Logo Observador
Decoração

Arrume a sua cabeça como arruma o seu armário

171

Roupas amontoadas, documentos espalhados por todo o lado, a taça do casamento da avó Maria desaparecida… Sabia que a sua casa diz mais de si do que você pensa? Prepare-se! Vem aí o Dia da Arrumação

Johan Månsson

Às oito da manhã está pronto para sair de casa, mas já um pouco atrasado. No lava-loiça espreitam os pratos da noite anterior e suspira a falta de tempo para o pequeno-almoço porque os cereais estão em falta na despensa. Mesmo no minuto de fechar a porta lembra-se das chaves e a procura adensa-lhe o mau humor. No casaco não estão, em cima da mesa não ficaram. “Se ao menos tivesse um aparador na entrada”, lembra-se de passagem, batendo com a porta e esperando que mais tarde alguém esteja em casa quando tocar à campainha. Esta manhã é-lhe familiar? Se sim… não o faz sorrir, pois não? A desarrumação pode mesmo comprometer a qualidade de vida das pessoas. Mas não desespere porque, por vezes, são apenas alguns pormenores de organização que podem contribuir para melhorar o seu-dia-a-dia. O seu bem-estar vai agradecer.

O desafio passa por arrumar a sua cabeça como arruma o seu armário e… vice-versa! Ao organizar um armário estará imediatamente a criar condições para organizar a sua cabeça. Sabendo que a desarrumação pode influenciar a vida das pessoas, desde fisicamente até emocionalmente, o importante é começar a trabalhar por objetivos, usando os mesmos princípios da arrumação do seu armário, consigo:

  1. Crie o ambiente próprio para analisar a sua vida e a sua casa: sozinho e em silêncio;
  2. Analise cada assoalhada detalhadamente: divida tudo o que encontrar entre o que quer manter e o que já não precisa – o mesmo com a sua vida: o que está a fazer-lhe mal ou a fazer perder tempo?

“Uma casa arrumada é uma cabeça arrumada”, sintetiza o psicólogo Eduardo Sá, na nova campanha da IKEA, que celebra o Dia da Arrumação, a 20 de maio. Para o psicólogo “arrumar serve para nos organizarmos em relação aos outros” e sobretudo, respeitarmos o outro. “Organizar o espaço é organizar uma rede de relações. As pessoas organizadas são pessoas mais felizes”, avança, destacando, no entanto, que também não se deve cair no exagero: “Se estiver arrumada demais não é uma casa-vida”, avisa, lembrando os ambientes onde vivem crianças e que estas veem “com a ponta dos dedos”.

Eduardo Sá salienta ainda que a casa é sempre uma projeção do espaço mental de cada pessoa. “A nossa casa tem “a nossa cara”. É por isso que pessoas muito desarrumadas por dentro têm casas que parecem viver num permanente tornado. Enquanto outras são tão meticulosas em tudo o que faz parte da casa, que mais parece que não a habitam”, refere. Para o psicólogo a casa funciona, também, como uma reserva natural da própria família: “De todas as histórias de toda a família. Daí a ideia: minha casinha, meu mundo ou, numa versão mais amiga dos Xutos e Pontapés, a minha alegre casinha”, realça.

Ao arrumar ganha tempo

São muitas as teorias que associam a organização e a arrumação a uma vida mais equilibrada e até saudável. A filosofia “livre-se de tudo o que não o faz feliz” enquadra-se perfeitamente neste paradigma e é defendida, por exemplo, pela japonesa Marie Kondo, especialista em arrumação e autora do best seller “Arrume a sua casa, arrume a sua vida”, publicado em Portugal pela editora Pergaminho.

Para esta autora a chave do sucesso está em “deitar fora”. Isto é, dispensar os mais variados objetos que já não têm utilidade ou que estão em excesso, como roupas, louças, livros ou papéis. O importante é analisar tudo o que tem e fazer uma seleção. Poderá desfazer-se do que já estiver em fim de vida e deverá doar os outros objetos a quem precisa. Marie Kondo não exorta para um minimalismo exacerbado e até usa uma técnica bem emocional quando aborda o tema: “Se tocar no objeto e sentir alegria, fique com ele”.

Depois de selecionar o que realmente o faz sentir bem e lhe faz falta no dia-a-dia, há que fazer o grande trabalho: organizar. Das roupas aos livros, passando pela cozinha e pelos vários documentos e “papelada” que se vão acumulando em casa, é sugerido que os categorize e coloque em locais específicos, como em caixas, armários ou dossiers para quando necessitar deles serem de fácil acesso.

Ao manter tudo arrumado e nos locais específicos torna, inevitavelmente, o seu dia-a-dia mais facilitado por duas razões essenciais: passa a saber melhor o que tem em casa e assim não tem a necessidade de voltar a comprar. E, a mais importante: ganha tempo para a sua vida.

Mónica Pereira, da Cooking Memories, sabe bem que uma cozinha organizada é meio caminho andado para o sucesso culinário. Para a cozinheira a cozinha é um espaço de memórias e o coração da casa.

“Com uma cozinha organizada temos tudo à mão. Sentimos que está tudo a postos para levantar voo com a nossa imaginação”, destaca, referindo que traz também mais segurança às crianças e ajuda a incutir nelas o sentido da organização e arrumação.

Um estudo recente realizado pela Universidade de New South Wales, na Austrália, e publicado na revista especializada Environment and Behavior refere, a propósito, que uma cozinha limpa e organizada ajuda a uma dieta equilibrada. A equipa do psicólogo Lenny Vartanian, apurou que, se uma pessoa conseguir manter a sua cozinha organizada, evita o excesso de comida. Pelo contrário, se conviver com um espaço caótico tem tendência a “petiscar” mais vezes. Aliás ficou mesmo comprovado que as pessoas comem duas vezes mais em ambientes desarrumados comparando com os mesmos participantes que realizaram o estudo num ambiente organizado.

Desarrumação e depressão

Quando uma sala fica completamente “atafulhada” a causa é mais do que física. Esta afirmação repete-se em diversos artigos sobre o facto de a arrumação da casa ser indissociável do estado de espírito. Aliás, problemas como a depressão ou a ansiedade podem mesmo começar por revelar-se com estes episódios de falta de organização. Os especialistas estão atentos aos sinais e muitos diagnósticos são feitos após análise da conduta dos pacientes no seu lar. Um ambiente desorganizado gera stresse por conter um elevado número de informações não coerentes que podem confundir o cérebro. E o stresse acarreta os mais variados problemas físicos e mentais. A chave para o equilíbrio pode estar pois dentro de sua casa, num ambiente organizado.

A mais recente campanha da IKEA exorta à organização para todos vivermos num ambiente mais saudável. “Passamos tanto tempo num espaço interior que às vezes nem nos apercebemos da importância que isso tem e a forma como se reflete no nosso comportamento”, refere a propósito Marta Cunha, Designer de Interiores na IKEA Portugal. A especialista que tem vindo a estudar as necessidades das pessoas de forma a enquadrar todas as vontades num ambiente saudável, relembra que um dos truques para tal acontecer é fazer uma lista do que não se precisa e retirar de casa “tudo o que é desperdício, para fazer uma limpeza mental que nos vai ajudar a fazer a limpeza física”. Marta Cunha defende que se devem mesmo criar rotinas para arrumar e organizar, destacando que essa filosofia não pode ser encarada como uma tarefa non grata.

A campeã a abrir gavetas, Mariana Seara Cardoso, blogger e mãe de dois pares de gémeos também deu o seu contributo na campanha da IKEA. Aliás os quatro filhos fizeram com que repensasse toda a organização da sua casa. “Isto está tudo espalhado”, era uma frase que dizia recorrentemente, mas que com um pouco de organização foi desaparecendo do seu dia-a-dia. “As caixas amarelas são para guardar os sapatos, as brancas para guardar meias…”, enumera, lembrando que a casa também é vivida com os quatro filhos a desarrumarem tudo, mas depois “há sempre sítios mágicos” e tudo fica organizado.

Dia 20 de maio assinala-se o Dia da Arrumação. Por isso, entre nesta onda e saiba mais em #euqueroarrumar.

Conteúdo produzido pelo OBS Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Comida

Gastronomia com Ciência

Hélio Loureiro

Uma das práticas e pontos chaves da dieta mediterrânica é o comer em família, partilhar, conviver. A própria palavra, comer tem esse mesmo significado: com (na companhia de...) e er (repetição).

Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
130

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.