Venezuela

Timidez do Governo português face à crise na Venezuela não ajuda emigrantes

O diretor-executivo da Transparência e Integridade disse que a timidez da reação do Governo português face à crise na Venezuela não ajuda a comunidade emigrante naquele país.

Miguel Gutierrez/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O diretor-executivo da Transparência e Integridade disse esta segunda-feira que a timidez da reação do Governo português face à crise na Venezuela não ajuda a comunidade emigrante naquele país, considerando que Portugal deve ser firme na condenação do regime venezuelano.

A timidez, a falta de clareza, a falta de assertividade do Governo na reação a esta crise por parte de um país amigo, como é ou deveria ser a Venezuela, não protege, não ajuda a proteger a comunidade portuguesa”, declarou à agência Lusa João Paulo Batalha.

Para o responsável da associação cívica, o Governo português “deve ser firme na sua condenação a este tipo de deriva antidemocrática e, obviamente tem de estar capacitado para dar, se necessário for, o apoio aos portugueses”. “Sabemos que há, obviamente, muitos portugueses que estão no centro desta crise. Eu acho que isto tem justificado alguma timidez, chamamos-lhe assim, do Governo português na forma como tem reagido a esta crise”, sublinhou o diretor executivo da Transparência e Integridade.

Entretanto, para Batalha, “esta timidez não parece minimamente ajustada à gravidade da situação”. “Isso faz-me lembrar a cumplicidade que o Governo português teve, na altura, com o Apartheid sul-africano, exatamente com o mesmo argumento da existência de uma grande comunidade portuguesa na África do Sul”, acrescentou.

“Lamento que o Governo português não seja mais claro nas suas tomadas de posição e menos ambivalente, infelizmente o tem sido, porque é fundamental que a comunidade internacional, neste momento, coloque-se do lado dos cidadãos venezuelanos e da sociedade civil venezuelana na rejeição deste estado de coisas”, disse ainda o responsável da associação cívica. O Governo português tem seguido as posições da União Europeia no que diz respeito à crise na Venezuela.

Na quarta-feira, ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva afirmou que Portugal, tal como os restantes países da União Europeia, não pode reconhecer a Assembleia Constituinte da Venezuela eleita no dia 30 de julho, a qual classificou de “um passo negativo.

Trata-se de “um passo negativo no processo”, disse o ministro, acrescentando: “É necessário o regresso à normalidade constitucional, com pleno respeito dos poderes dos órgãos eleitos, pela separação de poderes, e é um apelo muito veemente da nossa parte para que as partes recusem e renunciem a qualquer forma de violência e se envolvam num processo político que resulte num compromisso, o regresso à normalidade constitucional na Venezuela e um calendário eleitoral que seja por todos aceite”.

Sobre o pedido do presidente do Parlamento Europeu à União Europeia para que esta imponha sanções aos membros do Governo venezuelano de Nicolás Maduro, como a limitação dos movimentos no território comunitário e o congelamento de ativos económicos, o ministro referiu que ainda não existe uma decisão.

Não ultrapassamos etapas e definimos sempre a nossa posição, o nosso falar e o nosso silêncio a partir da pergunta principal: o que ajuda mais e o que prejudica mais a nossa comunidade portuguesa e luso-venezuelana que reside na Venezuela. Não faço nada que prejudique e faço tudo o que possa ajudar”, garantiu o ministro.

A este propósito, referiu Santos Silva que “o Governo português concorda com a posição da União Europeia, que ainda não considerou a possibilidade de utilização de outras ações políticas e diplomáticas”. Sobre a comunidade portuguesa e luso-venezuelana que se encontra na Venezuela, Augusto Santos Silva garantiu que esta é a principal preocupação do Governo.

A 30 de julho, foi eleita uma nova Assembleia Constituinte, convocada pelo Presidente Nicolás Maduro e boicotada pela oposição. A Venezuela atravessa uma grave crise política, com manifestações quase diárias contra o Presidente Maduro e que em quatro meses provocaram 120 mortos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catalunha

Não é independente quem quer

Jorge Pereira da Silva

No actual quadro, que Estados poderão reconhecer a Catalunha como um Estado independente? Se excluirmos porventura alguns Estados párias, a resposta é simples: nenhum. Vale a pena perceber porquê.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site