Venezuela

Venezuela: hackers atacam sites estatais em dia de marcha pró-governo

Dois mil venezuelanos saíram à rua esta segunda-feira para apoiar a nova Assembleia Constituinte. Do lado da oposição, um grupo de hackers bloqueou 40 sites estatais

Grupo de manifestantes a favor da Assembleia Constituinte numa marcha realizada a 2 de Agosto

NATHALIE SAYAGO/EPA

Um grupo de hackers auto-intitulado “The Binary Guardians” (Os Guardiões Binários) anunciou esta segunda-feira ter conseguido entrar em vários sites de organismos estatais venezuelanos, tendo colocado em alguns deles mensagens contra o governo de Nicolás Maduro. “A nossa luta é digital. Tu trancas as ruas, nós trancamos as redes”, pôde ler-se nos sites de organismos como o Conselho Nacional Eleitoral, o Supremo Tribunal e o Parlamento, segundo relata a agência EFE.

A nossa intenção é dar às pessoas a esperança de que, independentemente de quão forte o inimigo pareça ser, há força na unidade”, disse o grupo à agência Reuters.

As declarações, que foram feitas por email, incluíam também a informação de que o grupo teria conseguido entrar em 40 sites do Estado venezuelano. Os “Binary Guardians” disseram ainda à Reuters que não têm qualquer ligação ao grupo que atacou uma base militar no passado fim-de-semana, numa ação que ficou conhecida como “Operação David”, mas que apoiaram o ataque. Nicolás Maduro já anunciou que irá pedir “a pena máxima” para os que participaram na operação, que classificou de “ataque terrorista”.

Maduro diz que travou sublevação militar. Duas pessoas morreram

O ataque informático ocorreu não só no rescaldo da “Operação David”, como também num dia de marcha pró-governo. Esta segunda-feira, cerca de duas mil pessoas reuniram-se em Caracas para uma manifestação de apoio à Assembleia Constituinte. “Mais do que tudo, esta marcha é um apelo à paz”, declarou uma manifestante à televisão estatal, citada pela Reuters.

A nova Assembleia deverá reunir-se esta terça-feira, depois de Maduro ter anunciado a criação de uma “comissão para a verdade” que visará impor justiça relativamente àqueles que, segundo o Presidente da Venezuela, têm alimentado os protestos que abalam o país desde o início de Abril. Ao todo, num país a braços com sérias restrições de alimentos e uma inflação galopante, mais de 120 pessoas já morreram nos últimos quatro meses, na sequência de vários protestos contra o executivo de Maduro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Catalunha

Não é independente quem quer

Jorge Pereira da Silva

No actual quadro, que Estados poderão reconhecer a Catalunha como um Estado independente? Se excluirmos porventura alguns Estados párias, a resposta é simples: nenhum. Vale a pena perceber porquê.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site