Logo Observador
Greve

Mais de 76 mil alunos inscritos em exames no dia da greve dos professores

Os professores marcaram greve para 21 de junho. Nesse dia, estão marcados os exames nacionais de Física e Química A, Geografia A e História da Cultura e das Artes. São mais de 76 mil alunos inscritos.

Jeff J Mitchell/Getty Images

Mais de 76 mil alunos do ensino secundário estão inscritos nos exames nacionais marcados para 21 de junho, dia para o qual sindicatos dos professores convocaram uma greve, segundo estatísticas provisórias divulgadas esta quarta-feira pelo Ministério da Educação.

Ao todo, para 21 de junho, estão inscritos 76.094 estudantes para os exames finais nacionais de Física e Química A (46.408), Geografia A (24.014) e História da Cultura e das Artes (5.672). A primeira fase dos exames nacionais do ensino secundário realiza-se entre 19 e 27 de junho, estando inscritos 352.179 alunos nas diferentes provas.

Sem especificar que medidas serão eventualmente tomadas para evitar a paralisação ou os seus impactos, como por exemplo o recurso aos serviços mínimos, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse hoje no programa da manhã da rádio Renascença que será feito “tudo para que nesse dia todos os estudantes possam fazer os seus exames”. “É importante que se criem todas as condições para que o dia 21 [decorra] com serenidade”, afirmou o ministro.

Questionado pela Lusa, o Ministério da Educação indicou, através da sua assessoria de imprensa, que ainda não tomou uma posição sobre a greve.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof), afeta à CGTP-in, e a Federação Nacional de Educação (FNE), afeta à UGT, decidiram na terça-feira avançar com uma greve para 21 de junho, por falta de entendimento com a tutela em matérias como a aposentação e a progressão de carreiras. A Fenprof tem reiterado que mantém a greve nesse dia mesmo que o Ministério da Educação altere a data dos exames.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes
1.500

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas