Logo Observador
Futebol

Sporting-Benfica. A rivalidade só não chega ao chinquilho porque não há

Futsal, hóquei em patins, andebol, atletismo, natação e tantas outras: em qualquer modalidade, onde há Sporting e Benfica há rivalidade. Mas também podem ser campeões mundiais juntos, como na canoagem

Depois do hóquei em patins, do andebol, do basquetebol e do voleibol, a grande rivalidade de pavilhão está hoje no futsal

MÁRIO CRUZ/LUSA

A rivalidade entre Sporting e Benfica não se cinge ao futebol, longe disso. Onde quer que exista um dérbi, há sempre qualquer coisa a mexer. E trocas de jogadores. E problemas com cedência de bilhetes. E críticas às arbitragens. E o que se lembrar mais. Que só não chega ao chinquilho, esse jogo tantas vezes falado quando se quer dizer que qualquer vitória conta quando se trata de um dérbi, porque não existe. Ou também estariam na luta.

Curiosamente, a rivalidade entre Sporting e Benfica até começou fora dos estádios e dos pavilhões: nos anos 30, como contam os sócios mais antigos de ambos os clubes, na escola não havia aquela pergunta típica “És Benfica ou Sporting?” mas sim “És Nicolau ou Trindade?”, numa alusão a dois dos maiores ciclistas de sempre como foram José Maria Nicolau, que ganhou a Volta a Portugal em 1931 e 1934 pelos encarnados, e Alfredo Trindade, que ganhou a Volta a Portugal em 1933 pelos verde e brancos (tinha ganho em 1932, mas ao serviço do Rio de Janeiro).

Futsal

É a grande rivalidade atual dos pavilhões e aquela que mais pessoas consegue atrair. Exemplo: em qualquer jogo, os pouco mais de 200 bilhetes que são cedidos aos visitantes ainda não chegaram a pousar e já estão vendidos. Mas também aqui há regras um pouco diferentes das normais: enquanto que o Benfica nunca deixa de lado a hipótese de se reforçar com jogadores do Sporting (este ano contratou a jovem promessa Miguel Ângelo e alguns juniores internacionais), os leões nunca contratam diretamente jogadores que sejam dos encarnados (aconteceu, no ano passado, a contratação do guarda-redes Marcão, mas que depois de sair da Luz passou por outros países).

Miguel Ângelo trocou Sporting por Benfica esta temporada, juntando-se aos ex-leões Bebé, Gonçalo Alves, Mário Freitas e Ré

Também aqui, as guerras entre rivais são grandes. Confusões nos jogos à parte (que costuma sempre haver e não são pequenos arrufos, como se viu nas últimas duas finais), foi travada uma batalha por causa de um novo regulamento que, já com os plantéis constituídos, limitava a cinco o número de estrangeiros na ficha de jogo. O Benfica, com o apoio dos restantes clubes, ganhou. O Sporting perdeu. Mas nem por isso perdeu a hegemonia.

Com a fase regular da Liga SportZone a terminar, os leões já garantiram o primeiro lugar no playoff, à frente das águias. E ganharam a Taça da Liga. Mas curiosamente, os encarnados ainda não perderam nenhuma partida contra o conjunto verde e branco: vitória por 3-2 na Supertaça e empates 2-2 (fora) e 1-1 (casa) na fase regular do campeonato.

Hóquei em patins

Em 2014, o Sporting recuperou o hóquei em patins para dentro do clube (era uma secção autónoma) e começou a reforçar-se para voltar aos tempos áureos dos anos 70 e 80. Assim se reacendeu a rivalidade numa modalidade que é completamente dominada pelo Benfica, atual campeão nacional e europeu e uma das melhores equipas mundiais.

Benfica perdeu a Supertaça para o Sporting no ano passado mas ganhou o Campeonato Nacional e a Liga Europeia

Na presente temporada, houve um dérbi na pré-temporada (vitória por 7-6 do Sporting em Coimbra) e outro a contar para o Campeonato (triunfo por 5-4 do Benfica na Luz), mas foi no defeso que houve maior “picardia”: depois de ter ido buscar o coordenador da modalidade ao rival (que entretanto até já saiu dos leões), conseguiu desviar alguns jovens da formação para a sua equipa, nomeadamente a promessa Gonçalo Nunes.

No passado, além de outras trocas a nível de formação (com maior incidência no trajeto Sporting-Benfica do que o contrário), houve um episódio que mexeu com as relações quando os encarnados se recusaram a dar bilhetes ao rival num jogo para o Campeonato por não terem enviado o pedido dentro dos dias estipulados nos regulamentos.

Andebol

Para Benfica e Sporting, atendendo às assistências médias na prova, esta é aquela modalidade onde existe maior discrepância entre um jogo “normal” de Campeonato e um dérbi, que arrasta muita gente pela rivalidade. Na presente temporada, já se encontraram cinco vezes, com saldo claramente positivo para os leões: ganharam por 25-22 na pré-temporada, no Torneio Internacional de Viseu; venceram por 28-25 (casa) e 30-27 (fora) na primeira fase do Campeonato; levaram a melhor na Taça de Portugal por 35-28; e empataram agora na Luz, a 29 golos, no primeiro dérbi relativo à fase final do Campeonato Nacional.

Cláudio Pedroso perdeu espaço no Benfica após a chegada de Belone Moreira, foi para o Madeira SAD e chegou este ano ao Sporting

Em contrapartida, na última temporada, foi o Benfica que conseguiu levar a melhor, chegando à final após eliminar o FC Porto (perderia depois com o ABC) e ganhando a Taça de Portugal, em Almada, num dérbi decidido nos instantes finais do prolongamento e que teve alguns episódios de violência fora do pavilhão antes do início do jogo.

A troca de jogadores entre clubes até costumava ser habitual e tomado como algo natural, mas o Sporting começou a colocar algumas cláusulas aos jogadores que saíam e que impossibilitavam de assinar pelo rival. Os leões têm atualmente no seu plantel (com muitos estrangeiros) as ex-águias Carlos Carneiro e Cláudio Pedroso, os encarnados contam na sua equipa (com muitos jovens da formação) o antigo guardião verde e branco Hugo Figueira.

Atletismo

Foi a modalidade que gerou maior controvérsia e polémica entre Sporting e Benfica na última reabertura de mercado, com o Benfica a conseguir reforçar-se com o medalhado olímpico Rui Silva (um símbolo dos leões que estava há 20 anos no clube) e o Sporting a assegurar a contratação do campeão olímpico Nélson Évora (que era um dos principais rostos do Projeto Olímpico dos encarnados, a par de Telma Monteiro).

Nélson Évora trocou o Benfica pelo Sporting depois de já ter passado pelo FC Porto e conseguiu ganhar nos três grandes

As trocas entre rivais envolveram quase duas dezenas de atletas, com o Benfica a acusar o Sporting de roubar atletas quando as respetivas cláusulas de prolongamento tinham sido ativadas, enquanto os leões asseguravam que os atletas estavam livres de assumir um novo compromisso. Foi por isso que, no final do Campeonato Nacional de Clubes de Pista Coberta, que a equipa verde e branca venceu em femininos (como já era esperado) e masculinos (que foi uma surpresa), Ana Oliveira, responsável pela modalidade das águias, se recusou a felicitar o rival por entender que “não foi uma vitória que tivesse a ver com a justiça nem com a verdade desportiva”.

Este ano, os títulos têm sido divididos mas com o Benfica a perder a hegemonia no setor masculino: no Campeonato Nacional de Estrada, os encarnados venceram em masculinos e os verde e brancos em femininos; no Campeonato Nacional de Corta-Mato houve dupla vitória leonina; no Campeonato Nacional de Crosse Curto, o Benfica ganhou em masculinos e o Sporting em femininos; e no Campeonato Nacional de Clubes de Pista Coberta houve nova dupla vitória dos leões. O grande confronto do ano será no Campeonato Nacional de Clubes ao Ar Livre. E o Benfica já se reforçou para isso.

Natação

Se no atletismo o Sporting conseguiu desviar Nélson Évora para o Benfica, na natação foi o Benfica que tentou desviar Alexis Santos, o melhor português da atualidade e semi-finalista nos últimos Jogos Olímpicos, do Sporting, sem sucesso (naquele que seria um regresso, porque o atleta começou nos primeiros anos na Luz).

Alexis Santos teve uma grande prestação nos últimos Jogos Olímpicos e ajudou o Sporting ao sexto Campeonato consecutivo

Ainda assim, notou-se um grande salto qualitativo do Benfica na presente temporada, com as contratações de Miguel Nascimento e Rafael Gil a permitirem um excelente segundo lugar no setor masculino em ano de regresso à 1.ª Divisão, que continua a ser dominada pelos leões, campeões pelo sexto ano consecutivo. Também em femininos houve uma grande contratação: Diana Durães, antigo atleta do FC Porto que reforçou o Projeto Olímpico do clube e que, de forma indireta, “ajudou” a que o Algés conseguisse bater a formação azul e branca no Nacional.

Como é nas outras modalidades

O ténis de mesa é a modalidade onde o fosso entre Sporting e Benfica é maior, com claro domínio dos leões a nível de Campeonatos, Taças e Supertaças (ganhou este ano mais uma frente aos rivais). E o conjunto verde e branco promete continuar a adensar essa diferença, com um investimento muito superior que deverá permitir a contratação da maior figura dos encarnados para a próxima temporada (Diogo Carvalho). Também no râguebi feminino existe um foco de rivalidade a nascer, com Benfica e Sporting a contarem nas suas equipas com muitas jogadoras internacionais. A nível de resultados, as águias ganharam no ano passado, as leoas têm estado melhor este ano.

Telma Monteiro conseguiu o melhor resultado nacional nos Jogos Olímpicos de 2016: a medalha de bronze

No judo, onde apenas o Sporting investe mais enquanto equipa para ganhar o Campeonato (que conseguiu) e a Liga dos Campeões da modalidade (voltou a ficar no terceiro lugar), o maior expoente nacional pertence ao Benfica, Telma Monteiro, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, onde estiveram mais dois atletas do Benfica (Célio Dias e Nuno Saraiva) e três do Sporting (Joana Ramos, Sergiu Oleinic e Jorge Fonseca).

Nas outras modalidades de luta, enquanto o Sporting tem dos melhores atletas a nível nacional no kickboxing e no karaté, o Benfica aposta no taekwondo, tendo em vista o reforço do Projeto Olímpico com Rui Bragança. A esse nível, e em contraponto, os leões têm vindo a reforçar a secção de trampolins, colocando um atleta nos Jogos.

Não podendo haver comparações entre basquetebol, voleibol (só o Benfica tem, com triunfos na Taça de Portugal e estando na luta pelo Campeonato Nacional) e ciclismo (só o Sporting tem, regressando com o Clube de Ciclismo de Tavira no intuito de ganhar a Volta a Portugal em bicicleta que foi dominada pela W52 FC Porto), nota ainda para o triatlo (o Benfica tem os melhores atletas nacionais no plano masculino e, este ano, “recuperou” Vanessa Fernandes e contratou Melanie Santos para equilibrar forças com o Sporting no feminino), para o futebol de praia (o Sporting foi campeão nacional contra o Sp. Braga após ter afastado a Casa do Benfica de Loures) e para a canoagem, o exemplo de como nem tudo tem de andar à volta das rivalidades: Emanuel Silva (Sporting) e João Ribeiro (Benfica) já foram campeões europeus e mundiais em K2, ficando muito perto das medalhas nos Jogos.

Com a aposta de Fernando Pimenta no K1, Emanuel Silva, do Sporting, começou a fazer K2 na Seleção com João Ribeiro, do Benfica

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Terrorismo

Basta!

Gonçalo Dorotea Cevada

Que suposta superioridade moral é essa que não nos permite admitir que o problema não está na suposta falta de integração social, mas na propaganda feita por certas mesquitas localizadas na Europa?

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos