Logo Observador
Crise Política no Brasil

Michel Temer fica. Até quando, querido?

Temer resistiu e não apresentou a renúncia ao cargo mesmo depois de um dia em que viu alguns dos seus principais aliados romperem o Governo brasileiro. Começa agora a luta do Presidente pelo poder.

"Em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja. Sempre honrei o meu nome", assegurou Temer

AFP/Getty Images

Um país em convulsão, com um Presidente não eleito cada vez mais impopular, fragilizado e desacreditado, e uma classe política mergulhada em sucessivos escândalos de corrupção. Assim vai o Brasil, que esta quinta-feira conheceu mais uma página conturbada da sua história democrática: mesmo perante todas as suspeitas de obstrução à justiça, mesmo estando sob investigação, mesmo com os aliados que o levaram ao poder a baterem em retirada, Michel Temer resistiu a todas as pressões e manteve-se no cargo. Reflexo do náufrago? Talvez, mas a pergunta que se coloca agora é: até quando, querido?

A notícia do suposto envolvimento de Michel Temer na tentativa de silenciamento do ex-deputado Eduardo Cunha e do operador financeiro Lúcio Funaro caiu com estrondo. De acordo com o jornal O Globo, o empresário Joesley Batista terá dito a Michel Temer que estava a dar uma mesada a ambos na prisão para que ficassem calados e não comprometessem o Presidente brasileiro na operação Lava Jato. Numa conversa gravada pelas autoridades brasileiras, Temer terão então respondido: “Tem que manter isso, viu”. E começou aí a derrocada do homem que derrubou Dilma Rousseff.

As hipóteses

O Presidente pode ser investigado por obstrução à Justiça ou até mesmo de envolvimento em organização criminosa (considerados crime comuns). Se a Procuradoria-Geral da República brasileira assim o entendesse, o processo seguiria depois para o Supremo Tribunal Federal, que só poderia aceitar ou rejeitar a denúncia com a autorização de uma maioria de dois terços da Câmara dos Deputados (câmara baixa). Se os parlamentares derem seguimento ao processo, Temer ficaria afastado durante 180 dias, em que o Supremo Tribunal Federal tem para dar início ao julgamento, como explica o Estadão. Se for condenado, o Presidente cai.

O mesmo jornal brasileiro avança com uma segunda hipótese. Ironia das ironias, Temer pode enfrentar um processo em tudo semelhante ao que resultou no afastamento de Dilma e ser julgado por crime de responsabilidade. Neste cenário, a destituição do Presidente brasileiro dependeria sempre da autorização da Câmara e do resultado do julgamento do Senado (câmara alta do Congresso brasileiro).

Poderá haver eleições?

Estes são apenas alguns dos cenários em cima da mesa. Também não está excluída a hipótese de serem convocadas eleições diretas no Brasil, mas tudo dependerá dos rearranjos do tabuleiro político e do decorrer do processo na Justiça brasileira.

Na comunicação que fez ao país, o Presidente brasileiro negou qualquer envolvimento no caso. “Em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja. Sempre honrei o meu nome. Nunca autorizei que utilizassem o meu nome indevidamente”, assegurou o Presidente brasileiro.

No plano imediato, Temer terá de ligar com a saída dos ministros da Cultura, Roberto Freire, e da Defesa, Raul Jungmann, ambos do partido PPS, que se demitiram do Governo na sequência do mais recente escândalo político no Brasil. E os problemas podem não ficar por aqui: o PSDB, o maior aliado de Temer no Congresso, já avançou com um processo de impeachment contra o Presidente. Será este o fim de linha para Temer?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Terrorismo

Sitting ducks

José Ramón Pin e José Miguel Pinto dos Santos

É fantástico não ter medo de sheiks e de mullahs, allamahs e ayatollahs, nem dos seus rebentos, mas só se isso não impedir as acções adequadas para anular o seu potencial de destruição.

PSD

O erro dos críticos de Passos Coelho

Rui Ramos

À oligarquia, basta um governo que faça contas para Bruxelas ver. Ora, isso Costa já provou que é possível com o PCP e o BE. Não precisa do PSD. Nem o de Passos Coelho, nem o de quem quer que seja.