Logo Observador
Honda

Honda Civic. Quem quer diesel vai ter de esperar (mais ou menos)

Acaba de chegar a Portugal o novo Honda Civic. Maior, melhor, mas apenas com motores a gasolina e preços desde 23.300€. Quem quiser já um Civic a gasóleo… pode comprar o antigo! Explicamos-lhe tudo.

Autor
  • Francisco António

Numa altura em que a própria Honda se apresta a iniciar uma nova fase no seu percurso em Portugal, com a entrega das operações em solo luso a um novo importador, privado e português (apesar do nome, japonês, de Sozo), acaba de chegar também ao mercado nacional a mais recente geração daquele que continua a ser o modelo mais importante na oferta da marca nipónica – o Honda Civic. Que, prestes a dar início à sua 10.ª geração em 45 anos de existência (surgiu em 1972), promete com esta evolução mais e melhor, por preços (razoavelmente) competitivos e que começam nos 23.300€. Embora, pelo menos para já, apenas com motores a gasolina.

Apoiado num novo chassi e com formas bem distintas do antecessor, mais comprido, mais largo, mais leve e com melhor rigidez torcional, além de com uma maior habitabilidade e melhor equipamento, o novo Honda Civic inicia assim comercialização entre nós já a partir desta semana. Com a particularidade de não contar, nesta fase inicial, com qualquer motor a gasóleo. Segundo a estratégia definida pela casa-mãe e pelo novo importador, só no primeiro semestre de 2018 estará disponível o já anunciado 1.6 turbodiesel de 120 cv.

Por outro lado, e ainda mais curioso, é o facto de, enquanto a versão diesel da nova geração não chega, o importador pretender continuar a vender a motorização a gasóleo disponível até aqui, baseada na geração que agora termina, com a promessa de manutenção dos preços praticados até aqui! Isto, apesar de, no concessionário, o modelo da geração que agora termina ter, logo ali ao lado, resplandecente, a nova geração…

Assim, nesta fase inicial de lançamento da 10.ª geração, apenas motores a gasolina, com os clientes a poderem optar entre duas soluções totalmente novas: um tricilíndrico 1,0 litros turbo com 129 cv às 5.500 rpm e 200 Nm de binário disponível a partir das 2.250 rpm, e um quatro cilindros 1,5 litros turbo de 182 cv às 5.500 rpm e 240 Nm entre as 1.900 e 5.500 rpm. Ambos associados de série a uma caixa manual de seis velocidades.

Ao mesmo tempo e num modelo que regista um importante incremento de equipamento, a começar pela tecnologia e a terminar na segurança, disponíveis entre nós estarão, no caso do mais pequeno tricilíndrico, quatro níveis de equipamento – Comfort, Elegance, Executive e Executive Premium -, ao passo que, para o 1.5 Turbo, existirão apenas três versões – Sport, Sport Plus e Prestige.

No caso do motor 1.0 V-TEC Turbo, a Honda propõe uma versão de entrada Comfort por 23.300€, com o Elegance a custar 25.530€, o Executive 28.830€ e o Executive Premium 29.730€.

Já no caso do 1.5 V-TEC Turbo, valores a partir de 31.710€ (Sport), com o Sport Plus a custar mais 2.000€ (33.710€), e o Prestige, também mais 2.000€ (34.710€) face à versão intermédia. Já as mesmas versões, mas com caixa automática CVT, acrescem aos preços atrás indicados 1.300€.

Na compra de um Civic novo (tabela de preços completa aqui), como campanha de lançamento (sem data ou número de unidades divulgados), o novo importador propõe não só valorizar em mais 1.500€ qualquer retoma, como também fazer um desconto de 1.250€ em caso de financiamento com a empresa de crédito definida pela Honda. Ou seja, um total de 2.750€ de abatimento no preço final do carro. Se tal será suficiente para convencer os indecisos, só os próximos meses o dirão.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minorias

Todos contra todos

Alexandre Homem Cristo

Não perceber que a fragmentação social está a ser alimentada pela direita e pela esquerda, através de políticas de identidade, é não entender o problema. E, claro, para ele não poder encontrar solução