Wilders ficou na segunda posição, com 20 deputados. Estes resultados obrigam a um complexo processo negocial, cujo objetivo é reunir uma maioria de 76 dos 150 lugares que compõem a câmara baixa do parlamento holandês.

Após um encontro com a ministra da Saúde cessante Edith Schippers, que foi designada para iniciar as negociações para a formação do novo governo holandês, Mark Rutte disse esta segunda-feira aos jornalistas que vai cumprir a promessa eleitoral de não pedir apoio a Geert Wilders.

Segundo informou o portal Dutch News, Rutte indicou que a opção mais viável será tentar formar governo com os democratas cristãos do CDA e com os liberais progressistas do D66. O quarto elemento da coligação poderá passar por outras quatro forças partidárias: os socialistas do SP, os cristãos do ChristenUnie, os ecologistas do GroenLinks ou os trabalhistas do PvdA.

“Todos estes partidos têm vantagens e desvantagens”, declarou Rutte, que assume cinco princípios base para o futuro governo holandês: redução de impostos para a classe média, aumento do investimento em serviços para a população mais idosa, reforço da despesa no sector da Defesa e Segurança, melhores condições para os trabalhadores e uma estratégia orientada para as energias renováveis.

Já Geert Wilders considerou que “não é democrático” excluir o seu partido e os seus 1,3 milhões de votantes das atuais negociações políticas. A “negociadora” Edith Schippers, figura da força política de Rutte, vai reunir-se esta segunda-feira com os 13 partidos que garantiram representação parlamentar nas recentes eleições. A representante deve então apresentar um relatório sobre estes primeiros contactos com os partidos ao parlamento, que deve debater o documento na próxima quinta-feira 23 de março.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site