Polícia Judiciária

Hermínio Loureiro e outras seis pessoas detidas por alegada corrupção e tráfico de influência

1.687

A PJ deteve 7 pessoas por alegada corrupção e tráfico de influência. Em causa, manipulação de regras de contratação pública envolvendo também clubes de futebol. Um dos detidos é Hermínio Loureiro.

O ex-presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Hermínio Loureiro é o atual vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol

PEDRO FERRARI/LUSA

O ex-autarca Hermínio Loureiro, o atual presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Isidro Figueiredo, um funcionário camarário e quatro empresários, nomeadamente da construção civil, foram detidos, esta segunda-feira, pela Polícia Judiciária, pela “presumível autoria de crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato e tráfico de influência”, no âmbito de inquérito titulado pelo Ministério Público – DIAP de Aveiro, Secção de Santa Maria da Feira.

O Observador confirmou que Hermínio Loureiro, atual vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, ex-presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, ex-presidente da Liga de Futebol Profissional e ex-secretário de Estado do Desporto, é o ex-autarca detido. E a Lusa, citando fonte da PJ ligada à investigação, escreve que o autarca detido é o atual presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis. Isidro Figueiredo, indicado por Loureiro como seu sucessor, é também o candidato do PSD às próximas autárquicas.

Para já há “fortes indícios da existência de relações privilegiadas entre os suspeitos que, ao longo do último ano, têm visado a realização de diversas obras em diferentes localidades, manipulando as regras de contratação pública”, lê-se no comunicado sobre a “Operação Ajuste Secreto”.

No comunicado enviado às redações, a PJ diz que foram levadas a cabo 31 buscas, incluindo cinco camarárias e cinco em clubes locais de futebol, na qual participaram magistrados do Ministério Público e cerca de 90 elementos da Polícia Judiciária.

A Lusa dá conta que alguns dos detidos foram conduzidos, esta segunda-feira, às câmaras municipais envolvidas para realização de buscas. Uma delas é a de Oliveira de Azeméis. E entre os cinco clubes de futebol alvo de buscas policiais estão o União Desportiva Oliveirense, Atlético Clube de Cucujães e Futebol Clube Macieirense.

Os detidos têm idades compreendidas entre os 40 e os 60 ano e serão presentes a primeiro interrogatório judicial à competente autoridade judiciária para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Hermínio Loureiro renunciou ao cargo de presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis em dezembro de 2016. Na altura justificou a decisão dizendo que “é muitas vezes mais importante saber sair da cena política, do que a ela se apresentar”. De acordo com uma declaração transmitida na Câmara Municipal, à qual a Lusa teve acesso, Hermínio Loureiro (PSD), reeleito em 2013 para a presidência da autarquia, disse que se tratava da conclusão “da atividade política como dirigente eleito pelos munícipes, transmitindo os destinos do concelho a outras pessoas, igualmente preparadas, no quadro previsto na legislação em vigor”.

Já nesta altura, várias fontes do PSD relacionavam a saída do ex-autarca com a investigação em curso. Fontes da distrital do PSD temem o efeito desta detenção nas próximas autárquicas.

Aquando do anúncio da sua demissão da liderança da autarquia de Oliveira de Azeméis (e de uma série de outros cargos públicos que desempenhava), Hermínio Loureiro foi confrontado pelo Expresso com os rumores da existência de uma investigação judicial. O atual vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol disse então ser “um livro aberto” e convidou os “céticos” a questionarem o Ministério Público, a Polícia Judiciária e os tribunais sobre alguma investigação contra si.

A narrativa de Hermínio Loureiro baseou-se apenas num fim de ciclo. “Simplesmente achei que após 22 anos ininterruptos de vida pública e política era tempo de sair de cena” (…) “Não há qualquer jogada (…) Se fosse Rui Rio a fazê-lo era um génio para os jornalistas e comentadores”, afirmou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site