Logo Observador
Comida

Pratos à base de beldroegas “abrem apetite” em Alvito

Pratos à base de beldroegas vão "abrir o apetite" e enriquecer as ementas de restaurantes do concelho de Alvito, entre quinta-feira e domingo, numa iniciativa gastronómica dedicada às ervas.

O ciclo "As Ervas da Baronia" inclui três iniciativas gastronómicas ao longo do ano

PAULO NOVAIS/LUSA

Pratos à base de beldroegas vão “abrir o apetite” e enriquecer as ementas de restaurantes do concelho de Alvito, distrito de Beja, entre quinta-feira e domingo, numa iniciativa gastronómica dedicada àquelas ervas usadas na cozinha alentejana.

Segundo a Câmara de Alvito, a iniciativa dedicada às beldroegas faz parte do ciclo gastronómico “As Ervas da Baronia”, que pretende promover a gastronomia alentejana à base de ervas típicas da região e dinamizar o setor da restauração e a economia do concelho.

Açorda, feijão, sopa, arroz ou migas de beldroegas com pataniscas, bacalhau, peixe frito, camarão, ameijoas ou queijo de cabra ou lombo assado com beldroegas guisadas são alguns dos pratos que os apreciadores vão poder degustar nos restaurantes aderentes, seis na freguesia de Alvito e dois na de Vila Nova de Baronia.

A iniciativa vai incluir também um mercadinho para mostra e comércio de produtos locais, um rastreio de diabetes, demonstrações de mobiliário urbano, “fitness” e de cozinha com prova de bacalhau gratinado com beldroegas e a atuação do Grupo Coral Juvenil “Os Rama Verde” no sábado, no espaço exterior da Casa do Povo de Vila Nova da Baronia.

O ciclo “As Ervas da Baronia” inclui três iniciativas gastronómicas ao longo do ano, a primeira em fevereiro, dedicada a catacuzes, espargos e carrasquinhas, a segunda em junho, em que “reinam” as beldroegas, e a terceira em outubro, dedicada aos poejos, coentros e hortelãs.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.