Comissão de Inquérito

Primeiras conclusões da comissão de inquérito à CGD conhecidas na 2ª feira

As primeiras conclusões da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos vão ser conhecidas na próxima segunda-feira, dia 3 de julho.

Os deputados terão depois até dia 10 para apresentar propostas de alteração ao relatório preliminar

ANTONIO COTRIM/LUSA

As primeiras conclusões da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos vão ser conhecidas na próxima segunda-feira, dia 3 de julho, aprovaram esta quinta-feira os deputados, por unanimidade.

Na Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e à Gestão do Banco, os deputados aprovaram por unanimidade um novo calendário que prevê o prolongamento dos trabalhos da comissão por mais quinze dias do que o inicialmente previsto: até 18 de julho.

Assim, o deputado Carlos Pereira (PS) terá de entregar até à próxima segunda-feira, dia 3, o relatório preliminar da comissão parlamentar de inquérito, contendo as primeiras conclusões dos deputados sobre a gestão e recapitalização do banco público.

Os deputados terão depois até dia 10 para apresentar propostas de alteração ao relatório preliminar, ficando Carlos Pereira responsável por entregar a versão final do documento no dia 14, para que no dia 18 seja votada.

O deputado social-democrata Costa Neves explicou que o PSD votou favoravelmente o novo calendário para “permitir operacionalidade” aos trabalhos, mas afirmou que isso não significa que concorde com o fecho dos mesmos. “Entendemos que não foram obtidas as clarificações necessárias; estão pendentes diligências que permitiam essa clarificação”, disse.

A comissão de inquérito vai debruçar-se sobre a gestão do banco público desde o ano 2000, culminando no processo de recapitalização de cerca de 5.000 milhões de euros, aprovado entre o Governo português e a Comissão Europeia, depois de a CGD ter apresentado um prejuízo histórico de 1.859 milhões de euros em 2016.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site